Money Week debate ESG: sustentabilidade gera lucro e credibilidade

Ana Silveira
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução/Unsplash

Em tempos de pandemia mundial, o mundo precisou se reinventar. Tanto os profissionais quanto as empresas de grande, pequeno e médio porte se viram na obrigação de repensar a responsabilidade social.

Cada vez mais, as pessoas estão refletindo sobre o seu impacto na natureza e na sociedade e avaliando antes de apostar, comprar ou consumir uma marca ou mesmo um produto.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Diante deste cenário, ações com foco e direcionadas à sustentabilidade vêm ganhando adeptos e cada vez mais projetos. O mercado de investimentos, claro, também está inserido nesta transformação.

Se você quer entender mais sobre o assunto, leia este artigo.

Aproveite e faça sua inscrição na quinta edição da Money Week, evento online e gratuito da EQI Investimentos, que acontece entre 25 e 29 de outubro, e terá painéis e convidados sobre o tema. Clique aqui para se cadastrar!

ESG e o mundos dos investimentos

Para o investidor que se identifica com essa mentalidade (ainda considerada nova no Brasil, mas já praticada há muito lá fora), o foco deve ser a busca por investimentos sustentáveis e lucrativos.

Uma opção é investir em empresas que atendam às premissas da sigla ESG. Entenda:

  • E de environmental (meio ambiente): foco na redução de exploração de matérias-primas ou eliminação de poluentes, desenvolvimento de políticas de proteção, investimentos no cuidado com a natureza.
  • S de social: preocupação com segurança do trabalho, remuneração adequada para os profissionais, atenção ao bem-estar profissional, entre outras exigências.
  • G de governança: transparência na apresentação de informações, gestão qualificada, diversidade e representatividade no conselho administrativo.

O ideal é que as empresas tenham altos níveis nos três critérios, pois isso indica elevada aderência à sustentabilidade. No entanto, também pode ser comum observar um potencial específico em um dos pontos.

Fundos ESG

Mas como saber quais empresas atendem adequadamente a essas premissas?

Um bom ponto de partida é analisar os fundos ESG, também chamados de “fundos verdes.

Os fundos ESG são opções que aportam os recursos de vários investidores (os cotistas) em investimentos sustentáveis. Há diversas opções disponíveis — no Brasil, os ETFs são mais comuns.

Assim, o objetivo costuma ser o de investir em ações de empresas com base nas premissas citadas acima.

Como a empresa pode ser ESG?

Para que o investimento sustentável gere lucro, é primeiro preciso que as corporações desmistifiquem a ideia de que um Sistema de Gestão Ambiental é um gasto desnecessário.

É preciso entender que trata-se de um investimento e que vai resultar em um retorno tanto financeiro quanto de imagem e credibilidade.

Para as empresas, os processos precisam ser muito bem desenhados e cases de sucesso de empresas concorrentes podem ser inspiradores.

Sustentabilidade não é ‘modinha’, diz especialista

Segundo a líder de sustentabilidade da consultoria Grant Thornton Brasil, Meire de Fatima Ferreira, este  movimento não é uma “modinha”, como ele afirmou em entrevista ao Euqueroinvestir.com.

“O desenvolvimento sustentável é um tema que vem evoluindo desde a Eco 92. No meio empresarial, vem ganhando espaço desde a década de 2000”, afirma ela, que completa que a mudança da mentalidade de alguns empreendedores é uma questão de princípios ou de sobrevivência mesmo. “Apostar em ESG não é abrir mão de resultados, mas sim perenizar retornos”, explica a especialista.

Faça aqui seu cadastro na Money Week!