Mandetta cobra “fala única” de Bolsonaro para não confundir população

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Agência Brasil

A turbulenta relação entre Luiz Henrique Mandetta e Jair Bolsonaro sobre a forma de evitar a propagação do coronavírus no Brasil ganhou um novo capítulo na noite de domingo.

Em entrevista para o Fantástico, da Rede Globo, o Ministro da Saúde não mencionou diretamente o nome do presidente da República, mas deixou claro seu recado.

Para Mandetta, o fato de ele defender o isolamento social, enquanto o presidente faz exatamente o contrário, certamente está mexendo com a cabeça da população sobre qual caminho seguir.

Conheça planilha que irá te ajudar em análises para escolha do melhor Fundo Imobiliário em 2021

“Eu espero que essa validação dos diferentes modelos de enfrentamento dessa situação possa ser comum e que a gente possa ter uma fala única. Isso leva para o brasileiro uma dubiedade. Ele não sabe se escuta o ministro da Saúde, o presidente”.

Mandetta voltou a repetir que entende o fato de o presidente da República estar preocupado com o desaquecimento da economia, mas frisou que foi ele, Bolsonaro, quem o colocou no cargo, e que sua principal missão como chefe da pasta da Saúde é olhar pela vida.

“Isso preocupa, porque a população olha e fala assim: ‘Será que o ministro da Saúde é contra o presidente’? Quem a gente tem de ter foco, esse aqui que é o nosso problema é o coronavírus. Ele é o principal inimigo. Se eu estou ministro da Saúde, por obra de nomeação do presidente. O presidente olha pro lado da economia. O Ministério da Saúde entende a economia, mas chama pelo lado de proteção à vida”.

Mandetta vê pico próximo; Bolsonaro diz que “vírus está indo embora”

No próprio domingo, antes da entrevista de Mandetta ao Fantástico, o mais novo ponto de desacordo no discurso entre o ministro e Bolsonaro ficou explícito.

Em uma live feita para religiosos, Bolsonaro voltou a minimizar a pandemia de coronavírus e afirmou que “a questão do vírus está começando a ir embora.

“É o que eu tenho dito desde o começo, há 40 dias. Temos dois problemas pela frente, o vírus e o desemprego. Quarenta dias depois, parece que está começando a ir embora a questão do vírus, mas está chegando e batendo forte a questão do desemprego”.

Mandetta, por sua vez, alertou que o pico da doença sequer chegou ainda a ser atingido no Brasil e que agora, mais do que nunca, o distanciamento social é necessário.

“No mês de maio, junho, teremos os dias muito duros. Dias em que seremos tachados. ‘Ah, vocês não fizeram o que tinham de fazer, deviam ser mais duros, menos duros, porque a economia está assim’. Sempre vai haver os engenheiros de obra pronta. Serão dois, três meses de muitos questionamentos das práticas”.

Em uma última cutucada direta a Bolsonaro, Mandetta criticou o fato de o presidente, em um dos recentes passeios, ter causado aglomerações e infringido a norma do Distrito Federal ao parar para comer e tomar um café na padaria.

“Quando você vê as pessoas entrando em padaria, supermercado, fazendo fila, piquenique isso é claramente uma coisa equivocada”, avaliou o ministro. “Tem muita gente que gosta da internet. Que vê que é fake news dizendo que é invenção de países para ganhar vantagem econômica ou vê complô mundial”, concluiu.

Bolsonaro coloca panos quentes em briga com Mandetta e volta a comparar coronavírus com “chuva”

Bolsonaro foca na economia e prega união em 5º pronunciamento durante o coronavírus