Magazine Luiza (MGLU3) e Via Varejo (VVAR3) estão entre os destaques da semana de balanços

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução / Magazine Luiza

A temporada de balanços segue movimentada nesta semana. De segunda-feira, 9 de novembro, a sexta-feira, 13 de novembro, serão 115 balanços divulgados e 87 teleconferências para explicações e análises dos números.

O portal Eu Quero Investir apresenta uma lista do que o investidor vai acompanhar nesses cinco dias – divulgação de balanços, se antes da abertura, antes do fechamento ou após o fechamento dos mercados, e os horários (sempre de Brasília) que acontecem as teleconferências.

Destaques para Magazine Luiza (MGLU3) logo na segunda-feira (9), mesmo dia da Yduqs (YDUQ3).

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

Na terça-feira (10), chegam os números do BTG Pactual (BPAC11), BR Distribuidora (BRDT3), Carrefour (CRFB3) e Embraer (EMBR3).

Quarta-feira (11) destacam-se JBS (JBSS3), Rumo (RAIL3) e Via Varejo (VVAR3).

A quinta-feira (12) é dia de ficar atento aos números da B3 (B3SA3), Natura (NTCO3) e Oi (OIBR3 OIBR4).

E na sexta-feira (13), o destaque é a Cosan (CSAN3).

Magazine Luiza (MGLU3) mais valiosa

A empresa, cuja ação se tornou a sexta mais valiosa do mercado esta semana, registrou um prejuízo de R$ 64,5 mi no segundo trimestre de 2020, revertendo lucro de R$ 386,6 milhões no mesmo período de 2019.

De acordo com a empresa, o resultado foi impactado principalmente pelo fechamento temporário das lojas físicas no trimestre.

Os números, apesar do prejuízo, foram bem recebidos pelo mercado.

O CEO do Magazine Luiza, Frederico Trajano, afirmou que o segundo trimestre do ano foi um dos mais desafiadores que a companhia já enfrentou.

O período registrou o impacto total do fechamento de lojas e desaquecimento do consumo em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Mas a empresa conseguiu reagir, sobretudo pelo desempenho da operação digital. “Foi épico, nossa equipe fez do limão uma limonada”, disse.

O terceiro trimestre, porém, promete números melhores, refletidos especialmente pelo comércio eletrônico.

Veja aqui o resultado da empresa no 3TRI

Yduqs (YDUQ3) tem recomendação de compra

Recentemente, o Banco do Brasil Investimentos (BBI) reiterou a recomendação de compra das ações da Yduqs (YDUQ3).

E elevou o preço-alvo de R$ 40 para R$ 46 ao final de 2021. O potencial de valorização da ação é de 73,3% em relação ao preço atual: R$ 24,52 (fechamento de sexta-feira, 6 de novembro).

A Yduqs deve se beneficiar das sinergias da integração da Adtalem, dona das marcas Ibmec, Damásio Educacional e Wyden.

Nos cálculos do BBI, podem ser gerados de R$ 170 milhões a R$ 200 milhões em sinergias.

Isto com otimização de custo docente, ensalamento, matrizes curriculares e de estrutura administrativa. E também com estratégias comerciais de introdução de modelo de pricing e cobrança.

Além de oportunidades de expansão de receita, com a ampliação do EAD. Até 80% dessas sinergias devem ser capturadas em 2021.

Além disso, no final de julho, a Yduqs concluiu também a aquisição do Grupo Athenas, com forte presença em cinco cidades nas regiões Norte e Centro-Oeste do país. E com mais de 9 mil alunos e um portfólio de mais de 60 cursos de graduação, técnico e pós-graduação.

Veja o resultado da empresa no 3TRI

BR Distribuidora (BRDT3) recebe dinheiro

Duas notícias importantes e recentes injetam dinheiro na BR Distribuidora.

Primeiramente, a empresa fechou contrato de venda de óleo diesel marítimo à Petrobras (PETR4) no total de R$ 83,5 mi.

