Mercados operam no azul com exceção da Ásia que segue misto

Osni Alves
Jornalista desde 2007. Passou por redações e empresas de comunicação em SC, RJ e MG. E-mail: oalvesj@gmail.com.

Os mercados internacionais operam no azul na manhã desta terça-feira (26), com exceção da Ásia que segue no campo misto.

Às 6h o Dow Jones marcava alta de 0,27%, com o S&P 500 subindo 0,38%, e o Nasdaq avançando 0,65%.

Na Europa, o DAX, da Alemanha, subia 0,97%, com o FTSE 100, de Londres, em alta de 0,66%, e o CAC 40, na França, subindo 0,79%. De igual modo, o FTSE MIB, da Itália, subia 0,71%, e o Stoxx 600 em alta de 0,56%.

Na Ásia, porém, somente o Nikkei, do Japão, e o Kospi, da Coréia do Sul, avançavam nesta manhã, sendo 1,77% e 0,94%, respectivamente. O Shanghai, de Xangai, e o HSI, de Hong Kong, recuavam 0,34% e 0,36%, respectivamente. Já o ASX 200, da Austrália, apresentava leve alta de 0,03%.

Do lado das commodities, o petróleo tipo Brent caía 0,45%, cotado a 85,60 dólares, com o tipo WTI caindo 0,57%, cotado a 83,28 dólares. O ouro também recuava 0,16%, cotado a 1.804,90 dólares, e o minério de ferro subia 3,03%, a 110.398,00 dólares.

O que tá rolando?

Tanto na Europa quanto nos Estados Unidos há um otimismo generalizado por conta dos ganhos globais decorrentes dos balanços corporativos. Em Wall Street, inclusive, os principais índices fecharam a segunda-feira (25) com altas recordes.

Ontem, o Facebook divulgou seus resultados. A rede social marcou lucro líquido de US$ 9,194 bilhões no terceiro trimestre deste ano, uma alta de 17% em relação ao mesmo período de 2020. Hoje, o mercado aguarda o balanço da Behemoths Alphabet e Microsoft.

Na China, cujas principais bolsas amanheceram em baixa, há uma demanda de carvão para evitar que ocorra uma crise de energia no país. A Austrália pode fornecer, mas há um embargo chinês em relação à commoditie australiana. E tudo indica que não haverá conversas.

O caso é que ao apoiar um pedido de investigação internacional contra a China no ano passado, o governo suspendeu as relações comerciais com a Austrália.

Brasil

No Brasil, o mercado está atento a tudo o que acontece em Brasília. Isso porque a PEC dos Precatórios sofre resistência e poderá travar no Senado. Ela passou na comissão da Câmara na semana passada, mas tudo indica que agora vai empacar.

A PEC propõe ajuste no teto de gastos para acolher o custo com o Auxílio Brasil, com repasse de R$ 400 mensais às famílias de baixa renda até o final de 2022.

Para piorar a situação, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) pede o banimento do presidente Jair Bolsonaro de redes sociais e traz 10 novos indiciamentos em relatório. Essa querela só faz aumentar o ruído político nos mercados.

Outro assunto que deverá dominar o noticiário nesta terça diz respeito aos combustíveis. Para se ter ideia, o preço da gasolina na refinaria já acumula alta de 74% em 2021. O diesel, por sua vez, subiu 65% desde o início do ano.

Além disso, a partir de hoje a Petrobras venderá o litro da gasolina por um preço médio de R$ 3,19, contra os R$ 1,83 vigentes na virada do ano. O diesel terá um preço médio de R$ 3,34 por litro. Na virada do ano, eram R$ 2,02.

Mercados de Nova York

  • Dow Jones: +0,27%
  • S&P: +0,38%
  • Nasdaq: +0,65%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: +0,97%
  • FTSE, Reino Unido: +0,66%
  • CAC, França: +0,79%
  • FTSE MIB, Itália: +0,71%
  • Stoxx 600: +0,56%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: +1,77%
  • Xangai, China: -0,34%
  • HSI, Hong Kong: -0,36
  • ASX 200, Austrália: +0,03%
  • Kospi, Coreia: +0,94%

Petróleo

  • Brent (dezembro 2021): US$ 85,60 (-0,45%)
  • WTI (novembro 2021): US$ 83,28 (-0,57%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2021): US$ 1.804,90 (-0,16%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian: US$ 110,398 (+3,03)