Mercado Livre de Energia fecha primeiro semestre com crescimento de 10,2%

Marcello Sigwalt
null

Crédito: Site O Grande Jardim

Em que pese os efeitos da crise, o Ambiente de Contratação Livre (ACL) no país registrou, no primeiro semestre deste ano, um crescimento de 10,2% no volume de clientes (frente a igual período de 2019), atingindo o montante de 7.222.

Desse total, 938 eram da categoria ‘livres’ e 6.284, ‘especiais’.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Índice ampliado

De acordo com a Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), que divulgou o estudo nessa segunda-feira (29), houve ampliação de 30% para 45% do índice de economia oferecida ao cliente livre, no mesmo comparativo.

Também na primeira metade do ano ocorreram 165 novas migrações, motivadas, entre outros fatores, pelo preço até 45% menor da energia vendida pelas distribuidoras do mercado livre, em comparação com aquela fixada pelo mercado regulado.

Participação de 30%

A Abraceel informa, ainda, que o setor é responsável pelo fornecimento de 30% da energia consumida no país ou o equivalente a um volume de 84.354 MWmed (megawatt médio) de energia transacionada.

EQI, BTG Pactual Forpus Capital lançam novo fundo de ações

O estudo mostrou, também, que 52% da energia utilizada pelos consumidores especiais teve origem no mercado livre, mesmo percentual verificado entre os consumidores livres.

Aumente seus ganhos. Consulte nossa Planilha de Monitoramento de Carteira

Volume recua

Mas, comparando ao final de 2019, houve redução de 31% no volume comercializado no mercado livre.

O item fica positivo em 7,6% se a base comparativa é o mesmo período, ou seja, o primeiro semestre de 2019.

Mas se o período analisado é compreendido entre 21 de março e 12 de junho, houve queda de 4%, na média de consumo, declínio que chegou a 10% no consumo SIN e de modo semelhante no ACR e ACL.

PLD menor

O PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Sudeste/Centro-Oeste atingiu patamar de R$ 121,48/MWh no final do primeiro semestre deste ano, resultado quase 60% inferior aos R$ 294,99/MWh registrados no início de 2020.

O PLD é utilizado para valorar os volumes de energia liquidados na CCEE (diferença entre energia contratada e consumida ou gerada).

Ele tem como base o Custo Marginal de Operação (CMO), calculado pelo Operador Nacional do Sistema (ONS).

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

Ranking dos estados

No ranking dos estados, o Pará é o campeão nacional de consumo de energia livre, que responde por 53% do total da energia consumida pelo estado.

Em seguida, vem Minas Gerais (48%) e depois, Espírito Santo (34%). A lanterninha no uso da energia livre fica com o Piauí, com uma participação de 2% do total consumido.

Das 343 comercializadoras no mercado livre, 96 são associadas à Abraceel.

Sobre a Abraceel

A Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) defende o direito da livre escolha do fornecedor de energia elétrica, a chamada portabilidade da conta de luz, e de gás natural pelos consumidores.

Fundada em 2000, a entidade conta hoje com 96 empresas associadas, que respondem pela comercialização de 85% do volume de energia elétrica do segmento.

A associação tem por finalidade “atuar junto à sociedade em geral, formadores de opinião, órgãos de governo, incentivando a livre competição de mercado como instrumento de eficiência nas áreas de energia elétrica e gás natural”.

Segundo a Abraceel, somente nos últimos 16 anos, o consumidores do mercado livre tiveram uma economia de R$ 118 bilhões em suas contas de eletricidade.

Respondendo hoje por 30% de toda a energia elétrica consumida no país, a energia livre atende hoje a mais de sete mil consumidores livres e especiais.

Planilha de ações: baixe e faça sua análise para investir