Ministro diz que Bolsonaro citou PF “em contexto diferente” de Moro

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Reprodução

O ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, tentou esclarecer aos jornalistas o seu depoimento à PGR e à Polícia Federal após o presidente Jair Bolsonaro ter dito que ele havia “se equivocado”.

Em entrevista para o Estadão Conteúdo, Ramos reafirmou que, ao contrário do que Bolsonaro vem dizendo, a Polícia Federal foi citada na reunião ministerial do dia 22 de abril, mas “em contexto diferente” do que o ex-ministro Sérgio Moro afirmou em seu denúncia.

De acordo com Luiz Eduardo Ramos, o presidente da República não ameaçou Sérgio Moro de demissão ou se referiu à troca de comando da PF quando afirmou, na reunião ministerial, que poderia trocar a chefia do Rio de Janeiro.

Conheça os benefícios de se ter um assessor de investimentos

“Ele usou como exemplo: ‘Lá no Rio de Janeiro a minha segurança pessoal, que é do Gabinete de Segurança Institucional, se eu quisesse trocar o chefe eu trocaria. Se não resolvesse eu trocaria o ministro’. E o ministro é o general Heleno”, disse Ramos.

Induzido ao erro

Simule e projete seus ganhos: utilize nossa calculadora de investimentos

Ramos ainda afirmou que o presidente Jair Bolsonaro foi “induzido ao erro” pelos jornalistas quando questionado sobre seu depoimento e que, por isso, teria dito que ele, Luiz Eduardo Ramos, havia “se equivocado”.

O ministro argumentou que mencionou a PF quando falava da cobrança do presidente sobre relatórios de inteligência de todos os órgãos do Sistema Brasileiro de Inteligência, que inclui a Polícia Federal, a Abin, as Forças Armadas e outros ministérios, como a Advocacia-Geral da União.

“A pergunta induziu ele ao erro. Eu falo de Polícia Federal na hora que ele está reclamando dos relatórios de inteligência da Abin, das Forças Armadas e da Polícia Federal. Está no meu depoimento”, disse o ministro.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

“Ele entendeu na pergunta que eu tinha falado de Polícia Federal na hora que falou de substituição. Não é verdade”, complementou.

Retificações

De acordo com o Uol, o depoimento de Luiz Eduardo Ramos durou aproximadamente cinco horas e, no final dele, ao reler suas declarações, o ministro pediu duas retificações, ambas em pontos nos quais citava mudanças na Polícia Federal.

O ministro afirmou, em sua primeira versão, que o presidente não mencionou a vontade de trocar o comando da PF na reunião ministerial do dia 22 de abril e em qualquer outro momento. Depois, ao ler o depoimento ao final, o ministro pediu para substituir o tom assertivo pela informação de que não se lembrava.

O ministro admitiu que a alteração ocorreu por recomendação de seu advogado, uma vez que não tinha certeza absoluta de que a substituição da PF havia sido mencionada.

“Foram cinco horas de depoimento. Acaba o depoimento, eles imprimem para eu ler e li junto com o advogado. O advogado falou assim: ‘Ministro, essa expressão que senhor colocou aqui é com certeza?’ Eu tinha botado ‘não foi mencionado’. Para mim, não foi mencionado. E o advogado perguntou: o senhor tem 1000% (de certeza)? Eu disse que não. E ele falou: ‘Então, em vez de não mencionado o senhor vai (colocar) ‘não se lembra’”, concluiu.

Bolsonaro reafirma que não falou em PF: “Vão cair do cavalo”

Em coletiva realizada na manha desta quarta-feira (13), em frente ao Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro conversou com a imprensa e afirmou que não cita a PF no vídeo.

“Tudo que trata do inquérito está liberado (para divulgação). Eu não falo da Polícia Federal no vídeo. Vão cair do cavalo’, declarou Bolsonaro.

“São mentiras, eu não falo nada. O Valeixo (ex-diretor da PF) disse que eu não houve interferência.”

Ao criticar o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, Bolsonaro afirmou que Moro também não confirma que ele teria citado a PF.

“O Moro disse que eu ‘teria falado’ da PF. Por que ele não afirmou que eu falei?”, questionou o presidente.

Os benefícios de se ter um Assessor de Investimentos