Marfrig (MRFG3): exportação e câmbio turbinam operação

Carla Carvalho
Graduada em Ciências Contábeis pela UFRGS, pós-graduada em Finanças pela UNISINOS/RS. Experiência de 17 anos no mercado financeiro, produtora de conteúdo de finanças e economia.
1

Crédito: Marfrig (MRFG3): resultado operacional forte e manutenção de recomendação e compra

Segunda maior produtora de carne do mundo, a Marfrig (MRFG3) é uma empresa que tem se beneficiado duplamente em meio à pandemia. Como 70% de suas vendas vêm do mercado externo, ela ganha com  o aumento da demanda mundial por alimentos e com a apreciação do dólar desde o início desse ano. Isso ajuda a entender o resultado recorde da companhia  no primeiro semestre deste ano.

Entre janeiro e julho, a Marfrig lucrou R$ 2,16 bilhões, um crescimento de 400% em relação ao mesmo período de 2019,com aumento das exportações e a otimização de estruturas produtivas. Em 2020, suas ações acumulam alta de 60%.

  • Conheça a Marfrig, o que ela faz, suas estratégias e as perspectivas para as ações

Atuação da Marfrig

A empresa, especializada em carne bovina, está presente em mais de 100 países. É uma das líderes mundiais no segmento, e líder absoluta quando o assunto é hambúrgueres.

Monitore completamente sua Carteira

Com atuação na América do Sul, América do Norte, Europa e Ásia, a Marfrig possui 24 unidades de abate, 12 de processamento e dez centros de distribuição e escritórios comerciais.

Na América do Sul, além do Brasil, a Marfrig tem unidades na Argentina, Uruguai e Chile. Nesses países, a empresa conta com 26 unidades operacionais, com capacidade de abate de 21.000 cabeças de gado por dia e 2 milhões de ovinos por ano.

Já na América do Norte, sua presença é através da National Beef, que exporta para mais de 30 países e tem capacidade de abate de 13.100 cabeças de gado por dia. A National Beef é a principal exportadora de carne bovina resfriada dos EUA, e tem foco nos mercados do Japão e Coreia do Sul.

Confira principais Ações para investir em Outubro

Histórico da empresa

A Marfrig iniciou suas atividades em 1986, através do fornecimento de cortes de carnes para grandes redes de restaurantes. Nos anos 1990, a companhia inaugura o primeiro centro de distribuição próprio.

Entretanto, o seu processo de internacionalização só inicia em 2005, com a aquisição de empresas no Uruguai, Chile e Argentina,

Em 2018, Marfrig adquiriu a National Beef, quarta maior processadora de carne dos EUA. Em seguida, em 2019, foi a vez de incorporar as empresas VG e Iowa, especializadas em hambúrgueres.

No inicio de 2019, a companhia comprou a operação da BRF na Argentina (QuickFood). A empresa era detentora das duas marcas mais icônicas daquele país – hamburguer Paty e salsicha Vieníssima .

No Brasil, a Marfrig comprou a unidade de Varzea Grande (Mato Grosso), uma das maiores fabricas de hambúrgueres do mundo.

O que explica o desempenho da Marfrig em 2020?

Segundo o CEO da empresa, Miguel Goularte, a atual performance é resultado de um conjunto de medidas estratégicas implementadas nos últimos anos. Para sair da crise, que abateu o setor frigorífico no Brasil há cerca de 10 anos, a empresa redefiniu seu modelo de negócios.

Para isso, passou a investir mais em produtos processados, como hambúrgueres, almôndegas, quibes, entre outros. Isso porque a margem de lucro desses itens é bem maior quando comparada à carne in natura.

Além disso, a Marfrig tem atuado na otimização de suas estruturas produtivas. Em 2019, a empresa fechou 3 plantas menos produtivas e investiu nas mais eficientes.

Por outro lado, a conjuntura externa também foi importante aliada da Marfrig em 2020.  Além da disparada do dólar, o incremento da demanda da China teve grande importância no crescimento de suas vendas.

Isso porque a peste suína, que teve inicio em 2018 e se intensificou no ano passado, fez com que o país perdesse grande parte de seu rebanho. Com isso, a China, que importava 800 mil toneladas de carne, passou a importar o dobro.

Por causa da crise de abastecimento de suínos, o perfil de consumo de carnes chinês também mudou. Atualmente a população já consome muito mais carne bovina, e isso favoreceu a Marfrig.

Estratégias da Marfrig

Em 2019, a Marfrig passou a deter 82% do capital da empresa, o que ampliou sua exposição no mercado da América do Norte.

A Marfrig também aposta no potencial de mercado do hambúrguer vegetal. Para isso, firmou parceria com a ADM, uma das maiores processadoras de soja do País. Dessa forma, passou produzir um hambúrguer 100% vegetal, com receita exclusiva para a rede Burger King.

Além disso, a companhia também lançou a marca própria Revolution Burguer, e firmou outra importante parceria. Dessa vez foi com a rede Outback Steakhouse, para a qual começou a produzir um hamburguer 100% vegano.

Resultados

No primeiro semestre de 2020 a companhia registrou um desempenho histórico, com receita líquida de R$ 32,3 bilhões e lucro líquido de R$ 2,16 bilhões. Isso representa um aumento de 48% nas vendas e 400% no resultado em relação ao mesmo período de 2019.

A companhia encerrou o semestre com R$ 8,2 bilhões em caixa e R$ 25,5 bilhões entre financiamentos e debêntures. Entretanto, do total de dívidas, apenas 23% deverão ser pagos até o final de 2021. Além disso, o maior volume (53%) terá desembolso somente a partir de 2025.

Do início de abril até o final de junho, a empresa investiu R$ 309 milhões em sua estrutura. Desse total, 65% destinados a manutenção e melhorias. O restante foi destinado a projetos de crescimento orgânico, com destaque para a planta industrial de Várzea Grande em Mato Grosso.

Fatores que mexem com as ações

Como já vimos, o aumento das exportações contribuiu muito para a valorização dos papéis do setor neste ano.

Antes da pandemia, a Marfrig vendia para o mercado interno e externo na mesma proporção. Contudo, quando a economia no Brasil começou a sentir os efeitos do isolamento, a pior fase nos países clientes da Marfrig já havia passado. Dessa forma, o maior volume de vendas da companhia naturalmente migrou para esses mercados.

O Bank of America Merrill Lynch (BofA) revisou para cima o preço-alvo dos papéis da companhia. Segundo o BofA, a nova expectativa de teto para as ações da empresa é de R$ 24.

Isso porque o banco entende que o desempenho da Marfrig deve continuar acima do mercado.

Na avaliação do BofA, a diferença entre o preço da carne bovina e do gado deve seguir acima da média histórica nos Estados Unidos no restante de 2020. Logo, isso acaba sendo positivo para a Marfrig, pois mais de 80% de seu faturamento vem da operação americana.

Por fim, os analistas acreditam que as margens das indústrias brasileiras de carne bovina devem se recuperar após o terceiro trimestre. Além disso, o processo de redução de endividamento da Marfrig também contribui para o otimismo em relação a seus papéis.