Ministro chinês diz que críticas dos EUA são mentiras

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução / Pinterest

Uma nova crise na já conturbada relação entre Estados Unidos e China foi iniciada no sábado, 15, durante a realização da Conferência de Segurança em Munique. A polêmica de agora envolve críticas dos EUA à “manipulação” econômica e tecnológica da China. E coloca dúvidas quanto ao acordo comercial recentemente assinado pelos dois países.

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, classificou como mentiras as críticas feitas por autoridades dos Estados Unidos a Pequim e afirmou que os EUA sçao culpados pelas relações conturbadas entre as duas maiores economias do mundo.

“A raiz de todos esses problemas é que os EUA não querem ver o rápido desenvolvimento e rejuvenescimento da China, e muito menos eles querem aceitar o sucesso de um país socialista. Mas isto não é justo. A China tem o direito de se desenvolver”, disse Wang, de acordo com reportagem da CNBC.

BDRs. Alternativas para investir no exterior diretamente da bolsa brasileira

“O esforço da China em direção à modernização é uma tendência inevitável da história e não será contida ou parada por nenhuma força do mundo, porque representa a direção do progresso humano”, acrescentou.

Wang fez seu pronunciamento logo após os secretários norte-americanos de Estado Mike Pompeo e da Defesa Mark Esper. Em ambos os discursos, foram feitas duras críticas à China.

Críticas dos EUA: manipulação chinesa

“A China invade as zonas econômicas exclusivas do Vietnã, das Filipinas e da Indonésia. E nesse ponto, a China teve uma disputa de fronteira ou marítima com quase todos os países que a cercam”, disse Pompeo a uma audiência no fórum de segurança. “E vamos falar por um segundo sobre o outro domínio, a segurança cibernética. A Huawei e outras empresas de tecnologia chinesas, apoiadas pelo estado, são cavalos de Tróia para a inteligência chinesa”, acrescentou.

Esper disse que Pequim está adotando uma “estratégia nefasta” através da empresa de telecomunicações Huawei. “É essencial que nós, como comunidade internacional, acordemos para os desafios apresentados pela manipulação chinesa da antiga ordem internacional baseada em regras”, alertou.

Ao que Wang respondeu que “eles dizem basicamente a mesma coisa em todos os lugares” e que não iria perder tempo respondendo. “São mentiras, não baseadas em fatos”, afirmou.