Ibovespa futuro acompanha exterior e abre em alta

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

O Ibovespa futuro abriu o dia em alta de 1,50%, aos 80.645 pontos, acompanhando os mercados globais que deram um salto na madrugada e na manhã desta sexta-feira (17). O motivo foi a publicação, pelo jornal especializado em saúde Stat News, de notícia que afirma que os testes com o medicamento Remdesivir, da farmacêutica Gilead Sciences, estão obtendo sucesso em pacientes com casos graves da Covid-19.

A droga, que é um antiviral, foi administrada em 125 pacientes de Chicago, nos Estados Unidos. Destes, 113 apresentavam a forma grave da doença. Em menos de uma semana, quase todos receberam alta do hospital. Duas pessoas morreram.

Com a informação, os futuros do Dow Jones subiram 705 pontos. Os futuros do S&P e do Nasdaq também apontaram ganhos. As ações da Gilead aumentaram 16,41%.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

“Estas são, obviamente, boas notícias. Mas ouvimos outras boas notícias como esta recentemente e elas não deram tão certo quanto as pessoas esperavam”, ponderou Matt Maley, estrategista-chefe de mercado da Miller Tabak, em entrevista à CNBC.

“A grande questão é se isso será suficiente para reabrir a economia mais rapidamente”, afirmou, complementando que a “questão crítica é o emprego”.

Até aqui, mais de 2 milhões de casos de Covid-19 foram confirmados em todo o mundo, incluindo mais de 650 mil nos EUA, segundo a Universidade Johns Hopkins.

Apesar de ser a primeira queda desde 1992, o PIB chinês não está abalando os mercados. O país asiático registrou um recuo 6,8% do PIB no primeiro trimestre. O Covid-19 começou sua escalada por lá em dezembro e os efeitos sobre a economia já foram sentidos a partir de janeiro.

Reabertura dos EUA

O presidente norte-americano Donald Trump afirmou nesta quinta-feira (16) que “os especialistas dizem que curva foi achatada e o pico (da doença) ficou para trás”. Ele emitiu diretrizes para reabrir por etapas a economia dos EUA.

Ontem, o Departamento de Trabalho dos EUA revelou que mais de 20 milhões de norte-americanos deram entrada no pedido de seguro-desemprego em um mês.

Balanço

Com relação a balanços de empresas nos EUA, destaque para a Procter & Gamble, que viu seu lucro crescer para US$ 2,92 bilhões no primeiro trimestre do ano, ante US$ 2,75 bilhões do mesmo período do ano passado. A receita somou US$ 17,21 bilhões, aumento de 5%, beneficiada pela demanda maior de produtos de higiene, como papel higiênico, em decorrência da pandemia.

Vamos ao desempenho dos mercados às 9h15:

Nova York

  • S&P: +2,99%
  • Nasdaq: +2,05%
  • Dow Jones: +3,29%

Petróleo

Petróleo em queda nesta sexta. Ontem, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) divulgou relatório em que afirma que o consumo mundial da commodity atinja 92,82 milhões de barris por dia em 2020, o que representa uma queda de 6,85 milhões de barris por dia em comparação com 2019. O recuo foi classificado como “sem precedentes”. “O mercado do petróleo está sofrendo atualmente um choque histórico que é brutal, extremo e de escala mundial”, declarou a Opep.

  • Brent: US$ 38,32(+1,80%)
  • WTI: US$ 18,44(-7,20%)

Europa

Os mercados na Europa também sobem. Atenções voltadas para o desenrolar do noticiário sobre o Remdesivir e as aberturas graduais em todos os países que impuseram bloqueios e paralisações para conter o coronavírus.

  • DAX, Alemanha: +3,80%
  • FTSE, Inglaterra: +3,52%
  • CAC, França: +4,15%
  • FTSE MIB, Itália: +2,88%
  • Stoxx 600: +3,28%

Ásia

Na Ásia, as ações fecharam em alta, antes da divulgação pelo governo chinês do Produto Interno Bruto do primeiro trimestre. Em queda histórica, o PIB recuou 6,8%.

  • Nikkei, Japão: +3,15%
  • Xangai, China: +0,66%
  • HSI, Hong Kong: +1,56%
  • ASX 200, Austrália: +1,31%
  • Kospi, Coreia: +3,09%