Meu primeiro dividendo: tributar FIIs penalizaria setor

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução

A tributação sobre Fundos Imobiliários (FIIs) seria como penalizar de forma excessiva um segmento de investimento que ainda é nascente no Brasil. O Marcos Baroni, consultor da Comissão de Valore s Mobiliários (CVM e vice-presidente de pesquisa e sobre FIIs da Suno Research, apontou que, embora esteja afastada essa possibilidade na reforma tributária, é um fantasma a rondar o setor.

Ele participou do segundo dia do Meu Primeiro Dividendo ao lado de Alice Porto, contadora da B3, nesta terça-feira (31), promovido pelaEQI Investimentos.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Ele reforçou que desde 2015 já havia um movimento para tributar os FIIs. Porém, naquela ocasião, o debate não foi muito a fundo. Agora, diz ele, o tema ganhou uma nova proporção. Foi inserido na pauta de forma intensa. O que acabou provocando reações de investidores.

Baroni explicou que 27% dos investidores investem até R$ 1 mil. Outra parcela de 32%, investe entre R$ 1 mil e R$ 10 mil. Já uma terceira parcela, de 23%, aplicam de R$ 10 mil a R$ 50 mil.

Com este cálculo, Baroni afirma que, se somar os três primeiros, que representam uma fatia de 82% do mercado, respondem por até R$ 50 mil em investimentos. “Então está longe de tributar os ricos”, completou ele.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3

Meu primeiro dividendo

Meu primeiro dividendo: tributação retida na fonte

Alice Porto, explicou que, com relação aos dividendos e proventos, a estimativa é que a tributação se dê diretamente na fonte. Assim como acontece com os juros sobre capital próprio (JCP). Então, o investidor que for deduzir seus impostos, realizará praticamente o mesmo movimento com relação à dedução do JCP.

Então, explica ela, para o investidor não irá gerar nenhum tipo de cálculo. Porém, o que irá impactar será o atrativo, que é a isenção atual.

A contadora da B3 afirmou ainda que para tributar dividendos é preciso olhar a cadeia de investimentos como um todo. Ela explicou que geralmente, em decisões desse tipo, observa-se apenas um ponto específico e não o que está ao redor e que também pode ser impactado.

Por fim, ela aconselha que o investidor não deve aplicar seus recursos pautada pela tributação. Mas sim pela sua estratégia de investimentos e pela consequência de resultados que este pode proporcionar.