Mercados encerram em alta com expectativa de acordo entre EUA e China

Guilherme Paulo
Colaborador do Torcedores

Crédito: China's Vice Premier Liu He gestures to the media between U.S. Trade Representative Robert Lighthizer (L) and Treasury Secretary Steve Mnuchin before the two countries' trade negotiations in Washington, U.S., October 10, 2019. REUTERS/Yuri Gripas

Demais tensões são ignoradas, enquanto os investidores aguardam o desfecho com expectativa positiva.

Mercado Europeu

O mercado europeu começou em baixa, após a divulgação de resultados econômicos desanimadores na zona do euro. O PIB do Reino Unido encolheu 1% em relação à julho, diante de expectativas de crescimento zero. A produção industrial cedeu 1,7% sobre agosto de 2018.

É a primeira contração do PIB na comparação mensal desde abril. No entanto, nos três meses até agosto, o PIB cresceu 0,3%, superando as previsões de um aumento de 0,1%.

Mas os índices encerraram em alta, com o maior otimismo nas negociações comerciais entre EUA e China, que iniciaram nesta manhã. As notícias dão conta de que um possível acordo parcial pode ser alcançado.

Alemanha | DAX [+0,58%]

Londres | FTSE 100 [+0,28%]

França | CAC 40 [+1,27%]

Zona do euro | Euro Stoxx 50 [+0,92%]

Itália | FTSE MIB [+1,03%]

EUR/USD [+0,42%] | € 1,1015

Bolsas Norte-americanas

Nos Estados Unidos o bom humor se deve ao gesto chinês de comprar soja dos EUA, e a fala de Trump no Twitter, indicando que encontrará o representante comercial chinês amanhã.

O otimismo permaneceu mesmo com a contradição de uma matéria publicada anteriormente pelo jornal de Hong Kong, que disse que as autoridades chinesas partiriam de Washington um dia antes do esperado.

Durante a manhã, foi divulgado também a afirmação do vice-premiê chinês Liu,  de que a China deseja um acordo com EUA em pontos comuns para os dois países, para evitar mais fricções. Reiterando que a equipe chinesa foi aos EUA com desejo sincero de cooperar para superar impasses e corrigir desequilíbrios.

No início da manhã foi divulgado o índice de preços ao consumidor (CPI) que indicou alta de 1,7% na base anual, abaixo da expectativa de alta de 1,8% no período. O núcleo, entretanto, ficou em linha com o esperado, indicando alta de 2,4%.

O dado ligeiramente abaixo do esperado, fez com que os índices futuros devolvessem parte dos ganhos antes da abertura, mas garantiram o fechamento em alta.

No final da tarde, Trump ameaçou a Turquia pelo Twitter, dizendo que a “Turquia está atacando os curdos(…). Temos uma das três alternativas: enviar milhares de tropas e vencer, atingir a Turquia com pesadas sanções, incluindo financeiras, ou mediar um acordo entre a Turquia e os curdos”.

Dow Jones 30 [+0,57%] | 26.496 pontos

S&P 500 [+0,64%] | 2.938 pontos

Nasdaq [+0,60%] | 7.950 pontos

VIX [-5,58%]

Commodities

O petróleo fechou em forte alta, contribuída pela esperança de um acordo entre EUA e China para reavivar a demanda, e as declarações de representantes da OPEP, que pretende contribuir para o equilíbrio do preço da commodity, com uma decisão “forte” em dezembro.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

A referência britânica, o Brent para dezembro encerrou em alta de 1,34%, a US$ 59,10. A referência norte-americana, o WTI para dezembro, fechou em forte alta de 1,82%, a US$ 53,55.

O ouro encerrou em queda, com o maior apetite ao risco dos investidores, que tem boas expectativas sobre as negociações comerciais. O metal encerrou em baixa 0,75%, a US$ 1.494,80 a onça-troy.

A bolsa brasileira

No Brasil, houve um desconforto diplomático, após uma carta do secretário americano Mike Pompeo destacar apoio de Washington apenas às candidaturas de adesão de Argentina e Romênia à entidade, e deixar de fora o Brasil, contrariando acordo firmado entre Bolsonaro e Trump. Em nota nesta tarde, a embaixada dos EUA reiterou o apoio à entrada do Brasil na OCDE.

O Ibovespa encerrou com 101.817 pontos, em alta de 0,56%, após mínima de 101.152 pontos e máxima de 102.482 pontos. Mesmo com a volatilidade e as incertezas, o índice manteve os 101 mil pontos. O volume financeiro desta sessão somou R$ 13,7 bilhões.

O dólar futuro encerrou em alta marginal de 0,01%, cotado a R$ 4,116. Na máxima, a moeda atingiu R$ 4,143 e na mínima R$ 4,095. O real teve comportamento singular frente o dólar hoje, com a moeda americanas tendo queda generalizada frente moedas emergentes, .

O cenário político interno pode ser o fator que influência negativamente no câmbio, com a pressão do congresso sobre o Planalto, e as recentes confusões envolvendo Bolsonaro e seu partido.

  • As ações que lideram as altas dentro do índice Bovespa:
    Yduqs (YDUQ3) R$ 36,28 | [6,39%]
    Suzano (SUZB3) R$ 33,95 | [5,34%]
    Sid. Nacional (CSNA3) R$ 13,09 | [5,31%]
    Gerdau Metal. (GOAU4) R$ 6,12 | [4,97%]
    Gerdau (GGBR4) R$ 12,98 | [3,67%]

 

  • As ações que lideram as baixas dentro do índice Bovespa:

    Ultrapar (UGPA3) R$ 18,65 | [-3,12%]
    Cielo (CIEL3) R$ 7,47 | [-2,35%]
    Localiza (RENT3) R$ 42,07 | [-2,34%]
    CVC Brasil (CVCB3) R$ 52,63 | [-2,17%]
    Qualicorp (QUAL3) R$ 30,33 | [-2,07%]

Acompanhe o mercado financeiro em tempo integral: https://telegram.me/wisirv

Se considera um investidor conservador? Então você está em risco de extinção!

O cenário econômico virou do avesso e o país já não é mais o mesmo.

As taxas de juros caíram à níveis jamais vistos no Brasil desde o final do governo Militar (imagem abaixo) e levaram os rendimentos de Renda Fixa para próximo de Zero (ou negativos no caso da poupança).

Italian Trulli

A nova equipe econômica está incentivando novos investimentos no país, e com isso já não é mais possível ganhar dinheiro confortavelmente na poupança e em CDBs comuns. Por isso, estamos declarando a Extinção do Investidor Conservador.

Se você faz parte dessa espécie de investidor que está em risco de extinção, confirme seus dados no formulário abaixo e fale com nossa equipe. Vamos te ajudar, sem dor e sem custo.