Minerva (BEEF3) lucra R$ 58,3 mi no 3TRI, ante prejuízo de R$ 82,7 mi

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Divulgação Minerva

A Minerva (BEEF3) reportou um lucro líquido de R$ 58,3 milhões no terceiro trimestre de 2020, revertendo o prejuízo de R$ 82,7 milhões no mesmo período de 2019.

No acumulado do ano, o lucro líquido alcançou R$ 583,0milhões.

Já a margem líquida atingiu 1,1% ante uma margem negativa de 1,8%.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

O resultado financeiro líquido foi uma despesa de R$ 382,3 milhões, queda de 17,2% sobre as perdas financeiras no terceiro trimestre de 2019.

Ebitda histórico

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 554,2 milhões, alta de 21,9%.

O Ebitda acumulado nos últimos doze meses encerrados em setembro totalizou R$ 2,12 bilhões, crescimento de 32% na comparação com a base anual.

Consulte os melhores diálogos e insights da Money Week.

De acordo com a Minerva, este foi o maior Ebitda já registrado para 12 meses.

Já a margem Ebitda atingiu 10,8%, aumento de 0,7 pontos percentuais.

As despesas com vendas representaram 7% da receita líquida no terceiro trimestre de 2020. Enquanto as despesas gerais e administrativas alcançaram 3,9% da receita líquida.

Receita sobe mais de 13,9%

A receita líquida da Minerva totalizou R$ 5,13 bilhões, um desempenho 13,9% superior ao registrado em igual período de 2019.

O lucro bruto subiu 20,5%, atingindo o montante de R$ 1 bilhão.

Enquanto a margem bruta alcançou 19,6%, alta de 1,1 pontos percentuais.

Investimentos

A Minerva investiu R$ 131,1 milhões no terceiro trimestre de 2020.

Do montante total, R$ 42,2 milhões foram destinados à manutenção de algumas da unidades operacionais da Companhia, e R$ 88,9 milhões foram utilizados para expansão.

Dívida da Minerva

A dívida líquida da Companhia encerrou setembro em R$ 4,7 bilhões, uma redução de 23,3%.

A alavancagem financeira, medida pela relação dívida líquida / Ebitda ficou em 2,2 vezes no final do terceiro trimestre de 2020.

Tá e aí?

Em análise divulgada nesta quarta-feira, o BTG Pactual avaliou que a Minerva teve uma execução sólida no terceiro trimestre. Assim, o banco recomenda a compra do ativo até o valor de R$ 17.

“Continuamos vendo um ciclo de virada no Brasil”, dizem os analistas, ao ressaltar que “a empresa continua a sustentar forte margens e geração de fluxo de caixa”.

Segundo o BTG, a recente baixa performance do banco colocou o valuation sob baixas expectativas, com a empresa sendo negociada a um valor abaixo de sua média histórica, mesmo com base nas margens normalizadas de 2021, enquanto os pagamentos de dividendos sinalizam uma perspectiva atraente.