Rodrigo Maia classifica como “absurdo” pensões pagas a solteiras e cobra o STF

Daniele Andrade
Jornalista formada pela Universidade Positivo, pós-graduada em Mídias Digitais. Atualmente cursa bacharel em História. Gosta de produzir reportagens sobre política tanto nacional quanto internacional, economia e tecnologia.
1

Crédito: Reprodução / Agência Brasil

Após repercussão da notícia, de que o Congresso realiza o pagamento de pensões a filhas solteiras de ex-servidores e ex-parlamentares, Rodrigo Maia presidente da Câmara comentou o assunto. Maia relatou que achou um absurdo os casos revelados.

E que vai trabalhar para o Supremo Tribunal Federal (STF) possa mudar a interpretação da lei que garante o benefício. O qual gera para os cofres, o custo de R$ 30 milhões anualmente com as pensões.  

O caso classificado como absurdo por Maio, segundo o Terra, foi o da pesquisadora Helena Hirata filha de ex-deputado. A qual reside em Paris há 49 anos, mas por ser solteira recebe mensalmente R$ 16,881,50.  

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

As pensões foram descobertas devido a um auditoria do TCU de 2016, que mostrou as suspeitas de fraudes. Em que, 19 mil era pago a filhas solteiras dos ex-servidores. 

Em entrevista Rodrigo Maia, comentou sobre o caso,segundo o portal Terra: “Depois da interpretação do Tribunal de Contas da União, o STF deu infelizmente decisão garantindo o direito adquirido. Todos os casos como esses mostrados são absurdos. Vamos continuar investigando, tomando as decisões e trabalhando para que o STF mude sua interpretação e tenha interpretação real daquilo que é o correto, para que não tenhamos privilégios e desperdícios desnecessários”.

Muitas das solteiras reivindicaram ao Supremo Tribunal federal para que houvesse manutenção nas remunerações das pensões.  O ministro da Suprema Corte, Edson Fachin suspendeu o acordo com o TCU. E, determinou aplicação da lei original com máximo rigor.