Minerva (BEEF3) estuda venda de subsidiária Athena Food

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Divulgação Minerva

A Minerva (BEEF3) informou na segunda-feira, 14, que assinou uma carta de intenções com uma sociedade de propósito específico para aquisição (SPAC) listada na Nasdaq, sobre potencial combinação de negócios com sua subsidiária, Athena Foods.

Conforme o documento, após a concretização da operação, a Minerva seria detentora de, aproximadamente, 75% do capital da entidade remanescente. Além disso, receberia cerca de US$ 200 milhões em cash.

A administração da Minerva acredita que a operação poderia fortalecer a estrutura de capital da Athena Foods, além de oferecer uma oportunidade adicional de crescimento. Ao mesmo tempo, destravaria valor para os acionistas da Minerva.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Segundo o comunicado, atualmente a SPAC, que não teve o nome divulgado, tem US$ 200 milhões em caixa para financiar aquisições.

Além disso, a SPAC pretende realizar uma oferta privada para obter até US$ 100 milhões adicionais.

A Minerva informou que pretende completar sua análise estratégica nas próximas semanas, incluindo o resultado das discussões sobre a proposta de combinação de negócio com SPAC.

No entanto, não há garantia de que a revisão estratégica que está sendo realizada irá resultar na efetivação da operação.

Athena Foods

A Athena Foods é uma empresa exportadora líder nos segmentos de carne bovina in natura e de subprodutos do abate, com operações na Colômbia, Paraguai, Argentina e Uruguai.

Ser listada na Nasdaq poderia ajudar Athena a “fortalecer sua liderança global na produção e exportação de carne bovina, e continuar gerando crescimento e valor para todos os seus stakeholders”, informou a Minerva.

Tá, e aí? BBI analisa operação

A Minerva anunciou ontem (14) a assinatura de uma carta de intenção não vinculativa com uma sociedade de propósito específico, listada na bolsa de valores NASDAQ (“SPAC”), para potencial combinação de negócios com Athena Foods. 

A BBI investimentos fez uma análise da operação.

Quando do fechamento da operação, a Minerva pretende deter 76,7% do capital da entidade remanescente, com recebimento em caixa de US$ 200 milhões, assumindo um valuation proforma com valor da empresa de US$ 1.354 milhões e múltiplo EV/EBITDA 21e de 5,66x, ligeiramente acima do múltiplo que a Minerva está sendo negociada de 5,44x.

Segundo a BBI, a transação foi considerada bastante positiva,” devendo contribuir com a tese de investimento da Minerva de crescimento inorgânico, além de fortalecer a estrutura de capital da empresa, fazendo com que ela alcance o nível de alavancagem desejado no final desde ano para distribuição efetiva de dividendos.”

Além disso, o banco acredita que a transação fortalece o posicionamento de Athena Foods e ainda ajuda a destravar valor para a Minerva. Assim, é reiterado o preço alvo de R$ 18/ação para a BEEF3 e a recomendação de Compra.

Segundo o CFO, Edison Ticle, em teleconferência hoje pela manhã, a SPAC já possui histórico de operações com empresas do setor de Alimentos e Agronegócios na América Latina, e vai ajudar a administrar a Athena Foods em sua estratégia de expansão.

Oportunidades

Assim, na visão da BBI, a operação deve trazer ainda mais força para o crescimento de Athena Foods, o que consequentemente ajudará a impulsionar o valor de mercado da Minerva na B3.

Nesse sentido, diferente do que estava sendo acompanhado até o momento em termos de estratégia de crescimento, a apresentação de hoje também incluiu oportunidades de crescimento fora da América do Sul, e elencou potenciais aquisições na Austrália – outro grande produtor de carne bovina – estrategicamente localizadas para atender à crescente demanda da Ásia e Oriente Médio.

Além disso, o caixa de US$ 200 milhões que, segundo o CFO, deve ser usado majoritariamente para pagamento de dívida, somado à conversão de opções no valor de R$ 400 milhões, que pode ser realizada pela Salic ainda no segundo semestre de 2020, devem levar a Minerva a uma alavancagem abaixo de 2 vezes no final deste ano, o que destrava a distribuição de dividendos, que deve ser de 50% do lucro líquido.

Ainda segundo o CFO, apesar das conversas estarem bastante adiantadas, ainda existem riscos associados à transação, já que a revisão estratégica por parte da SPAC ainda não foi concluída, o que deve acontecer dentro de 3 a 4 semanas.