Ettore Marchetti, CEO da EQI Asset, analisa o segundo dia de painéis da Money Week

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Money Week

A Money Week Cenários 2022 recebeu nesta quarta-feira (12) Paul Krugman, Nobel de Economia, e Felipe Miranda, CIO e estrategista-chefe da Empiricus. Para comentar as palestras e “amarrar” todas as ideias levantadas, o CEO da EQI Asset, Ettore Marchetti, foi o convidado. Confira, abaixo, o que Marchetti destacou deste dia de evento.

Marchetti: subida de juros deve ser mais rápida nos EUA

Para Marchetti, o economista Paul Krugman trouxe à Money Week uma perspectiva histórica interessante, contando sobre a natureza das crises, inclusive a decorrente da pandemia de Covid-19.

“A crise da Covid é ‘da idade média’, como Krugman brincou. É uma praga. E, neste caso específico, você tem que ajudar o consumidor. E isso, em geral, pode ser feito de maneira rápida, como foi feito pelos bancos centrais”, ele diz, lembrando da injeção de dinheiro na economia feita pela maioria dos países.

O CEO da EQI Asset revela que também gostou da leitura de Krugman quanto ao principal ponto a ser analisado daqui em diante, que é quando virá e de quanto será o aumento de juros nos Estados Unidos.

“A leitura dele condiz muito com o que temos discutido na EQI Asset. Quão persistente é a inflação? Vemos a inflação americana rodando a 7% ao ano, sendo que a meta informal do banco central americano é 2,5%. Ou seja, está muito fora da meta. Quando o banco central vai subir juros e quão rápido será o processo é algo a ser acompanhado com atenção. O que enxergamos é que o Fed vai ter que responder muito mais rápido, com até quatro ou cinco aumentos de juros ainda este ano. E quando você sobe juros, você drena a liquidez dos mercados e torna o ambiente mais desafiador”, explica. Portanto, ele recomenda, é preciso ser muito mais seletivo na escolha das ações e dos investimentos daqui em diante.

Ettore Marchetti: no Brasil, mercado está excessivamente pessimista

Avaliando também o cenário brasileiro, tema da palestra de Felipe Miranda, Marchetti avalia que o Brasil terá um ano político complexo, que promete ser bem polarizado. No entanto, ele enxerga exageros na avaliação de muitos analistas.

“Ontem, na Money Week, Sérgio Moro pontuou que os 15% do eleitorado são fundamentais para viabilizar sua candidatura. Mas é preciso lembrar que é impossível vencer uma eleição sem atrair o Centro. Lula está buscando atrair Geraldo Alckmin como vice. Bolsonaro vai procurar manter ou encontrar alguém com perfil parecido ao do Paulo Guedes para a Economia. E quando os dois extremos estão buscando o Centro e o próprio Centro ainda é uma incógnita, para mim é sinal de que o mercado está com uma visão pessimista exagerada. É preciso lembrar que o Brasil chega perto do precipício muitas vezes, mas nunca cai”, analisa. “Apostamos, cada vez mais, que essa eleição vai ser mais tranquila do que parece”.

Para Marchetti, o relevante, seja quem for o eleito, é insistir na agenda reformista. “Tivemos coisas boas em 2020 e 2021, como a autonomia do Banco Central, lei do orçamento e lei do gás. Poderia ter sido feito mais? Sim. Mas, em meio à pandemia, não podemos ignorar que houve avanços. A agenda micro, especialmente, está funcionando e desengargalando investimentos de longo prazo. Temos que continuar com privatizações, concessões e reformas macro e micro”, diz.

Parcimônia é a palavra para o investidor, diz Marchetti

Apesar dos juros em alta no Brasil, que sugerem uma migração para a renda fixa, Marchetti afirma que, para quem tem horizonte de longo prazo, existem boas oportunidades também na bolsa, com empresas subavaliadas.

Mas ele diz que não é hora de colocar todas as fichas em “um pote só”. “Este é um ano para ficar mais ‘zen’, é hora de ir devagar. Compre com calma o que você achar bom, mas vai fazendo isso ao longo do tempo, sem pressa, aos poucos aumentando sua posição, para aproveitar as oportunidades. Parcimônia é a palavra”, finaliza.

Quem é Ettore Marchetti?

Sócio responsável pela gestão de renda fixa e multimercado da EQI Asset, Ettore possui duas décadas de experiência no mercado financeiro, sendo 11 deles no Credit Suisse Hedging Griffo, onde também era sócio e responsável pela gestão de renda fixa.

Formado em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da USP, ele tem mestrado em Economia pelo Insper.

Há um ano, Ettore assumiu o desafio de comandar a EQI Asset. Como CIO (Executivo-chefe de Investimentos), ele coordena a gestora de recursos da EQI.

A EQI Asset tem como meta oferecer excelência na gestão de recursos, fornecendo acesso aos melhores negócios – gerenciando o risco de forma ativa e preservando o capital dos clientes.

A EQI Asset é a união de profissionais com histórico de boas relações e com conhecimento comprovado na seleção e gestão de ativos.

Em outubro a EQI Asset anunciou a incorporação da gestão dos fundos da NCH Brasil. Assim, a empresa chega a R$ 1,5 bilhão de ativos sob gestão. A NCH Brasil é a operação brasileira da NCH Capital, gestora de Nova York que tem US$ 3 bilhões sob gestão.

Money Week segue até sexta-feira

A Money Week, evento online e gratuito daEQI Investimentos, segue até sexta-feira (14), com muitos convidados especiais do mundo dos investimentos.

Ontem, Michel Temer e Sérgio Moro marcaram presença – e você confere como foi, clicando nos links ao lado.

Amanhã (13), será a vez de Carol Dias, Juliano Custodio e Edgar Abreu. Não perca!

  • Você pode conferir todos os painéis na íntegra clicando aqui. Garanta já sua vaga!