Pelo documento, a BR é responsável pelo transporte do produto desde a origem até os endereços de destino: Baia de Guanabara (transbordo), no Rio, ou Porto de Açu, em São João da Barra, no norte fluminense.

Os valores praticados terão como referência o preço de venda às distribuidoras do Diesel Marítimo, vigentes e apresentados pela refinaria Duque de Caxias (RJ) na data do pedido de compra.

Pouco antes, em setembro,a empresa recebeu parcela de R$ 34,7 mi de dívida da Eletrobras (ELET6).

“Desde a assinatura do contrato, a companhia já recebeu total de R$ 4,56 bilhões”, afirmou a BR em comunicado.

Embraer (EMBR3) deve sofrer

No início do ano, estava em curso na Embraer (EMBR3) uma mega operação para dividir a empresa e concluir o processo de venda de seu setor de aeronaves comerciais para a americana Boeing, em um negócio que renderia à brasileira US$ 4,2 bilhões.

De lá para cá, porém, tudo degringolou.

Veio a pandemia e, em seguida, a negociação com a Boeing foi encerrada abruptamente. Com o fechamento de fronteiras e as medidas de isolamento social, a encomenda de aeronaves despencou.

Não bastasse, a Embraer, que depende de diversas peças importadas para montar seus aviões, encara a alta do dólar em um cenário de crise e instabilidade globais.

E tem ainda que lidar com calotes e cancelamentos de pedidos de companhias aéreas endividadas na crise.

Se no início do ano a perspectiva era bastante positiva, o segundo trimestre foi um balde de água fria nos planos da companhia.

O período coincide com a quebra do acordo com a Boeing e também com o pior período da pandemia no Brasil. Foi quando a empresa reportou um prejuízo líquido de R$ 1,68 bilhão, revertendo o lucro líquido de R$ 26,1 milhões do mesmo período do ano passado.

Entretanto, a Embraer entregou 28 jatos no terceiro trimestre de 2020, sendo sete comerciais e 21 executivos (19 leves e dois grandes).

Em 30 de setembro deste ano, a carteira de pedidos firmes a entregar totalizava US$ 15,1 bilhões.

No terceiro trimestre de 2020, a Embraer alcançou a marca de 250 jatos executivos em operação na América Latina.

Via Varejo (VVAR3) aposta em e-commerce

A Via Varejo, bem como a maioria dos varejistas, enfrentou problemas no auge da pandemia no Brasil.

Uma das saídas encontradas pelo setor foi reforçar o comércio eletrônico.

A Via Varejo adquiriu recentemente 100% das ações de emissão da I9XP Tecnologia.

Essa mais nova aquisição faz parte da estratégia de aceleração da transformação digital da companhia, desta vez focando na evolução de projetos especiais como marketplace e logística.

Carrefour (CRFB3) teve alta de 74,9% do lucro no 2TRI20

O Carrefour (CRFB3) reportou seus resultados do segundo trimestre de 2020 e informou que o lucro líquido atingiu R$ 713 milhões, um desempenho 74,9% superior ao registrado em igual período de 2019.

A empresa informou que o resultado reflete a alavancagem do negócio com o forte desempenho operacional.

O resultado financeiro líquido foi uma despesa de R$ 142 milhões, um aumento de 13,6%.

As despesas somaram R$ 2,006 bilhões no trimestre, um aumento de 5,2%.

BTG Pactual (BPAC11) registrou lucro de R$ 977 mi no 2TRI20

O BTG Pactual (BPAC11) registrou lucro líquido contábil de R$ 977,4 milhões no segundo trimestre de 2020, alta de 0,6% na comparação com o mesmo período do ano anterior e de 27% em relação ao trimestre passado.

Na base semestral, o BTG acumula um lucro de R$ 1,75 bilhões ante um lucro de R$ 1,65 bilhões sobre o mesmo período de 2019.

