Guedes demite secretário e troca mais peças-chave da equipe econômica

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: oque de Sá/Agência Senado

Passada a crise sobre o texto do Orçamento 2021, Paulo Guedes resolveu fazer mudanças pontuais na equipe que comanda no Ministério da Economia.

De acordo com o Estadão Conteúdo, a ideia é reverter a pressão política que cresceu na pasta durante o impasse provocado pela aprovação da lei orçamentária deste ano.

O primeiro a sair foi Waldery Rodrigues, que ocupava o cargo de secretário especial da Fazenda, que será substituído pelo atual secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal.

Segundo apurou o Estadão/Broadcast. Waldery queria ficar no cargo até junho, mas o Orçamento mostrou a necessidade de antecipar uma mudança que já estava planejada por Paulo Guedes.

Em entrevista coletiva concedida no início da noite desta terça (27), Guedes comentou a saída de Waldery e a substituição dele por Funchal.

O ministro elogiou o secretário: “Ele trabalhou muito, tem resiliência e é muito dedicado”. Também falou sobre a equipe: “Somos uma equipe unida; prestigiamos nossos combatentes.”

Na mira de Bolsonaro

Waldery também teria sido demitido por estar “na mira” do presidente Jair Bolsonaro desde o ano passado, quando defendeu congelar aposentadorias e mexer no seguro-desemprego para liberar recursos ao Renda Brasil.

Avesso às polêmicas desde então, o secretário marcou presença na coletiva sobre o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2022, mas evitou falar sobre o impasse até então sem solução em torno do Orçamento de 2021.

Outras mudanças no Ministério

Com Funchal indo para o seu lugar, Paulo Guedes teve de mexer no Tesouro, e o escolhido vem de dentro da própria pasta: Jeferson Bittencourt, assessor especial de Relações Institucionais.

Funchal ocupa a cadeira desde a saída de Mansueto Almeida, em julho de 2020, e agora irá para uma nova função.

Não foram as únicas movimentações no Ministério da Economia.

A secretaria do Tesouro será assumida por Jefferson Bittencourt, servidor de carreira do órgão, ex-secretário-adjunto de Política Fiscal e Tributária e atual assessor especial do gabinete de Guedes.

As mudanças também atingiram a Secretaria de Orçamento Federal (SOF), encarregada de elaborar e apresentar o Orçamento e contingenciar (bloquear) verbas. Sai George Soares e entra o economista e analista de Planejamento e Orçamento Ariosto Antunes Culau, secretário-executivo adjunto na gestão do ministro da Fazenda Henrique Meirelles, no governo Michel Temer.

As mudanças ocorrem após a sanção com vetos do Orçamento-Geral da União de 2021. Aprovada pelo Congresso com cerca de R$ 30 bilhões de despesas obrigatórias remanejadas para emendas parlamentares, a lei orçamentária foi sancionada na última quinta-feira (22), com vetos de R$ 19,8 bilhões em gastos, principalmente relativos a emendas parlamentares.

Além dos vetos, o governo editou um decreto contingenciando (bloqueando temporariamente) R$ 9,2 bilhões.

Reforma tributária

Também deixa o Ministério da Economia a assessora especial Vanessa Canado, encarregada de elaborar o projeto de reforma tributária.

Segundo a pasta, ela havia pedido para deixar o cargo desde janeiro. No lugar dela, assume Isaías Coelho, pesquisador sênior do Núcleo de Estudos Fiscais (NEF) da Fundação Getulio Vargas em São Paulo e consultor internacional em política e administração tributária.

A troca ocorre num momento em que a reforma tributária volta a avançar na Câmara dos Deputados, após mais de um ano parada por causa da pandemia de covid-19. Ontem (26), o presidente da Câmara, Arthur Lira, afirmou ter ordenado que o deputado Agnaldo Ribeiro (PP-PB) apresente o relatório até a próxima segunda-feira (3).

Os técnicos do Ministério da Economia avaliam se o texto, baseado na fusão de propostas da Câmara, do Senado e do próprio governo, aumentam a carga tributária.

Agradecimentos

Em nota, o Ministério da Economia informou que Guedes agradeceu a gestão de Waldery à frente da Secretaria Especial de Fazenda. “Agradece a dedicação, lealdade e resiliência de Waldery Rodrigues e ressalta a relevante contribuição dada por ele para o avanço da agenda de reformas e transformação do Estado brasileiro”, destacou o comunicado.

Segundo a pasta, Waldery participou ativamente nos últimos meses do planejamento e da construção da reformulação agora anunciada. Guedes também agradeceu “o excelente trabalho e as contribuições” de George Soares e de Vanessa Canado.

*Com Agência Brasil