Ministro da Energia da Argélia confirma cortes na produção de petróleo

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.

Crédito: Divulgação/Opep

O ministro da Energia da Argélia, Mohamed Arkab, confirmou neste sábado, 8, que o comitê técnico da Opep+ (que incluiu os 13 países-membros da Opep mais dez potências produtoras, incluindo a Rússia) recomendará que o atual acordo de redução na produção seja estendido até o fim do ano, com corte extra até o fim do segundo trimestre.

O comitê se reuniu de terça a quinta-feira para discutir a queda no preço do barril por conta da epidemia de coronavírus.

“A epidemia tem um impacto negativo nas atividades econômicas, especialmente nos setores de transporte, turismo e indústria, particularmente na China”, disse Arkab, em comunicado reproduzido pela agência AFP.

BDRs. Alternativas para investir no exterior diretamente da bolsa brasileira

A Rússia afirmou ainda estar avaliando a possibilidade de novos cortes.

A reunião da Opep em que a recomendação será formalmente apresentada está agendada para o começo de março, mas pode ser adianta diante do avanço do vírus.