O lucro líquido ajustado somou R$ 987 milhões, queda de 4% sobre o segundo trimestre de 2019.

BTG Pactual (BPAC11) lança BTG+ e BTG+business

A receita total da companhia atingiu R$ 2,48 bilhões, um crescimento de 14% sobre o mesmo período de 2019, com R$ 2,18 bilhões. Em relação ao primeiro trimestre deste ano, a receita total avançou 63,6%.

Nos seis primeiros meses de 2020, o BTG registrou uma receita de R$ 4 bilhões, 9% acima do resultado do primeiro semestre de 2019.

“Apresentamos desempenho sólido na maioria das linhas de negócios, apesar da pandemia de Covid em curso, e continuamos a apresentar fortes resultados nas franquias de clientes”, informou a companhia.

BTG Pactual (BPAC11) supera R$ 500 bi na administração e gestão de ativos

Incorporadoras devem apresentar resultados fortes no 3T20

O BTG Pactual (BPAC11) apresentou seu relatório com a previsão dos resultados para o terceiro trimestre das empresas imobiliárias listadas no Brasil. São elas: Cyrela (CYRE3), MRV (MRVE3), EzTec (EZTC3), Direcional (DIRR3), Even (EVEN3), Helbor (HBOR3), Trisul (TRIS3), Mitre (MTRE3), Lavvi (LAVV3) e Lopes (LPSB3).

“No geral, esperamos um trimestre forte em todas as áreas, como já sinalizado pelos números operacionais divulgados pelas empresas”, abre o banco.

Os lançamentos consolidados cresceram 35% anualmente e as vendas líquidas aumentaram 42%, também na comparação anual.

Todas essas empresas divulgam seus balanços justamente nesta semana. Vale ficar de olho no calendário.

CCP (CCPR3): lucro subiu 34 vezes no 2TRI20

A Cyrela Comercial Properties – CCP (CCPR3) apresentou um lucro líquido de R$ 10,4 milhões no segundo trimestre de 2020, um crescimento de 3.305,3%, ou 34 vezes, em relação ao mesmo período de 2019.

As vendas nos shoppings centers em que a CCP participa atingiram R$ 90 milhões.

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 21,6 milhões, uma redução de 46,6%.

Os custos recorrentes de locação e serviços prestados foram de R$ 38,6 milhões, 3,1% inferior ao segundo trimestre de 2019.

A ocupação física do portfólio da CCP ficou em 90,2% no segundo trimestre de 2020.

Enquanto a ocupação financeira, calculada como a receita potencial auferida nas áreas ocupadas sobre a receita potencial do portfólio terminou o segundo trimestre de 2020 em 92,2%.

A taxa de ocupação física dos edifícios corporativos cresceu 7,5% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Locaweb (LWSA3): lucro líquido cresceu 147% no 2TRI

A Locaweb (LWSA3) registrou crescimento de 147,8% no lucro líquido do segundo trimestre de 2020 ao alcançar R$ 12 milhões no período.

No segundo trimestre de 2019 a companhia havia reportado R$ 4,8 milhões.

No comparativo semestral, a Locaweb marcou R$ 16,3 milhões no primeiro semestre de 2020 contra R$ 8,2 milhões do primeiro semestre de 2019, alta de 99,1%.

Marfrig (MRFG3): lucro subiu 18,3 vezes no balanço do 2TRI20

A Marfrig (MRFG3) reportou um lucro de R$ 1,6 bilhão referente aos resultados do segundo trimestre de 2020.

Os números representam um avanço de 18 vezes sobre os lucros de R$ 87 milhões no mesmo período de 2019.

“Excelência Operacional traduzida em melhor resultado histórico com lucro líquido de R$1,6 bilhão”, destacou a companhia.

