Déficit público pode chegar a R$ 500 bi em 2020, diz secretário

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, revelou, nesta terça-feira (7), que o Brasil pode fechar 2020 com déficit público de R$ 500 bilhões.

Em videoconferência conjunta organizada pelos jornais Valor Econômico e O Globo, Mansueto “culpou” a pandemia de coronavírus pelo estouro no orçamento.

“A piora fiscal é forte, mas é necessária neste ano, e vamos ter que aceitar isso de forma adulta”, alertou.

“O buraco fiscal no ano passado foi em torno de R$ 61 bilhões e, este ano, estamos caminhando tranquilamente para algo em torno de R$ 450, R$ 500 bilhões de buraco fiscal”, complementou o secretário do Tesouro.

Coronavoucher e ajuda aos municípios

Mansueto Almeida elogiou a postura do governo tanto em relação ao auxílio emergencial de R$ 600 aos trabalhadores informais, o popular coronavoucher, quanto em relação à liberação de recursos para Estados e municípios.

Na visão do secretário, todo o esforço é válido quando direcionado para proteger os mais vulneráveis em tempos difíceis como estes causados pelo coronavírus.

“É preciso proteger e dar renda a pessoas vulneráveis, pessoas que não estão podendo trabalhar neste momento e não por culpa delas”, disse Mansueto. “Se for preciso [adotar medidas emergenciais para] mais de três meses, a gente vai ter que sentar à mesa para ver o que fazer”.

Sobre o coronavoucher, Mansueto Almeida foi incisivo. E minimizou as críticas que o governo recebeu por “demorar” para fazer o pagamento.

“Todo mundo foi surpreendido pela velocidade desta crise que a gente está passando agora. Há um mês estávamos todos trabalhando, viajando, fazendo palestras sem saber que depois teríamos que ficar em casa. Outros países, além do Brasil, estão tendo dificuldades para executar as medidas aprovadas, devido à rapidez da crise”, concluiu.

Caixa vai abrir 30 milhões de Poupanças

A Caixa Econômica Federal disponibilizou, a partir desta terça-feira (7), um aplicativo, um site e um telefone para cadastro e consultas sobre o auxílio-emergencial, popularmente chamado de “coronavoucher”

O auxílio, que  é de R$ 600, mas poderá chegar a R$ 1.200 no caso de mães que são chefes de família, será pago por pelo menos três meses para aliviar a perda de renda por conta da pandemia de coronavírus.

Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, informou, em entrevista coletiva, que o Banco abrirá 30 milhões de Poupanças digitais para atender à demanda de quem hoje não está no sistema financeiro.

“Nós temos mais de 30 milhões de brasileiros sem acesso a nenhum tipo de conta. Normalmente, essas pessoas são aquelas que tomam dinheiro a 20% ao mês, 25% ao mês, no mínimo. Existe um componente de inclusão social muito relevante”, avaliou, ao GloboNews.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

De acordo com o presidente da Caixa, esse será um movimento estratégico e que marcará o futuro da instituição financeira.

“São milhões de brasileiros que, pela  primeira vez da vida deles passarão a ter uma conta de graça e para sempre porque a Caixa não vai fazer cobrança de absolutamente nenhuma dessas contas. Não será um movimento de três meses. É algo estratégico nosso, mais importante agora é criar esse banco de microcrédito”.

CBF divulga auxílio de R$ 19 milhões a clubes e federações por conta da pandemia de coronavírus

Caixa diz que 30 milhões de Poupanças serão criadas para acesso ao “coronavoucher”