M. Dias Branco (MDIA3) tem alta de 140,8% no lucro do 1TRI; Ebtida cresce 103,8%

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Piraque

A M. Dias Branco (MDIA3), líder nos mercados de biscoitos e massas no Brasil, anunciou nesta sexta-feira (8) seus resultados do primeiro trimestre de 2020.

O lucro líquido totalizou R$ 137 milhões no período, um salto de 140,8% em comparação com o primeiro trimestre de 2019.

Para a companhia, o forte crescimento do lucro líquido foi em função do aumento do Ebtida.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebtida, na sigla em inglês) somou R$ 228,5 milhões, avanço de 103,8%.

A margem Ebtida atingiu 14% no trimestre, alta de 5,5 pontos percentuais.

A M. Dias Branco atribui a melhora da margem Ebtida pelo efeito mix favorável do crescimento mais acelerado de itens com menor participação de farinha de trigo nos custos (biscoitos e massas vs. farinha e farelo, pelo menor custo médio do trigo no primeiro trimestre de 2020 ante primeiro trimestre de 2019 (-6,9%), reflexo das compras acertadas que a companhia fez no final de 2019 e início de 2020, pelo aumento da verticalização de farinha de trigo (96,7% no 1T20 vs. 84,2% no 1T19) e pela maior diluição das despesas fixas com vendas e administrativas.
O volume de vendas totalizou 476,5 milhões, um aumento de 22,4%.

Receita cresce 24,3% no trimestre

A receita líquida foi de R$ 1,636 bilhão no primeiro trimestre de 2020, um crescimento de 24,3%.

Segundo a companha, o resultado foi influenciado pelo crescimento nos volumes de vendas de biscoitos, massas, farinha/farelo e margarinas/gorduras, com ampliação de preço médio em todas as linhas de produtos, exceto em biscoito.

O lucro bruto somou R$ 624,7 milhões no período, uma elevação de 38% em comparação com o primeiro trimestre de 2019.

Já a margem bruta atingiu 38,2 no primeiro trimestre de 2020, um avanço de 3,8 pontos percentuais.

A companhia afirmou que “o aumento da margem bruta é reflexo do crescimento dos volumes vendidos de linhas com menor participação de farinha de trigo nos custos (biscoitos e massas) e pelo menor custo médio do trigo no 1T20 versus 1T19”.

As despesas operacionais totalizaram R$ 457,2 milhões no período, um aumento de 27,9% em relação ao primeiro trimestre de 2019.

Dívida

A dívida líquida da M. Dias Branco encerrou março em R$ 660,7 milhões, uma elevação de 1,4%.

A alavancagem financeira, medida pela relação dívida líquida / Ebtida, ficou em 0,7 vez no final do primeiro trimestre de 2020, baixa de 0,1 p.p. em comparação com mesmo período do ano passado.

Investimentos

A M. Dias Branco investiu R$ 56,3 milhões no trimestre, uma queda de 19,1% nos investidos.

Os aportes foram destinados para aquisição de equipamentos e construção de estacionamento para a nova unidade de moagem em Bento Gonçalves (RS), redesenho logístico, compreendendo novos centros de distribuição, aquisição e instalação de dois silos para armazenagem de farinha na unidade de Maracanaú.

Veja os destaques operacionais