Marfrig (MRFG3): exportação e câmbio turbinam operação

No trimestre anterior a Companhia havia registrado prejuízo de R$ 137 milhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 4,068 bilhões no período, um avanço de 266% na base anual. Na comparação com o trimestre anterior, a alta foi de 233%.

A margem Ebitda ajustado no trimestre atingiu 21,5%, alta de 1247 pbs sobre o segundo trimestre de 2019.

O resultado financeiro foi negativo em R$ 774 milhões, um aumento de 92% em comparação com segundo trimestre de 2019.

Marfrig (MRFG3) anuncia criação de joint venture com empresa dos EUA

Marfrig (MRFG3) anuncia compra de fábrica argentina por US$ 4,6 mi

B3 (B3SA3) teve lucro 36,3% maior no balanço do 2º trimestre

A B3 (B3SA3) registrou lucro líquido de R$ 892,388 milhões no segundo trimestre deste ano, no resultado atribuído aos acionistas.

Este resultado é 36,3% superior na comparação anual.

Excluindo a amortização de intangível relacionado à combinação com Cetip, o lucro líquido teria atingido R$ 1,012 bilhão, aumento de 28,9%.

Adicionalmente, se ajustado pelo benefício fiscal resultante da amortização do ágio relativo à incorporação da Cetip, o lucro líquido teria totalizado R$ 1,131 bilhão, alta de 25%.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) cresceu 42%, a R$ 1,419 bilhão, com margem de 74,4% (+4,06 p.p.).

A receita total foi de R$ 2,129 bilhões, um aumento de 34,8%.

Dessa expansão, o segmento listado somou R$ 1,512,0 milhões (71,0% do total), crescimento de 48,7%.

Em balcão, a receita totalizou R$ 262,8 milhões (12,3% do total), alta de 20,2%.

B3 (B3SA3): número de investidores ativos sobe 119,9% em agosto

OI OIBR4): plano de recuperação e alta em relação a 2019

A OI OIBR4), que solta seus resultados na quinta (12), reportou prejuízo de R$ 3,28 bilhões nos resultados referentes ao segundo trimestre deste ano.

Isso representou uma alta de 118% na comparação com o mesmo período do ano passado, com prejuízo de R$ 1,48 bilhão.

BTG Pactual (BPCA11) esteve com executivos da Oi (OIBR3 OIBR4) e concluiu que a execução do plano de recuperação da empresa, até aqui, é “impecável”.

“Nossa principal conclusão é que a administração está executando de maneira impecável o plano de recuperação estabelecido há alguns meses e aprovado na assembleia geral de credores realizada em meados de setembro”, diz o banco.

A Oi está em recuperação judicial, processo que começou em 2016, e é hoje uma empresa em reestruturação.

O plano é desmembrar o negócio em quatro partes e redirecionar o foco da companhia.

Em um plano de recuperação judicial aprovado recentemente pelos credores, a Oi definiu que venderá as partes da companhia que compreendem telefonia móvel, data centers e torres.

Ficará apenas com a parte do negócio de fibra ótica, que é o mais saudável. E, ainda assim, com uma parcela do negócio.

Isso porque uma fatia (que pode chegar a até 50%) deve entrar na venda, para ajudar a quitar sua dívida líquida, que ultrapassa R$ 26 bilhões.

Venda dos ativos da Oi

Primeiramente, torres e data centers serão leiloados no dia 26 de novembro, como definiu recentemente a Justiça. Ambos os ativos já receberam ofertas.

Serão oferecidas 637 torres da telefonia móvel e 222 estruturas em locais como shoppings, por exemplo. O valor é de R$ 1,067 bilhão. Os cinco data centers receberam uma oferta de R$ 325 milhões, R$ 250 milhões à vista e R$ 75 milhões a prazo.

Sobre a operação de telefonia móvel, a meta é fazer o leilão em meados de dezembro, mas ainda não há uma data definida. A Oi recebeu oferta de R$ 16,5 bilhões pelo negócio.

