Militares da reserva podem ser cedidos ao INSS, diz governo

Jéssica De Paula Alves
Jornalista e produtora de conteúdo

Crédito: Wikipédia.

Como uma forma de driblar Tribunal de Contas da União (TCU), o governo federal pretende ceder militares da reserva ao INSS em vez de contratar, de acordo com o site Uol. A informação foi dada pelo presidente em exercício, Hamilton Mourão (PRTB), alegando que isso ainda está sendo estudado.

Esta alternativa é cogitada após o TCU ter questionado a modalidade inicial, que seria a contratação exclusiva dos militares.

“O TCU diz que está rompendo princípio da impessoalidade ao você direcionar a contratação exclusivamente para o grupo militar. Direciona porque é mais barato. Mas existem formas de fazer sem colocar isso como um rompimento da impessoalidade. O Ministério da Defesa convoca e cede. E não colocar diretamente sob as mãos do INSS. Mas isso está sendo estudado”, explicou Mourão, ao Uol.

BDRs. Alternativas para investir no exterior diretamente da bolsa brasileira

Na versão do tribunal, a modalidade de contratação só estaria de acordo com os trâmites legais se também fosse direcionada a civis. O governo argumenta, por outro lado, que isso acarretaria em aumento de despesa. “Se você for contratar civil, é contrato temporário. É mais caro.”

Na manhã de hoje, pouco antes de embarcar para a Índia, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que o decreto em questão está praticamente pronto, porém esbarra na ausência de aval do TCU. Ele disse que chegou a assinar uma versão do texto e que este deveria ter sido publicado ontem. Porém, faltou o “sinal verde” do TCU.

“Eu já assinei um decreto. Ontem mandei não publicar. Está faltando um pequeno ajuste junto ao TCU. Se o TCU der o sinal verde, publica com a minha assinatura. Caso contrário, publica amanhã com a assinatura do Mourão.” .

Justiça trabalhista

O presidente voltou a defender a contratação de militares, e não de civis. De acordo com o mandatário, esta é uma forma de o governo se precaver em relação a eventuais cobranças na Justiça trabalhista.

“Por que militar da reserva? Porque a legislação garante. Se você contratar civis… Para mandar embora… Entra na Justiça, direito trabalhista… Complica o negócio. Militar é fácil. Eu contrato hoje e demito amanhã, sem problema nenhum. Problema zero. Essa é a facilidade. E o pessoal está clamando por aposentadoria. Não é privilegiar militar. Até porque não é convocação, é um convite.”

Em 14 de janeiro, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, anunciou a contratação temporária até 7.000 militares da reserva. Eles integrariam uma força-tarefa para tentar diminuir a fila de espera do INSS. Atualmente, 1,3 milhão de pedidos ao INSS estão sem análise há mais de 45 dias, prazo legal para uma resposta do órgão.