Minerva (BEEF3) estuda venda de subsidiária Athena Food

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Divulgação Minerva

A Minerva (BEEF3) informou na segunda-feira, 14, que assinou uma carta de intenções com uma sociedade de propósito específico para aquisição (SPAC) listada na Nasdaq, sobre potencial combinação de negócios com sua subsidiária, Athena Foods.

Conforme o documento, após a concretização da operação, a Minerva seria detentora de, aproximadamente, 75% do capital da entidade remanescente. Além disso, receberia cerca de US$ 200 milhões em cash.

A administração da Minerva acredita que a operação poderia fortalecer a estrutura de capital da Athena Foods, além de oferecer uma oportunidade adicional de crescimento. Ao mesmo tempo, destravaria valor para os acionistas da Minerva.

Conquiste sua Independência Financeira. Conheça os 4 Pilares para Investir

Segundo o comunicado, atualmente a SPAC, que não teve o nome divulgado, tem US$ 200 milhões em caixa para financiar aquisições.

Além disso, a SPAC pretende realizar uma oferta privada para obter até US$ 100 milhões adicionais.

A Minerva informou que pretende completar sua análise estratégica nas próximas semanas, incluindo o resultado das discussões sobre a proposta de combinação de negócio com SPAC.

No entanto, não há garantia de que a revisão estratégica que está sendo realizada irá resultar na efetivação da operação.

Athena Foods

A Athena Foods é uma empresa exportadora líder nos segmentos de carne bovina in natura e de subprodutos do abate, com operações na Colômbia, Paraguai, Argentina e Uruguai.

Ser listada na Nasdaq poderia ajudar Athena a “fortalecer sua liderança global na produção e exportação de carne bovina, e continuar gerando crescimento e valor para todos os seus stakeholders”, informou a Minerva.

Tá, e aí? BBI analisa operação

A Minerva anunciou ontem (14) a assinatura de uma carta de intenção não vinculativa com uma sociedade de propósito específico, listada na bolsa de valores NASDAQ (“SPAC”), para potencial combinação de negócios com Athena Foods. 

A BBI investimentos fez uma análise da operação.

Quando do fechamento da operação, a Minerva pretende deter 76,7% do capital da entidade remanescente, com recebimento em caixa de US$ 200 milhões, assumindo um valuation proforma com valor da empresa de US$ 1.354 milhões e múltiplo EV/EBITDA 21e de 5,66x, ligeiramente acima do múltiplo que a Minerva está sendo negociada de 5,44x.

Segundo a BBI, a transação foi considerada bastante positiva,” devendo contribuir com a tese de investimento da Minerva de crescimento inorgânico, além de fortalecer a estrutura de capital da empresa, fazendo com que ela alcance o nível de alavancagem desejado no final desde ano para distribuição efetiva de dividendos.”

Além disso, o banco acredita que a transação fortalece o posicionamento de Athena Foods e ainda ajuda a destravar valor para a Minerva. Assim, é reiterado o preço alvo de R$ 18/ação para a BEEF3 e a recomendação de Compra.

Segundo o CFO, Edison Ticle, em teleconferência hoje pela manhã, a SPAC já possui histórico de operações com empresas do setor de Alimentos e Agronegócios na América Latina, e vai ajudar a administrar a Athena Foods em sua estratégia de expansão.

Oportunidades

Assim, na visão da BBI, a operação deve trazer ainda mais força para o crescimento de Athena Foods, o que consequentemente ajudará a impulsionar o valor de mercado da Minerva na B3.

Nesse sentido, diferente do que estava sendo acompanhado até o momento em termos de estratégia de crescimento, a apresentação de hoje também incluiu oportunidades de crescimento fora da América do Sul, e elencou potenciais aquisições na Austrália – outro grande produtor de carne bovina – estrategicamente localizadas para atender à crescente demanda da Ásia e Oriente Médio.

Além disso, o caixa de US$ 200 milhões que, segundo o CFO, deve ser usado majoritariamente para pagamento de dívida, somado à conversão de opções no valor de R$ 400 milhões, que pode ser realizada pela Salic ainda no segundo semestre de 2020, devem levar a Minerva a uma alavancagem abaixo de 2 vezes no final deste ano, o que destrava a distribuição de dividendos, que deve ser de 50% do lucro líquido.

Ainda segundo o CFO, apesar das conversas estarem bastante adiantadas, ainda existem riscos associados à transação, já que a revisão estratégica por parte da SPAC ainda não foi concluída, o que deve acontecer dentro de 3 a 4 semanas.