A venda da infraestrutura em fibra está no processo de due diligence, que está sendo realizado pelos potenciais licitantes e deverá terminar em novembro.

Oi (OIBR3 OIBR4) lança marketplace com 3 mil produtos e serviços de parceiros

Oi (OIBR3 OIBR4): credores aprovam aditamento a plano de recuperação

Natura (NTCO3):  prejuízo de R$ 392,1 mi no 2TRI20

A Natura (NTCO3) registrou um prejuízo de R$ 392,1 milhões no segundo trimestre de 2020, revertendo o lucro líquido de R$ 54,3 milhões no mesmo período do ano passado.

De acordo com a empresa, o resultado foi impactado principalmente pelo Ebtida mais fraco e maior depreciação de R$ 156,0 milhões, parcialmente compensadas pela despesa menor com imposto de renda de R$ 57,0 milhões.

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 268,5 milhões, uma redução de 17,6%.

Conforme a Natura, o resultado foi impactado pela queda do CDI, compensando as despesas mais altas com juros.

Natura (NTCO3) lança plataforma de serviços financeiros

Natura (NTCO3) levanta R$ 5,614 bilhões em oferta de ações

BR Malls (BRML3): prejuízo de R$ 619,69 milhões no 2TRI20

A BR Malls registrou prejuízo de R$ 619,69 milhões no segundo trimestre de 2020, revertendo lucro de R$ 425,35 milhões no mesmo período do ano passado.

Levando em conta resultados ajustados, a empresa registrou lucro líquido de R$ 10,246 milhões, queda de 93,1%.

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) foi negativo em R$ 846,33 milhões, contra um valor positivo de R$ 717,52 milhões.

BR Malls (BRML3) e Ancar desistem de associação

Even (EVEN3) registrou lucro líquido de R$ 26,820 mi no 2TRI20

A Even (EVEN3) registrou lucro líquido de R$ 26,820 milhões no segundo trimestre de 2020, valor superior aos R$ 22,047 milhões  alcançados em igual período do ano passado.

Na comparação trimestral o indicador caiu 26%, visto que o lucro líquido no primeiro trimestre deste ano foi de R$ 36,580 milhões.

Já o Ebitda ajustado (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) recuou 36% no segundo trimestre de 2020, por conta dos R$ 57,792 milhões no período contra os R$ 84,901 milhões de 2019.

Melnick (MELK3): saiba mais sobre a subsidiária da Even que fará IPO

Melnick Even (MELK3) estreia na bolsa com queda de 1,76%

Calendário de balanços da semana

9 de novembro (segunda-feira)

Balanços

Ânima (ANIM3) – antes da abertura
BRF (BRFS3) – após o fechamento
Direcional (DIRR3) – após o fechamento
Itausa (ITSA3) – após o fechamento (a empresa não faz teleconferência)
Linx (LINX3) – após o fechamento
Lojas Marisa (AMAR3) – após o fechamento
Magazine Luiza (MGLU3) – antes do fechamento
Ouro Fino (OFSA3) – após o fechamento
Positivo (POSI3) – após o fechamento
São Martinho (SMTO3) – após o fechamento
Vulcabras (VULC3) – após o fechamento
Yduqs (YDUQ3) – após o fechamento

Teleconferências

Ânima (ANIM3) – 09:00h
Biomm (BIOM3) – 15:00h (balanço divulgado na sexta-feira, 6)
M. Dias Branco (MDIA3) – 11:00h (balanço divulgado na sexta-feira, 6)
SLC Agrícola (SLCE3) – 10:00h (balanço divulgado na sexta-feira, 6)
Tegma (TGMA3) – 15:00h (balanço divulgado na sexta-feira, 6)

10 de novembro (terça-feira)

