“Mercado ainda vai chacoalhar”, diz CEO da gestora Nest

Naiana Oscar
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Felipe prata CEO da Nest

Como CEO da gestora independente Nest Asset Management, Felipe Prata está atento ao mercado brasileiro, mas não perde de vista o comportamento das bolsas mundo afora. É daí que vem boa parte de seu otimismo para os próximos meses. 

Prata, que é sócio do empresário e apresentador Roberto Justus na Nest, acredita que a B3 pode sim chegar aos 115 mil pontos até dezembro, porque ainda está muito distante de seus pares internacionais. 

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, saiba quais são as melhores atitudes e aplicações para multiplicá-lo

Ele cita como exemplo os índices MSCI, que servem de termômetro sobre os mercados de ações ao redor do mundo. O MSCI Emerging Markets, que acompanha o desempenho das bolsas de 26 países emergentes, já havia recuperado 107,17% das perdas até dia 7 de agosto. Enquanto o MSCI Brasil recuperou apenas 49% até essa data. 

“A bolsa brasileira ainda está com um gap em relação às demais”, diz. “Acreditamos que esse gap pode se fechar um pouco mais.”  

O CEO da Nest pondera, no entanto, que o caminho até lá não será tranquilo. “O investidor precisa estar preparado para ver o mercado chacoalhar.” Segundo ele, a “visibilidade no mercado brasileiro” continua complicada, especialmente por questões internas relacionadas ao governo. 

A reforma tributária deve ser um dos maiores pontos de atenção dos investidores daqui para frente. As mudanças podem incluir aumento de imposto e tributação de dividendos, por exemplo. “Enquanto durarem as negociações o mercado vai chacoalhar e é preciso manter o dedo no gatilho.” 

Em entrevista à Eu quero investir, Felipe Prata contou um pouco sobre a estratégia da Nest e sobre o fundo multimercado Nest Absolute Return. Desde novembro de 2017, o fundo acumula retorno de 20,58%. No ano, até 13 de agosto, registra rentabilidade de 0,09% enquanto o Ibovespa cai 13,13%. 

Com a palavra, o CEO da Nest: 

Sobre a Nest 

“A Nest é uma casa relativamente nova. Começou em 2017 de forma pré-operacional. Só fomos ao mercado em 2018. Nossa equipe está começando a ser provada agora. Como sou maratonista, costumo fazer analogias à maratona. Nós estamos agora no quilômetro 36, de 42. 

Começamos a crescer dentro de multi family offices. Depois, passamos a entrar nas plataformas como a do BTG, de modo experimental. 

Um dos sócios da Nest é o Roberto Justus, um grande empresário, que dá uma credibilidade muito grande para o negócio. 

Planilha de Ativos

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.

roberto-justus-2019

Roberto Justus é um dos sócios da Nest

Ele tem o compromisso de colocar R$ 200 milhões em três anos na Nest. Importante dizer que o dinheiro do Justus é investido no mesmo veículo dos demais cotistas. 

Estamos com R$ 348 milhões sob gestão e queremos chegar a R$ 550 milhões no fim do ano. Com isso, vamos cumprir o que estamos fazendo até aqui, que é dobrar de tamanho a cada ano.” 

Sobre o Nest Absolute Return 

“Esse é um fundo multimercado Long & Short direcional, ou seja, focado em ações. Estamos na categoria multimercado porque queríamos ter flexibilidade. Não queríamos ser obrigados a aplicar no mínimo 67% do patrimônio em ações (exigência dos fundos de ações). 

Nosso fundo está dividido em duas partes. Em uma metade adotamos a estratégia “trading” (com movimentos de curto prazo). E na outra metade é uma direcional (ou seja, com posições compradas e vendidas simultaneamente). Podemos ficar de 10% a 50% comprados, dependendo do cenário. 

A metade de trading está me dando 0,4% ao mês, enquanto o CDI dá 0,2%. A outra metade é de onde vem a atribuição do ganho. Essa combinação é que achamos interessante. 

A gente busca dar o resultado da bolsa no longo prazo com um quarto do risco da bolsa. Em março, por exemplo, enquanto a bolsa caiu 30%, nosso fundo caiu 9%. Nos quatro meses, seguintes subimos em média 48%. 

Nós não mudamos nossa estratégia durante a crise. Se tira posição, não volta nunca mais.