Ibovespa futuro abre em queda com tensão externa

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução / Pinterest

O Ibovespa futuro abriu em forte queda nesta segunda-feira (4), de 3,73%, aos 77.115 pontos, refletindo o humor dos mercados externos e ainda as instabilidades políticas internas.

No domingo (3), o presidente norte-americano, Donald Trump voltou a acusar a China de ter causado a propagação do coronavírus por um “erro”, mesmo sem especificar qual seria a falha.

“Acho que eles cometeram um erro horrível e não quiseram admitir”, afirmou à Fox.

Trump também ameaça não concretizar os cortes de tarifas a produtos chineses determinados pela primeira fase do acordo comercial fechado entre os dois países em janeiro.

Pelo acordo, a China se comprometia a comprar mais produtos dos EUA e, em contrapartida, os EUA reduziriam impostos sobre importações chinesas.

Paralelamente, os mercados acompanham a reabertura de alguns estados nos EUA, pós-quarentena.

“As próximas duas a quatro semanas são críticas tanto para a crise econômica quanto para a saúde”, disse Marc Chaikin, CEO da Chaikin Analytics, à CNBC.

“O maior risco para o mercado de ações é uma reabertura prematura da economia dos EUA. Se as curvas Covid-19 ressurgirem e as economias forem fechadas novamente, os danos à psique do mercado de ações serão dramáticos.”

No mundo, o coronavírus já infectou mais de 3,5 milhões de pessoas, sendo 247,3 mil vítimas fatais. Os dados são da Universidade Johns Hopkins.

No Brasil, repercutem ainda as manifestações de ontem em Brasília, das quais o presidente Jair Bolsonaro participou. O ato era contra o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e ministros do Supremo Tribunal Federal. Em meio à manifestação, o presidente fez uma live, afirmando que não iria mais permitir interferência nas suas decisões e que estava “no limite” de sua paciência. Também disse ter apoio das Forças Armadas.

Vamos ao desempenho dos mercados às 9h19.

O que você verá neste artigo:

Nova York Futuros

  • Dow Jones: -0,76%
  • Nasdaq: -0,61%
  • S&P: -1,00%

Europa

  • DAX, Alemanha: -3,22%
  • FTSE, Inglaterra: +0,04%
  • CAC, França: -3,52%
  • FTSE MIB, Itália: -2,78%
  • Stoxx 50: -3,23%

Petróleo

  • Brent (julho 2020): US$ 26,27 (-0,64%)
  • WTI: (junho 2020): US$ 19,27(-2,58%)

Ásia

Em Hong Kong, a notícia das novas tensões entre EUA e China fez com que a bolsa caísse mais de 4%. Japão e China não tiveram pregão na segunda, por conta de um feriado.

  • Kospi, Coreia: -2,68%
  • Hang Seng, Hong Kong: -4,18%
  • ASX 200, Austrália: +1,41%