Magazine Luiza (MGLU3) adia data de divulgação de balanços

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)
1

Crédito: Reprodução / Magazine Luiza

A Magazine Luiza (MGLU3) mudou a data da divulgação de balanços do quarto trimestre de 2020.

A Magalu havia programado a divulgação de seu desempenho trimestral para a próxima quarta (3), mas informou que o resultado sairá em 8 de março, após o fechamento da B3 (B3SA3).

A Vivara (VIVA3) soltará seus números no próximo dia 17 de março, após o fechamento da B3. O anúncio estava previsto para 25 de fevereiro.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a opções de investimentos de acordo com seu perfil. Invista em suas Escolhas

A empresa informou que a teleconferência será realizada em 18 de março, às 10 horas.

A 3R Petroleum (RRRP3) soltará seus resultados em 19 de março — com videoconferência feita no mesmo dia.

Veja o calendário completo de balanços desta semana

Magazine Luiza (MGLU3): previsão

A Magazine Luiza  vai apresentar crescimento de três dígitos no e-commerce, de acordo com previsão da Eleven.

O aumento será tanto no 1P quanto 3P. As lojas físicas mantêm bom desempenho com SSS positivo.

A margem Ebidta provavelmente vai seguir no nível de 5% a 6% por conta de investimentos feitos pela companhia.

Vivara (VIVA3) teve lucro 8,7% menor no 3º trimestre

A Vivara (VIVA3) registrou um lucro líquido de R$ 36,147 milhões no balanço do terceiro trimestre deste ano, desempenho 8,7% inferior ao do mesmo intervalo do ano passado.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 63,583 milhões (+0,4%), com margem de 26,2% (+0,1 p.p.).

De forma ajustada, o Ebitda somou R$ 49,594 milhões, retração de 7,4%, com margem de 20,4% (-1,9 p.p.).

A receita líquida somou R$ 242,626 milhões, alta de 1%, com lucro bruto 3,8% maior, levando a margem bruta a 69,8% (+2 p.p.).

As vendas no conceito mesmas lojas recuaram 3,9% no terceiro trimestre. No mesmo período do ano passado, haviam avançado 8,5%.

Leia mais do balanço do 3TRI aqui

3R Petroleum: perdas cambiais no 3TRI

A 3R Petroleum (RRRP3) registrou prejuízo líquido de R$ 50,3 milhões no terceiro trimestre de 2020. A companhia não divulgou os resultados do ano passado.

De acordo com a empresa, o resultado foi impactado principalmente pelas perdas cambiais.

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 56,1 milhões de julho a setembro de 2020.

As despesas gerais e administrativas somaram R$ 21,8 milhões no terceiro trimestre de 2020.

Ebitda

O lucro antes de juro, impostos, depreciação e amortização (Ebtida, na sigla em inglês) somou R$ 26,8 milhões no terceiro trimestre de 2020.

A margem Ebtida da 3R Petroleum atingiu 32,9% no terceiro trimestre de 2020.

Receita atinge R$ 81,7 mi

A receita líquida atingiu R$ 81,7 milhões no período. Já O lucro bruto atingiu R$ 34,7 milhões no terceiro trimestre deste ano.

A margem bruta da 3R Petroleum ficou em 42,5% no trimestre.

Investimentos e endividamento

A empresa investiu R$ 2,3 milhões no terceiro trimestre de 2020.

Os aportes foram destinados principalmente para aquisição de máquinas e equipamentos para as operações do Polo Macau.

A dívida líquida da 3R Petroleum encerrou o terceiro trimestre em R$ 528,3 milhões.

IPO

A 3R Petroleum estreou na bolsa de valores na última quinta-feira (12).A precificação do IPO ocorreu no dia 09, quando o valor da ação foi fixado em R$ 21,00. O valor, entretanto, ficou abaixo da faixa indicativa de preço, que ia de R$ 24,50 a R$ 31,50.

A companhia levantou R$ 690 milhões com a emissão de novas ações, recursos que serão usados para adquirir mais campos de petróleo da Petrobras (PETR4), pagar por aquisições já feitas e ampliar a posição de caixa no polo de Macau. A oferta primária da companhia foi coordenada pela XP Investimentos, BTG, Itaú BBA e Genial.