Edgar Abreu analisa o terceiro dia da Money Week Cenários 2022

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Money Week

O professor Edgar Abreu, mestre em Economia, especialista em finanças e certificações financeiras, foi o convidado desta quinta-feira (13) para comentar as palestras do dia da Money Week Cenários 2022.

O evento, online e gratuito, é promovido pelaEQI Investimentos e segue até amanhã, sexta-feira (14).

Marcaram presença nesta edição Sérgio MoroMichel TemerRoberto D’AvilaPaul KrugmanFelipe MirandaEttore MarchettiCarol Dias, e Juliano Custodio.

Na sexta-feira (14), último dia de evento, será a vez de uma seleção de craques internacionais: Joseph StiglitzThomas Piketty e Deirdre MacCloskey. E para fechar, análise de Alexandre Schwartsman. Não perca! Clique aqui e faça seu cadastro agora mesmo.

Edgar Abreu: como foi o terceiro dia de Money Week?

Edgar começou sua análise falando sobre a poupança, que é sempre a “coitada que apanha de todos os educadores financeiros”, como ele mesmo diz.

O educador explicou sobre a história da poupança, criada em 1861, e a razão pela qual ela é ainda tão usada pelos brasileiros. “É algo cultural, passado de geração para geração. Para se ter ideia, os escravos podiam guardar dinheiro na poupança para juntar e comprar a alforria”, diz.

Mas, pior do que a poupança, ele afirma, é imaginar que, ainda hoje, existam brasileiros que guardam dinheiro no colchão.

“Parece brincadeira, mas a Anbima fez um levantamento em 2020 e, inacreditavelmente, 7% dos brasileiros colocava dinheiro no colchão”, conta.

“Falar de dinheiro e entender de investimento é algo ainda muito complexo para o país, existe muito tabu. Mas o especialista em investimento é simplesmente o médico do dinheiro”, compara, explicando que é ele quem vai dar as explicações mais técnicas, mas que todos precisam ter algum conhecimento mínimo para não se deixar enganar.

No entanto, o cenário vem mudando, ele afirma, muito por conta do avanço da tecnologia, das redes sociais e do papel dos influenciadores, sendo que muitos deles, como Carol Dias, são mulheres – um público que vem crescendo no mundo dos investimentos, apesar de ainda ser minoria.

“Hoje a gente sofre de um outro problema que é ter informação demais e você não ter capacidade de filtrar o que é informação boa ou ruim. Minha dica é procurar instituições sólidas, eventos como esse, promovidos por empresas sérias. Já quanto aos influenciadores, você precisa saber um mínimo do tema para poder julgar se o cara é mesmo confiável ou está falando besteira”, recomenda.

Edgar Abreu: perfil conservador x arrojado

Comentando as palestras de Carol Dias e Juliano Custodio, Edgar Abreu avalia que ficou bem evidente a diferença entre os perfis de investidores: o mais arrojado e o mais conservador.

“A Carol é arrojada, coloca mais de 70% em renda variável. Mas, sempre lembrando da importância da reserva de emergência”, avalia. “Já Juliano apontou que com a Selic em alta, é possível ter um ótimo retorno, mas com mais segurança, na renda fixa”.

E conclui: “Não existe investimento ruim. Existe investimento errado para o seu perfil”. Ou seja, é o perfil do investidor que deve apontar quanto da carteira deve ir para a renda fixa e quanto para a renda variável.

Um risco sério para o investidor, alerta Abreu, é o de “acompanhar a manada” e não balancear corretamente a carteira. O termo “fomo” é usado por ele para definir a sensação que muitos investidores têm de estar perdendo oportunidades, quando todos estão ganhando, o que leva a uma ação por impulso, que deve ser sempre evitada.

MBA em Investimentos e Educação Financeira

Durante a palestra de Edgar Abreu foi lançado o MBA em Finanças e Educação Financeira daEQI Investimentos em parceria com a Edgar Abreu Curstos e a Etep Centro Universitário.

Clique aqui para conhecer os professores, dentre eles o próprio Abreu e Juliano Custodio, e mais detalhes sobre o curso.

Quem é Edgar Abreu?

Edgar Abreu é hoje CEO da 4U EdTech, uma empresa que tem o objetivo de potencializar a educação do Brasil, ampliando o acesso e agregando valor aos alunos e às instituições parceiras.

Mas vamos começar do início? A trajetória do professor Edgar Abreu, como ele mesmo gosta de ser chamado, começou em uma escola pública no interior de Goiás.

Aos 18 anos, Abreu foi convidado a dar aulas de Física e Química na instituição. Essa experiência despertou seu espírito docente. Ele define assim: “o pó de giz contaminou o meu sangue”.

Para realizar seu sonho, ele se formou em matemática, na modalidade de licenciatura, para se tornar professor. A partir daí, traçou um novo objetivo: virar docente da Pontifício Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), universidade em que ele mesmo estudou.

Edgar conta que, durante a faculdade, se indagou muitas vezes se a escolha de ser professor seria boa o suficiente para que conseguisse uma remuneração salarial digna. Como sabemos, a carreira de professor no Brasil não é das mais fáceis, com salários baixos e alto teor de estresse.

Por isso, Abreu decidiu investir o seu tempo para estudar e virar um concurseiro. Prestou o concurso da Banrisul, ganhou a desejada estabilidade e trabalhou lá por sete anos.

Contudo, duas coisas ainda o incomodavam: os desejos de ser professor e de empreender. Como conseguir conciliar as duas coisas? Não foi uma tarefa fácil…

Para dar conta de sua realização, Edgar teve que pedir exoneração de um emprego com estabilidade e de salários acima da média brasileira. Mas, como bem sabemos, a vida é feita de oportunidades.

Ainda quando estava na instituição bancária, Abreu começou a realizar treinamentos para novos servidores. Isso fez com que ele tomasse coragem para abrir uma empresa focada em ensinar as pessoas. E foi assim que Edgar Abreu iniciou a sua vida de empreendedor e professor.