Analistas descartam reação rápida do Fed diante da inquietação nas bolsas em NY

Karin Barros
Colaborador do Torcedores

Crédito: Jcomp/Freepik

O recuo do mercado acionário dos Estados Unidos tem aumentado esperanças de que o Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) reforce compras de ativos para impulsionar a economia.

Mas, segundo matéria publicada pela Reuters, o “sell-off” não foi suficientemente acentuado para justificar qualquer ação, de acordo com agentes de mercado, estrategistas e um consultor do Tesouro dos EUA consultados pela agência de notícias.

O mais provável, informa a Reuters, é que o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, em inglês) – que se reúne na próxima semana para definir a política monetária dos EUA – reoriente suas compras de Treasuries para vencimentos mais longos.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

A ideia é manter baixos os yields nesses vértices, disseram alguns estrategistas.

Possibilidade de aumento de volume de ativos

O Fed pode aumentar o volume de ativos que detém em épocas de estresse para estimular a economia ou vendê-los quando a economia corre o risco de superaquecimento, coloca a Reuters.

O banco central dos EUA elevou seu balanço de 4 trilhões de dólares para 7 trilhões de dólares desde o surto de Covid-19.

Uma recuperação das ações, impulsionada por papéis de tecnologia, valorizou o índice S&P 500 em 15% entre o início de julho e sua máxima de fechamento em 2 de setembro.

O índice Nasdaq Composite subiu 21% no mesmo período.

No entanto, afirma a Reuters, um forte “sell-off” de ações do setor de tecnologia empurrou o Nasdaq na terça-feira (8) a território de correção – quando ocorre uma queda de 10% ou mais em relação à máxima recente. Desde então, o mercado se estabilizou parcialmente.

Pesquisa

Ajay Rajadhyaksha, chefe de pesquisa macro do Barclays Plc, disse à Reuters que seria preciso outra queda repentina e expressiva nos mercados antes de o Fed pensar em considerar aumento de suas compras.

“O Fed não terá problemas com o patamar das ações neste momento”, disse Rajadhyaksha, que faz parte de um comitê que assessora o Tesouro dos EUA na gestão da dívida e na economia. “Eu acho que você precisaria que elas (as ações) caíssem outros 10%, pelo menos, rapidamente, antes que o Fed começasse a notar.”

Gennadiy Goldberg, estrategista de taxas dos EUA da TD Securities, também disse que os “sell-offs” das ações não seriam uma preocupação para o Fed.

“Algum declínio após um grande rali realmente não fará com que eles atuem. Eles estão procurando por sinais de instabilidade”, afirmou.

Apoio aos preços ativos

Alguns investidores, segundo a Reuters, esperavam que o Fed elevasse as compras no mercado para apoiar os preços dos ativos.

Troy Gayeski, um dos diretores de investimentos da SkyBridge, empresa de investimentos alternativos, disse que o fato de o balanço do Fed ter permanecido estável por 12 semanas foi parte da razão para a cautela dos investidores.

“A menos que tenhamos outra rodada de expansão do balanço e outra reaceleração do crescimento da oferta de dinheiro, os mercados ficarão muito mais bidirecionais e voláteis”, disse.

O Fed, afirma a Reuters, desacelerou as compras de Treasuries e de dívidas lastreadas em hipotecas à medida que os mercados se recuperavam de problemas vistos em março, quando o pânico em torno do coronavírus provocou tombos nas bolsas de valores e aperto de liquidez nos mercados de dívida.