Mercado aposta que nova queda da Selic será anunciada na próxima semana

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: studiogstock/ Freepik

A taxa básica de juros, Selic, pode fechar 2019 abaixo da casa dos 5% ao ano. A expectativa do mercado é que o Banco Central anuncie já na próxima quarta-feira (11), mais um corte de 0,5 ponto percentual, baixando para 4,5% a cotação em dezembro.

Os especialistas não acreditam, no entanto, que o ritmo que causou a queda de dois pontos percentuais nos últimos meses se mantenha em 2020.

André Perfeito, economista-chefe da Necton, externou sua visão ao site do jornal Correio Braziliense. “Vamos ver como o BC vai encaminhar a discussão para o ano que vem. Como temos uma retomada da atividade econômica, com indicadores industriais em recuperação e o PIB (Produto Interno Bruto) mais forte, isso pode colocar um freio nas quedas”, avaliou. “A Selic deve ficar em 4,5% ao ano em 2020”.

A visão foi de outro economista renomado do País, Alex Agostini, da Austin Rating, é um pouco diferente. Para Agostini, em 2020 a Selic deve, na verdade, voltar ao patamar que tinha há alguns meses, na casa dos 6% ao ano.

“Quando virar o semestre, o BC passa a olhar para o ano seguinte. Com a retomada da atividade econômica, a partir de julho, estará mirando 2021, quando a meta é mais estreita, e o Copom terá que ser mais cirúrgico. Por isso, o ciclo de alta deve se iniciar em junho, com 0,25 ponto a cada reunião”, concluiu.