Balanços

– Banrisul (BRSR6) – após o fechamento

– BR Distribuidora (BRDT3) – após o fechamento
BTG Pactual (BPAC11) – antes da abertura
Carrefour (CRFB3) – após o fechamento
Embraer (EMBR3) – antes do fechamento
Estapar (ALPK3) – após o fechamento
Eternit (ETER3) – após o fechamento
Log-In (LOGN3) – após o fechamento
Mitre (MTRE3) – após o fechamento
Santos Brasil (STBP3) – após o fechamento
Sequoia (SEQL3) – após o fechamento
Sinqia (SQIA3)

Teleconferências

BRF (BRFS3) – 10:00h
BTG Pactual (BPAC11) – 11:00h
Direcional (DIRR3) – 10:00h
Embraer (EMBR3) – 11:00h
Linx (LINX3) – 11:00h
Lojas Marisa (AMAR3) – 14:00h
Magazine Luiza (MGLU3) – 11:00h
Ouro Fino (OFSA3) – 15:00h
Positivo (POSI3) – 10:30h
São Martinho (SMTO3) – 15:00h
Vulcabras (VULC3) – 10:00h
Yduqs (YDUQ3) – 10:00h

11 de novembro (quarta-feira)

Balanços

Aliansce Sonae (ALSO3) – após o fechamento
Ambipar (AMBP3) – após o fechamento
Banco Pine (PINE4) – após o fechamento
CCP (CCPR3) – após o fechamento
CCR (CCRO3) – após o fechamento
Enauta (ENAT3) – após o fechamento
Eucatex (EUCA4) – após o fechamento
Fras-le (FRAS3)
Helbor (HBSA3) – após o fechamento
JBS (JBSS3) – após o fechamento
JSL (JSLG11) – após o fechamento
Locaweb (LWSA3) – após o fechamento
Lojas Quero-Quero (LJQQ3) – após o fechamento
Lopes (LPSB3) – após o fechamento
Mahle Metal Leve (LEVE3) – após o fechamento
Marfrig (MRFG3) – após o fechamento
MRV (MRVE3) – após o fechamento
Rossi (RSID3) – após o fechamento
Rumo (RAIL3) – após o fechamento
Taesa (TAEE11) – após o fechamento
Time For Fun (SHOW3) – após o fechamento
Unipar (UNIP3 UNIP6) – após o fechamento
Via Varejo (VVAR3) – após o fechamento

Teleconferências

BR Distribuidora (BRDT3) – 12:00h
Carrefour (CRFB3) – 10:00h
Eternit (ETER3) – 15:00h
Log-In (LOGN3) – 14:00h
Mitre (MTRE3) – 11:00h
Santos Brasil (STBP3) – 11:00h
Sequoia (SEQL3) – 11:00h
Sinqia (SQIA3) – 14:00h

– Banrisul (BRSR6) – às 10h

12 de novembro (quinta-feira)

