Mitre (MTRE3) informa redução acionária e Raia Drogasil (RADL3) aprova JCP

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução / Raia Drogasil

A Mitre (MTRE3) informou nesta quinta-feira (4) que a GIC reduziu sua participação acionária em 354.218 ações ordinárias. Assim, o fundo soberano de Singapura passa a ter 4,978 milhões de ações da companhia, o que representa aproximadamente 4,70% do capital social da Mitre.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3

Raia Drogasil (RADL3) aprova JCP

A rede de farmácias Raia Drogasil (RADL3) comunicou ao mercado, também nesta quinta-feira, que vai distribuir Juros sobre Capital Próprio, que serão pagos até o dia 3 de dezembro de 2020. A data ainda vai ser fixada pela empresa.

O valor bruto a ser pago por ação é de R$ 0,148540028 e não sofrerá nenhuma atualização monetária, informa a empresa.

“Tal benefício aplica-se à posição acionária do dia 25/06/2020, sendo certo que, a partir de 26/06/2020, as ações da companhia serão negociadas ‘exjuros sobre capital próprio’, desta forma haverá retenção de Imposto de Renda na Fonte”, completa.

Os acionistas pessoas jurídicas que sejam comprovadamente imunes ou isentos não terão retenção.

Banrisul (BRSR3) suspende pagamento trimestral de JCP

Já o Banrisul (BRSR3) comunicou que vai realizar o pagamento de dividendos complementares do exercício de 2019, no valor total de R$ 73,705 milhões, sendo o valor unitário por tipo e classe de ação será de R$ 0,18016094 por ação ordinária, R$0,19817703 por ação PNA e R$ 0,18016094 por ação PNB. Mas não trimestralmente, como de praxe.

“Serão beneficiados os acionistas que estiverem inscritos nos registros da sociedade na data de 09/06/2020 (data da declaração), passando as ações a serem negociadas ‘ex-direito’ aos dividendos a partir de 10/06/2020”, informou o banco.

O pagamento ocorreria em 22 de junho.

Entretanto, “em virtude do momento de contingência decorrente da Covid-19, o conselho deliberou por suspender, até o final do exercício de 2020, o pagamento de Juros Sobre Capital Próprio de forma histórica realizado trimestralmente pela companhia a seus acionistas nos termos do Estatuto Social e da Política Institucional de Remuneração aos Acionistas”, esclare.

“Tal medida visa a atender o tratamento dado à remuneração do Capital Social, de forma conservadora, consistente e compatível com as incertezas da conjuntura econômica atual, considerando os potenciais efeitos da pandemia por Coronavírus (Covid-19) sobre o Sistema Financeiro Nacional”, conclui.