Mark Zuckerberg: de estudante universitário a fundador do Facebook

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores

Crédito: Wikipedia

Mark Zuckerberg é mundialmente conhecido por ser um dos cofundadores do Facebook. Ao lado do brasileiro Eduardo Saverin, Zuckerberg criou a maior rede social do planeta em 2004 que, atualmente, é dona também do Instagram e do WhatsApp.

Segundo informações do Facebook, as três redes juntas têm mais de 3 bilhões de usuários atualmente. Já Zuckerberg, em 2020, passou a integrar o seleto grupo de bilionários com patrimônio acima de US$ 100 bilhões.

Quem é Mark Zuckerberg?

A seguir, saiba mais sobre a origem e trajetória de uma das personalidades mais influentes da atualidade. Confira!

Origem e formação

Mark Elliot Zuckerberg nasceu em 1984 em Nova York e, desde cedo, já demonstrava aptidão para física e matemática na escola. Assim como muitos jovens norte-americanos nascidos nos anos 80, Zuckerberg teve contato com computadores logo cedo. Isso despertou o seu gosto por programação, o que o fez inclusive desenvolver alguns aplicativos para uso exclusivo da família e amigos.

Ao perceber o talento do filho, seu pai, que era médico, o incentivou a aprofundar os estudos em programação e contratou um professor particular. Isso fez com que, aos onze anos, Mark desenvolvesse um programa que conectava os computadores da família. Esse programa possibilitava a troca de mensagens entre as máquinas. Nesse sentido, o intuito era ajudar o pai, que trabalhava em casa, ao avisá-lo por mensagens quando chegavam os pacientes.

Mark chegou a iniciar as faculdades de Psicologia e Ciência da Computação em Harvard. Foi lá que conheceu os outros cofundadores do Facebook: Eduardo Saverin, Chris Hughes, Dustin Moskovitz e Andrew McCollum. Na universidade, desenvolveu alguns programas para uso dos alunos, entre eles o CourseMatch. Esse programa permitia que usuários jogassem entre si sem que houvesse a necessidade de internet ou qualquer outro tipo de conexão.

Porém Zuckerberg não chegou a concluir as graduações. Isso porque largou os estudos logo após ter criado o Facebook, para se dedicar exclusivamente ao novo aplicativo. No entanto, mesmo sem ter se formado, Mark recebeu um diploma honorário da instituição, quando discursou para alunos na formatura de 2016.

O Facebook

A maior rede social de todos os tempos foi lançada em 2004, ainda nas dependências de Harward. Na ocasião, Zuckerberg teve colaboração e apoio financeiro do brasileiro Eduardo Saverin, seu melhor amigo na faculdade.

No início, o Facebook explodiu em Harward, mas em pouco tempo alcançou também várias outras universidades. Com o crescimento da rede, outras funcionalidades foram desenvolvidas e, em 2006, o aplicativo foi aberto para o público em geral.

Quando o Facebook decolou, Mark estava no segundo ano da faculdade. O sucesso do aplicativo fez com que ele se mudasse definitivamente para o Vale do Silício, na Califórnia. A partir daí, ele passou a se dedicar exclusivamente ao novo empreendimento.

A história do Facebook é cheia de polêmicas, que envolvem desentendimentos entre os seus criadores e, também, a autoria do aplicativo. Em 2008, Zuckerberg fez um acordo extrajudicial com os irmãos Cameron e Tyler Winklevoss e com Divya Narendra, ex-colegas de faculdade. Isso porque eles acusaram Mark de ter roubado a ideia do Facebook, que teria sido desenvolvida pelos três.

No entanto, uma coisa é certa: todos lucraram muito com a criação da rede social.

A fortuna de Mark Zuckerberg e o crescimento dos negócios

O Facebook decolou rapidamente e, em pouco tempo, tornou-se a maior rede social do planeta. Em 2008, com 24 anos, Mark ingressou na lista da Forbes como o mais jovem milionário norte-americano.

Na ocasião, não faltaram ofertas milionárias para Mark em troca do controle do Facebook. No entanto, ele recusou todas. Dessa forma, manteve-se à frente do negócio, que continuava crescendo de forma exponencial.

A primeira aquisição de Mark foi em 2009. Naquele ano, ele comprou a rede social FriendFeed por US$ 47,5 milhões. A partir daí, diversas outras incorporações foram feitas, sendo que a maior delas ocorreu em 2012, com a compra do Instagram. Na ocasião, a rede social foi adquirida por um bilhão de dólares e passou a fazer parte do grupo. Naquela época, o aplicativo tinha pouco mais de 30 bilhões de usuários.

Ainda em 2012, o Facebook fez a sua oferta pública inicial (IPO) na bolsa norte-americana. Na ocasião, as ações renderam US$ 16 bilhões. Isso colocou a empresa de Mark entre os maiores IPOs do mundo.

Já em 2014, foi a vez de Mark adquirir o WhatsApp por US$ 19 bilhões. Na ocasião, o valor do negócio surpreendeu os investidores e o mercado de tecnologia de forma geral.

Porém a aposta de Mark se mostrou correta. Isso porque, em pouco tempo, o WhatsApp se tornou o maior aplicativo de mensagens por celular do mundo.

Controvérsias legais

A história de Zuckerberg e do próprio Facebook é marcada por diversos episódios legais controversos. Nesse sentido, um dos primeiros ocorreu ainda no início da rede social, e envolveu Eduardo Saverin, seu melhor amigo da faculdade. Isso porque, no início do Facebook, Mark, alegando que Eduardo não se dedicava integralmente ao projeto, reduziu a sua participação no negócio por meio de uma jogada societária. Ao tomar conhecimento, Saverin imediatamente bloqueou as finanças da empresa e acionou Zuckerberg judicialmente. O episódio foi resolvido por meio de um acordo extrajudicial, de valor não revelado.

No entanto, o caso mais conhecido foi o da Cambrige Analytics, que ocorreu em 2015. Naquela ocasião, o Facebook foi acusado de ter conhecimento que a Cambrige havia se apropriado ilegalmente de dados de usuários para utilizá-los nas eleições dos EUA. Devido ao escândalo, o Facebook perdeu cerca de US$ 100 bilhões de valor de mercado e, entre outras punições, recebeu multa de US$ 5 bilhões do governo dos EUA.