Mineradoras e siderúrgicas surfam com alta do minério no balanço do 1TRI21

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Os balanços das companhias mineradorassiderúrgicas foram alavancados no primeiro trimestre (1TRI21), apesar da pandemia da Covid-19, por conta da recente valorização da cotação do minério de ferro no mercado internacional.

Recentemente, a tonelada do insumo superou a barreira dos US$ 200, consolidando um recorde. Como consequência, as ações da Vale (VALE3) saltaram um recorde de R$ 116 na B3 (B3SA3), no pregão desta segunda-feira, após nova disparada da commodity.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Entre os motivos para a disparada dos preços estão tensões entre a China e a Austrália, os principais consumidores e produtores. Isso ocorreu porque os chineses ameaçaram revogar um acordo comercial em vigor com os australianos.

Além disso, há esperanças de que a recuperação da pandemia da covid-19, que já começou na China, se espalhe para o restante do mundo.

Mineradoras e siderúrgicas: preços do aço são reajustados

Como consequência desse aumento da cotação do minério no mercado internacional, as siderúrgicas elevaram os preços.

De acordo com o Valor Econômico, algumas das principais empresas, como CSN (CSNA3), Gerdau (GGBR4) e ArcelorMittal, elevaram os preços entre 10% e 18%.

Só a CSN, por exemplo, aplicou aumentos que variam de 15% a 18% para os diferentes tipos de aços que produz. Apontou como motivos para esse aumento, os elevados custos da matéria-prima, além da alta do dólar.

O Instituto Aço Brasil informou que no primeiro trimestre do ano, a produção de aço bruto foi de 8,7 milhões de toneladas. Esse volume é 6,2% maior do que o mesmo período do ano passado.

As vendas para o mercado interno no acumulado de janeiro a março, foram de 5,1 milhões de toneladas. Isso significa que cresceram 29%, na mesma base de comparação.

O presidente do instituto, Marco Polo de Mello Lopes, segundo o site da associação, avaliou que a ampliação das vendas internas se deu por conta da formação de estoques defensivos.

Além disso, outros fatores se deram por conta da retomada dos setores consumidores.

Vale (VALE3) eleva lucro líquido para R$ 30,5 bilhões

Em meio a este cenário, a Vale (VALE3) registrou um lucro líquido de US$ 5,546 bilhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 22 vezes em relação ao mesmo período do ano passado.

Se for analisado em reais, a Vale (VALE3) registrou lucro líquido de R$ 30,5 bilhões. Esse resultado é R$ 25,739 bilhões maior do que o reportado nos três primeiros meses do ano passado.

Ou seja: nos de janeiro a março de 2020, antes mesmo da pandemia do novo coronavírus, a Vale havia atingido um lucro líquido de R$ 4,825 bilhões. O resultado financeiro também foi considerado um bom resultado pela empresa, apesar do aumento de 9,6% no câmbio do dólar frente ao real. Este atingiu R$ 3,5 bilhões.

Além disso, a companhia atingiu US$ 5,847 bilhões em fluxo de caixa livre operacional, sendo US$ 971 milhões maior do que os três primeiros meses de 2020. Este resultado foi impulsionado pelo ebitda proforma, que foi de R$ 46,3 bilhões. Foi considerado um recorde para um primeiro trimestre.

O Ebitda ajustado da companhia foi de R$ 45,7 bilhões no primeiro trimestre de 2021.

CSN Mineração: ampliação de 17% no ebitda

Enquanto isso, a área de mineração da CSN (CSNA3) registrou um aumento de 17% no ebitda do primeiro trimestre. Esse resultado atingiu R$ 3,736 bilhões contra R$ 3,200 bilhões do trimestre anterior.

Já com relação aos três primeiros meses de 2020, o ebitda deste ano foi quase três vezes maior. Naquela ocasião, o resultado foi de R$ 971 milhões.

A margem ebitda nos três primeiros meses de 2021, foi de 68%. No quarto trimestre de 2020, foi de 71%. Já nos três primeiros meses do ano passado, foi de 56%. Ou seja: ocorreu um aumento de 12 pontos percentuais nessa margem.

Mineradoras e siderúrgicas: Gerdau (GGBR4) tem lucro líquido de R$ 4,6 bilhões

Na área de mineração, a Gerdau (GGBR4) registrou um lucro líquido de R$ 4,6 bilhões. Esse resultado é mais do que o dobro do obtido no primeiro trimestre do ano passado. Desde 2019, a empresa siderúrgica vem apresentando lucros maiores.

Para o restante do ano, a siderúrgica tem um capex (investimentos) calculados em R$ 3,496 bilhões. É um volume bem maior do volume de investimento do ano passado, que foi de R$ 1,651 bilhão.

A companhia também tem reduzido seu endividamento. No primeiro trimestre, a dívida bruta foi de R$ 17,8 bilhões. Um pouco maior do que R$ 17,5 bilhão do último trimestre de 2020. No entanto, a alavancagem diminuiu de 1,25 vezes para 0,96 vezes a dívida bruta relativa ao ebitda.

Em teleconferência com analistas, o presidente da empresa, Gustavo Werneck, informou que a demanda tem sido aquecida e descartou escassez do aço. Porém, acrescentou que os estoques só devem começar a ser repostos a partir de junho.

Usiminas (USIM5): reverte prejuízo no trimestre

A Usiminas (USIM5) conseguiu surfar o bom momento do setor. Por isso conseguiu reverter o prejuízo no primeiro trimestre. A companhia conseguiu um lucro líquido de R$ 1,2 bilhão no primeiro trimestre. No mesmo período de 2020, havia atingido um prejuízo de R$ 424 milhões.

O ebitda ajustado cresceu 325% e atigiu R$ 2,4 bilhões no primeiro trimestre de 2021. Com isso, a margem Ebitda ajustado foi de 34%, o que significou uma alta de 19 pontos percentuais.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3