Marcação a mercado: entenda como funciona o mecanismo em fundos e títulos

Ronaldo Araújo
Engenheiro e Agente Autônomo de Investimentos, hoje me dedico a divulgar ensinamentos sobre como funciona a Previdência Privada. Acredito que com mais conhecimento é possível fazer melhores escolhas para a formação do patrimônio de longo prazo. Para saber mais acesse www.ronaldoaraujo.com.br
1

Crédito: Boa Vista estreia na bolsa

Com frequência, quem aplica em um determinado título de renda fixa ou tem cotas de fundos de investimento precisa fazer um resgate. Nessas situações, é necessário um mecanismo que faça o cálculo do valor diário a ser apurado. Isso porque ele é diferente do valor contratado inicialmente em um CDB, por exemplo. Para auxiliar nessa questão é usada a marcação a mercado.

Neste artigo, você verá do que se trata esse dispositivo do mercado financeiro. Ao lê-lo, você saberá seu correto significado e qual é a sua real funcionalidade. Além disso, conhecerá quais são os fatores de influência nessa marcação. Por fim, verá em detalhes como ela funciona especificamente para cada mercado em que é usada. Pronto para mergulhar no conteúdo? Então prossiga com a leitura!

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

O que significa marcação a mercado?

Todo título sofre variações ao longo do tempo. A exceção poderia ser os títulos de renda fixa. No entanto, dependendo da negociação até mesmo esses papéis podem sofrer variação no seu valor no momento do resgate. Por incrível que pareça, é possível ter até retornos negativos no rendimento que deveria ser fixo.

O mecanismo financeiro que presta auxílio nesse momento é chamado de marcação a mercado. Em resumo, ele nada mais é do que a cotação de um determinado título ou cota de fundo de investimento caso a aplicação fosse liquidada em uma data específica. Na prática, a marcação a mercado indica o valor diário de um título. Além disso, é usado para o valor da cota de fundo se o mesmo fosse resgatado naquele dia.

Dessa forma, quem adquire um determinado papel com rentabilidade pós ou prefixada receberá exatamente o retorno que foi contratado. Nesse caso, não há porque se preocupar com a marcação a mercado.

Ela somente influenciará o ativo em questão caso seu titular decida resgatar o valor investido antes do prazo acordado. Nessas situações, o dinheiro auferido será equivalente ao valor indicado na marcação a mercado e não à rentabilidade contratada.

Qual é a funcionalidade da marcação a mercado?

Basicamente, o dispositivo de marcação a mercado tem duas funcionalidades específicas. A primeira delas está relacionada aos títulos de renda fixa. Como eles são negociados diariamente no mercado secundário por diferentes agentes, seu preço diário varia. Por isso, é feita a marcação a mercado.

Portanto, caso um investidor decida resgatar seu título antecipadamente, o fará segundo o valor marcado no dia e não pela rentabilidade nominal inicial.

A segunda grande funcionalidade desse dispositivo se aplica aos fundos de investimento. O objetivo é evitar a transferência de riqueza dentro do fundo, pois se isso acontecesse, lucros e prejuízos poderiam ser transferidos para quem não seria de direito. Para tanto, a cota do fundo é marcada diariamente de acordo com a valorização ou desvalorização dos títulos que compõe o fundo. Dessa forma, cada cotista arcará apenas com seus respectivos saldos.

Que fatores são capazes de afetar essa marcação?

Existem duas variáveis fundamentais capazes de afetar a marcação a mercado de um título ou cota de fundo de investimento. Eles são o benchmark e a própria liquidez do mercado.

No caso dos títulos de renda fixa pós-fixados, o CDI afetará diretamente o valor no tempo presente. Já nos títulos prefixados o fator de variação será a expectativa futura acerca do valor da Selic.

Um exemplo dessa variação é o Tesouro IPCA, título público da plataforma do Tesouro Direto. Caso haja expectativa de alta nos juros futuramente, o valor atual desse título cai.

A razão para isso é que com a alta, o título renderá mais. Como compensação ao valor futuro adicionado, o valor presente tem queda.

O inverso também vale. Ou seja, o título sofrerá valorização no tempo presente caso haja expectativa de baixa no valor da Selic no futuro.

Outro fator preponderante que influencia na marcação a mercado é a liquidez do papel ou da cota do fundo. Caso o ativo em questão seja muito líquido, é provável que não haja perdas no momento do resgate. Isso porque a marcação se dará rapidamente, no mesmo dia.

No entanto, se a liquidez não for boa o suficiente, pode ser que seja preciso esperar algum tempo após o pedido de resgate. Portanto, isso causará defasagem no valor retornado.

Como funciona a marcação a mercado?

A marcação a mercado tem efeito sobre as cotas de fundos de investimento e sobre títulos de renda fixa. No primeiro caso, a informação mais importante para entender o processo é o dia de cotização. Esse dado está disponível nas informações básicas do fundo, ou seja, deve ser conhecido no momento que se adquire as cotas.

Dessa forma, quando um investidor solicita o resgate das cotas, o valor convertido em dinheiro será aquele marcado no dia de cotização indicado anteriormente. Se um fundo tem resgate previsto em D+30, isso significa que o valor efetivamente resgatado será aquele correspondente ao valor das cotas no 30° dia após o pedido de resgate e não o valor no dia em que o resgate foi solicitado.

Títulos de renda fixa

Já em títulos de renda fixa a marcação a mercado costuma ser bem mais expressiva. A razão para isso é a alta volatilidade no mercado secundário que faz com que a precificação possa alcançar níveis bem elevados. Entram nessa conta os CDBs bancários, os títulos do Tesouro Direto e os certificados de depósito imobiliário e de imóveis, assim como as letras de crédito também.

Para entender melhor a situação pode ser utilizado um exemplo: suponha que um investidor adquiriu um título com vencimento em cinco anos. No entanto, algum imprevisto financeiro acontece e é preciso fazer o resgate passados dois anos. O valor auferido nessa ocasião não será a rentabilidade que foi contratada no passado e sim aquele que a marcação a mercado indica no instante do resgate. Provavelmente será um retorno menor do que o esperado inicialmente.

A marcação a mercado é um importante mecanismo presente no mercado financeiro. Sua utilidade vai além de precificar justamente um ativo no presente que só teria liquidação no futuro. O modo como a marcação funciona impede que riquezas e prejuízos sejam transferidos a quem não é de direito em fundos de investimento. Isso é muito importante para prover segurança nesse tipo de investimentos e, assim, atrair um número cada vez maior de investidores.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo