Mike Bloomberg lança planos para controlar Wall Street

Jéssica De Paula Alves
Jornalista e produtora de conteúdo

Crédito: Reprodução/The Verge

O candidato à presidência dos Estados Unidos, Mike Bloomberg lançou um plano ambicioso para controlar Wall Street. Assim, ecoando a plataforma de alguns de seus rivais liberais democratas, informou o site CNBC.

Desta forma, o plano da Bloomberg reforçaria muitas das reformas implementadas ou fortalecidas como parte da Lei Dodd-Frank de 2010. Isso seria em resposta à Grande Recessão, uma crise que alguns atribuíram aos bancos de Wall Street.

O bilionário, que fez sua própria fortuna em Wall Street, gastou agora pelo menos US$ 400 milhões em publicidade para sua campanha, segundo a Kantar Media.  Foi prefeito de Nova York de 2002 a 2013, durante a crise financeira e suas consequências. Durante esse período, ele recuou contra certas propostas para restringir a supervisão bancária. As chamou de “míopes” e alegando que “proporcionariam grandes vantagens” aos concorrentes estrangeiros.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Contudo, como candidato à presidência,  Bloomberg parece estar se movendo para a esquerda dessa posição. Ele disse em comunicado na terça-feira: “O sistema financeiro não está funcionando da maneira que deveria para a maioria dos americanos”.

Bloomberg disse que, como presidente, endureceria a regra de Volcker. Esta que limita as transações proprietárias dos bancos ou negocia ações para seu próprio ganho. A fusão das gigantes hipotecárias Fannie Mae e Freddie Mac em uma única entidade assim tornaria as duas instituições mais eficientes.