Mercado de trabalho mostra sinais de recuperação, diz Ipea

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Agência Brasil

De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o mercado de trabalho brasileiro mostra sinais de estabilidade e recuperação, ainda que de forma discreta.

As conclusões fazem parte da Carta de Conjuntura do Ipea. E foram baseadas nas informações da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid-19 (Pnad Covid-19). A série especial bem sendo realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) durante a pandemia.

Segundo o Ipea, a simples estabilidade nos índices já pode apontar que houve uma interrupção na tendência de queda, que vinha se mostrando desde o mês de março, notadamente a partir de maio e junho, quando houve o pico da pandemia principalmente no Rio de Janeiro e São Paulo.

Aprenda a interpretar o cenário dos investimentos com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

A taxa de desocupação foi de 13,3% na semana de referência, próxima da média de julho, de 13,1%. O nível da ocupação também apresentou estabilidade em relação ao mês anterior, situando-se em 47,9%, nível idêntico à média de julho.

“É razoável esperar que o nível de ocupação passe a recuperar-se nos próximos meses. Com a continuidade do processo de recuperação do nível de atividade. E na ausência de novas restrições ao funcionamento das atividades econômicas em decorrência da pandemia”, afirma o documento.

Mercado de trabalho: taxa de desocupação deve se manter elevada

No entanto, ressalta que a taxa de desocupação deve se manter em um patamar elevado. Isto porque será pressionada pelo movimento de retorno à força de trabalho. Feito por trabalhadores que deixaram de procurar emprego por conta da crise e do distanciamento social.

Ainda assim, mesmo que a evolução favorável da pandemia possa levar ao processo de retorno gradual a algum tipo de normalidade no funcionamento da economia, os efeitos adversos da crise no mercado de trabalho, de acordo com o Ipea, tendem a persistir durante algum tempo.