Mercado de capitais: emissões atingiram R$ 34 bi em julho

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

As emissões de mercado de capitais registraram em julho uma captação de R$ 34 bilhões, desempenho 40,1% superior ao mês anterior, conforme dados da Anbima.

O resultado foi o segundo maior volume mensal de 2020, superando abril e com menor participação de títulos de curto prazo.

No entanto, no acumulado deste ano, não superou o volume do mesmo intervalo de 2019, R$ 185,5 bilhões contra R$ 233,8 bilhões no período, registrando queda de 20,7%.

As ofertas que estão em andamento e em análise registram volumes esperados de R$ 11,3 bilhões e R$ 4,2 bilhões até o momento, respectivamente, e o último desconsidera o volume das ofertas de ações.

Debêntures

As emissões de debêntures registraram queda de 40,8% nas emissões em relação ao mês anterior, e continuam sendo o instrumento de maior participação no volume emitido este ano, com parcela de 29,5%.

As debêntures com remuneração DI+ spread continuam predominantes (73,3% em 2020 contra 46,9% do mesmo período de 2019).

A redução mais expressiva foi dos papéis com rentabilidade atrelada ao DI, que neste mesmo período caiu de 37,8% para 1,3%.

Enquanto, os títulos IPCA, pela primeira vez após a pandemia, também apresentaram elevação, de 15,1% para 15,8%.

Entre os subscritores nas ofertas públicas de debêntures, vem sendo mantida a grande participação dos intermediários e participantes ligados à oferta, que continuam com 85,2%, seguidos dos fundos de investimentos, com 9,8% do total colocado.

A destinação dos recursos vem sendo predominantemente voltado para o capital de giro (34,1%) e pelo refinanciamento de passivo das empresas (32,7%, considerando também a recompra ou o resgate de debêntures de emissão anterior).

Renda variável

No mercado de renda variável, o grande destaque foi a realização de 7 ofertas de ações em julho, o maior número em um mês dessas operações em 2020, que correspondeu a um volume de R$ 13,9 bilhões.

A operação de maior peso foi a das Lojas Americanas (LAME4), no valor de R$ 7,9 bilhões.

Em 2020, as ofertas subsequentes de ações lideraram o segmento com o montante de R$ 45,4 bilhões. A cifra representa uma parcela de 24,5% do volume emitido em 2020.

Os fundos de investimentos imobiliários captaram R$ 4,5 bilhões em julho. Isso confirma a boa performance dos FIIs neste ano, mesmo após o início da pandemia.

No ano, os FIIs captaram R$ 23,1 bilhões, um aumento de 48,7% na comparação com igual período de 2019.

No mercado externo, ocorreram sete negócios em julho, todos de renda fixa, no valor de US$ 3,7 bilhões (48,2% acima do mesmo período de 2019).

Em 2020, foram registradas 20 operações no exterior contra 21 ocorridas no mesmo período no ano passado.