Mansueto deve deixar a secretaria do Tesouro, diz imprensa

Rodrigo Petry
Editor-chefe, com 20 anos de atuação em veículos, como Agência Estado Broadcast, InfoMoney, Capital Aberto e DCI; e na área de comunicação corporativa, consultoria e setor público; e-mail: rodrigo.petry@euqueroinvestir.com.
1

Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, deve deixar o comando da secretaria do Tesouro Nacional, segundo informações publicadas pela imprensa neste domingo (14).

Seu destino deverá ser a iniciativa privada, de acordo com a imprensa, após cumprir quarentena obrigatória.

Conforme o blog de Ana Flor, do G1, Mansueto confirmou a informação à publicação, acrescentando ser uma decisão consensual.

Segundo o G1, ele ficará no cargo até o final de julho ou agosto, em tempo de fazer uma transição com o novo nome a ser escolhido.

CNN informou que Mansueto já vinha manifestando desejo de sair do governo desde a segunda metade de 2019.

Mansueto já estaria, inclusive, discutindo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, um nome para sucedê-lo.

De acordo com o G1, ao menos três nomes já estariam em estudo para o cargo.

Déficit

Em recentes entrevistas, Mansueto vinha ressaltando que a dívida bruta do Brasil em 2020 seria maior do que a projetada.

Segundo ele, o ajuste fiscal “ficará de lado” em 2020 e “voltará somente no próximo ano”.

Com isso, a dívida bruta brasileira este ano deverá terminar o período em 94% do PIB.

Mansueto, no entanto, minimizou os altos números e assegurou que o investidor pode ficar tranquilo.

“O que importa ao investidor é saber que ele vai receber lá na frente e que em determinado momento a dívida começará a cair”, garantiu.

Mansueto Almeida. Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Repercussão

Com sua saída, o Governo perde o “maior intérprete do estado das contas públicas e o interlocutor de maior credibilidade junto a investidores domésticos e internacionais no tema fiscal”, destaca o Brazil Journal.

Em entrevista a Fábio Alves do Estadão/Broadcast, a economista-chefe da ARX Investimentos, Solange Srour, avalia a saída como “bem negativa a menos que surja um substituto fora do radar”.

Para Solange, Mansueto é visto pelo mercado como a única pessoa capaz de dizer não para o Ministro da Economia, Paulo Guedes, diante de demandas por afrouxamento fiscal.

“É a pessoa que mais entende das contas públicas no governo, tem pulso forte e fala abertamente com o mercado sobre nossa situação”, afirmou ao Estadão/Broadcast.

Entre as atribuições do Tesouro está gerir as contas públicas de forma eficiente e transparente, zelando pelo equilíbrio fiscal e pela qualidade do gasto público.

Mansueto no governo

Ele ingressou no governo como secretário de acompanhamento econômico do então ministro da Fazenda de Michel Temer, Henrique Meirelles.

Em abril de 2018, assumiu a secretaria do Tesouro, tendo aceitado se manter no governo de Jair Bolsonaro, com Guedes como ministro da Economia.