Bolsa de valores opera em queda; Nova York busca reação

Osni Alves
Jornalista desde 2007. Passou por redações e empresas de comunicação em SC, RJ e MG. E-mail: oalvesj@gmail.com.
1

Crédito: Reprodução/B3

A bolsa brasileira opera em queda nesta segunda-feira (18), recuando 1,04%, aos 113.461 pontos, às 12h15.

Hoje, o Boletim Focus trouxe novas projeções do mercado para os principais indicadores econômicos. 

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

A inflação foi novamente revista para cima. De 8,59% da semana passada, para 8,69% em 2021, na 28ª alta consecutiva. Para 2022, a expectativa para o IPCA foi de 4,17% para 4,18%. 

Também houve redução de expectativa para o PIB: de 5,04% para 5,01% em 2021; e de 1,54% para 1,50% em 2022.

O Icomex, da FGV, apontou que o aumento nos preços das importações acelerou e que as commodities respondem por 70% das exportações hoje do país.

 A semana tem agenda esvaziada no Brasil, com destaque para o início da temporada de balanços, com Hypera (HYPE3) reportando seus lucros do terceiro trimestre na sexta (22). Petrobras (PETR3 PETR4) e Vale (VALE3) também divulgam suas prévias operacionais.

Outro ponto de atenção é a votação da PEC dos Precatórios, que deve ocorrer na terça (19). 

Paralelamente, os caminhoneiros ameaçam fazer greve. A categoria promete entregar hoje uma lista de reivindicações ao governo federal, com promessa de paralisação em 1 de novembro se não forem atendidos.

Mercados do exterior

Os mercados de Nova York operam mistos, depois de uma semana de ganhos no exterior, impulsionada pelos balanços melhores do que o esperado, especialmente dos bancos.

Na semana, reportam ganhos Netflix, Johnson & Johnson, Tesla e IBM, entre outras. Até aqui, 41 integrantes do S&P 500, que reúne as empresas mais representativas da Nyse, já divulgaram seus balanços, sendo que 80% deles superou as expectativas, de acordo com levantamento da FactSet. 

Além dos ganhos, os investidores acompanham sinais das empresas quanto aos gargalos na cadeia de suprimentos e quanto à inflação, dois temas sensíveis para as projeções futuras.

Também animou o fechamento da semana passada um bom indicador de consumo em alta nos EUA: as vendas no varejo vieram acima do esperado. Tiveram alta de 0,7%, ante projeção de recuo de 0,2%. 

Hoje foi divulgada a produção industrial pelo Federal Reserve (Fed), que teve queda de 1,3% em setembro, ante projeção de alta de 0,2%.

O petróleo segue sua escalada de preços, com Brent passando de US$ 85 o barril. 

na China, o PIB veio fraco e coloca em xeque a recuperação pós-pandemia. A estimativa era de crescimento de 5,1%, mas o registrado foi de apenas 4,9%.

A produção industrial teve expansão anual de 3,1% em setembro, abaixo do esperado. Mas as vendas no varejo aumentaram 4,4% em setembro ante igual mês do ano passado, melhor que a projeção. 

Mercados de Nova York

  • Dow Jones: -0,09%
  • S&P: +0,15%
  • Nasdaq: +0,32%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: -0,79%
  • FTSE, Reino Unido: -0,46%
  • CAC, França: -0,85%
  • FTSE MIB, Itália: -0,93%
  • Stoxx 600: -0,57%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: -0,15%
  • Xangai, China: -0,12%
  • HSI, Hong Kong: +0,31%
  • ASX 200, Austrália: +0,26%
  • Kospi, Coreia: -0,28%

Petróleo

  • Brent (dezembro 2021): US$ 85,52 (+0,73%)
  • WTI (novembro 2021): US$ 82,62 (+1,09%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2021): US$ 1.763,75 (-0,26%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian: US$ 110,52 (-2,27%)