Ibovespa futuro abre em alta, com mercados internacionais

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Shutterstock

O Ibovespa futuro abriu a sexta-feira (8) em alta de 0,63%, aos 79.370 pontos, em sintonia com mercados globais. Futuros de Nova York registravam altas na casa de 1% perto das 9h05.

A boa notícia do dia no exterior é que autoridades se movimentam para garantir o cumprimento da fase 1 do acordo comercial entre EUA e China.

Isto depois de o presidente norte-americano, Donald Trump, acusar a China de ser responsável pela pandemia e ameaçar novas tarifas sobre os produtos chineses, o que acabaria com o acordo assinado em janeiro.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, e o representante de comércio dos EUA, Robert Lighthizer, conversaram com o vice-primeiro-ministro chinês Liu He, via teleconferência na quinta (7).

Segundo a CNBC, entre os assuntos discutidos estavam o coronavírus e também a intenção de manter o acordo de pé.

A má notícia é que, às 9h30, os dados do payroll podem desanimar os investidores. Segundo levantamento do Dow Jones, é aguardada a divulgação de mais de 20 milhões de desempregados.

Ontem, o Departamento de Trabalho dos Estados Unidos revelou que novos 3,169 milhões de pedidos de seguro-desemprego foram feitos no país na semana finalizada em 2 de maio.

O resultado veio dentro das expectativas do mercado, mas acumulou um total de 33,483 milhões de desempregados desde o início das medidas de distanciamento social para conter o Covid-19.

Este número ultrapassa em muito os 22.442 milhões de postos de trabalho gerados nos Estados Unidos desde novembro de 2009, quando o país começou a se recuperar da Grande Recessão, o que dá uma dimensão do tamanho da crise.

  • S&P: +1,02%
  • Nasdaq: +1,00%
  • Dow Jones: +0,94%

Europa

Os mercados europeus também estão em alta, acompanhando os temas externos e também a retomada econômica pós-quarentena.

A Alemanha anunciou hoje que suas exportações caíram 12% em março.

Reino Unido não tem pregão nesta sexta, devido a um feriado.

  • DAX, Alemanha: +1,02%
  • CAC, França: +0,89%
  • FTSE MIB, Itália: +0,61%
  • Stoxx 50: +0,73%

Ásia

Mercados na Ásia fecharam em alta, com a sinalização de que o acordo comercial EUA-China segue em frente.
Destaque para o Japão, com ganhos de mais de 2,5%.

  • Nikkei, Japão: +2,56%
  • Xangai, China: +0,83%
  • HSI: +1,04%
  • ASX 200: +0,50%
  • Kospi, Coreia: +0,89%

Petróleo

Petróleo em alta, com expectativa de corte na produção do tipo WTI, referência para o mercado dos Estados Unidos, e a retomada da demanda pós-quarentena.

  • Brent (julho 2020): US$ 29,73 (+0,92%)
  • WTI (junho 2020): US$ 23,79 (+1,02%)