Ministro das Comunicações quer Amazônia conectada e recorre a Elon Musk

Osni Alves
Jornalista desde 2007. Passou por redações e empresas de comunicação em SC, RJ e MG. E-mail: oalvesj@gmail.com.
1

Crédito: Reprodução/Twitter

O Ministro das Comunicações, Fabio Faria, diz querer a Amazônia conectada e, para isso, recorreu ao megaempresário Elon Musk, dono da Tesla e SpaceX.

Isso porque Faria quer implementar na região amazônica o programa “Wifi Brasil”, cujo objetivo é integrar as comunidades mais afastadas pela internet.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Ele também pretende utilizar a tecnologia como recurso de preservação da Amazônia. A informação é do próprio ministro via redes sociais.

Amazônia conectada

Ainda de acordo com o ministro, Musk estará no Brasil para conectar escolas rurais, entretanto ele não deu datas, mas a publicação dá a entender que já há uma conversa prévia com o megaempresário com esta finalidade.

Ele também aproveitou para fazer propaganda do governo federal: “A gente no governo brasileiro não tem otimismo e não tem pessimismo, a gente faz acontecer!”, escreveu.

Vale destacar que a Amazônia possui cinco milhões de quilômetros quadrados. Trata-se de uma área que ocupa 60% do território do Brasil, onde abrange os Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão, Pará, Roraima, Rondônia e Tocantins. Já a SpaceX detém 4,5 mil satélites que orbitam em baixa a altitude.

Fabio Faria

Reprodução/Twitter

Elon Musk – SpaceX

O ministro esteve na fábrica da SpaceX, na Califórnia, e depois seguiu para Austin, no Texas, onde se encontrou pessoalmente com Elon Musk.

Entretanto, foi na Costa Oeste, na própria fábrica de Musk, que Faria gravou os vídeos que utilizou em suas redes. O ministro enfatizou que o objetivo principal é conectar todos os locais remotos do Brasil, dando a entender que a Região Amazônica seria, possivelmente, a parte inicial de um projeto que é muito maior.

5G

Na primeira semana de novembro, o governo brasileiro promoveu o leilão do 5G, que atraiu muitos interessados, começando pelas principais empresas de telecomunicações do país, como TIM, Oi, Claro e VIVO, que acabaram arrematando lotes considerados ativos valiosos.

A ponte entre Faria e o megaempresário se deu justamente pelos bancos de investimentos que direta ou indiretamente participaram do leilão. Foi na organização daquela licitação que a ideia de atrair Musk para implementar fibra ótica na Amazônia foi ventilada.

Inclusive, o ministro foi enfático ao afirmar, à época, que todos os participantes querem bancar a Rede Norte Conectado, visto que esse movimento, do jeito que está elaborado, vai colocar fibra ótica na Amazônia subfluvial sem cortar um galho de árvore.