Balanços

Alliar (AALR3) – após o fechamento
B3 (B3SA3) – após o fechamento
Banco Indusval (IDVL3 IDVL4) – após o fechamento (não informou data de teleconferência)
Banco Inter (BIDI11) – após o fechamento
BR Malls (BRML3) – após o fechamento
Bradespar (BRAP4) (não informou data de teleconferência)
C&A (CEAB3) – após o fechamento
Centauro (CNTO3) – após o fechamento
Copel (CPLE3 CPLE5 CPLE6) – após o fechamento
CPFL Energia (CPFE3) – após o fechamento
CPFL Renováveis (CPRE3) (não informou data de teleconferência)
CR2 (CRDE3)
CSU CardSystem (CARD3)
Cury (CURY3) – após o fechamento
CVC (CVCB3) (teleconferência: 17 de novembro, terça-feira, horário não divulgado)
Cyrela (CYRE3) – após o fechamento
Even (EVEN3) – após o fechamento
EzTec (EZTC3) – após o fechamento
Ferbasa (FESA4) – após o fechamento (não informou data de teleconferência)
Gafisa (GFSA3) – após o fechamento
Grupo Soma (SOMA3) – após o fechamento
Lavvi (LAVV3) – antes do fechamento
Light (LIGT3)
Lupatech (LUPA3) (não informou data de teleconferência)
Metalfrio (FRIO3) (teleconferência: 16 de novembro, segunda-feira, horário não divulgado)
Mills (MILS3) – após o fechamento
Moura Dubeux (MDNE3) – após o fechamento
Natura (NTCO3) – após o fechamento
Oi (OIBR3 OIBR4) – após o fechamento
Panvel/Dimed (PNVL3) – antes da abertura (não informou data de teleconferência)
Plano & Plano (PLPL3) – após o fechamento
Randon (RAPT4) – após o fechamento
RNI (RDNI3) – após o fechamento
Sabesp (SBSP3) (teleconferência: 17 de novembro, terça-feira, horário não divulgado)
Saraiva (SLDE3 SLED4) (não informou data de teleconferência)
Simpar (SIMH3) – após o fechamento
Springs (SGPS3) – após o fechamento
Sul-América (SULA11) – após o fechamento
Terra Santa (TESA3) – após o fechamento
Trisul (TRIS3) – após o fechamento
Unicasa (UCAS3) – após o fechamento
Vivara (VIVA3) – após o fechamento

Teleconferências

Aliansce Sonae (ALSO3) – 11:00h
Ambipar (AMBP3) – 10:00h
Banco Pine (PINE4) – 10:00h
Banrisul (BRSR6) – 10:00h
CCP (CCPR3) – 10:00h
CCR (CCRO3) – 11:00h
Enauta (ENAT3) – 12:00h
Eucatex (EUCA4) – 15:00h
Estapar (ALPK3) – 11:00h
Fras-le (FRAS3) – 10:00h
Helbor (HBSA3) – 15:00h
JBS (JBSS3) – 09:00h
JSL (JSLG11) – 11:00h
Lojas Quero-Quero (LJQQ3) – 09:00h
Lopes (LPSB3) – 12:00h
Mahle Metal Leve (LEVE3) – 12:00h
Marfrig (MRFG3) – 10:00h
MRV (MRVE3) – 10:00h
Rossi (RSID3) – horário não informado
Rumo (RAIL3) – 14:00h
Taesa (TAEE11) – 11:00h
Time For Fun (SHOW3) – 10:00h
Unipar (UNIP3 UNIP6) – 14:00h
Via Varejo (VVAR3) – 14:00h

13 de novembro (sexta-feira)

Balanços

Aço Altona (EALT3) (não informou data de teleconferência)
Bahema (BAHI3) (não informou data de teleconferência)
Boa Vista (BOAS3) – após o fechamento (teleconferência: 16 de novembro, segunda-feira, 11:30h)
Brasil Brokers (BBRK3) – após o fechamento (teleconferência: 16 de novembro, segunda-feira, horário não informado)
CEEE-D (CEED3) (não informou data de teleconferência)
CEEE-GT (EEEL3) (não informou data de teleconferência)
Celesc (CLSC3 CLSC4) (não informou data de teleconferência)
Cemig (CMIG4) (não informou data de teleconferência)
Cogna (COGN3) – antes da abertura
Cosan (CSAN3) – após o fechamento (teleconferência: 16 de novembro, segunda-feira, 11:00h)
Equatorial (EQTL3) – após o fechamento (teleconferência: 16 de novembro, segunda-feira, 11:00h)
Heringer (FHER3) (teleconferência: 16 de novembro, segunda-feira, horário não informado)
General Shopping (GSHP3) (não informou data de teleconferência)
Hidrovias do Brasil (HBSA3) – antes da abertura
Melnick (MELK3) – antes do fechamento
MMX (MMXM11) (teleconferência: 19 de novembro, quinta-feira, horário não informado)
Nutriplant (NUTR3) (não informou data de teleconferência)
OSX Brasil (OSXB3) (não informou data de teleconferência)
PDG (PDGR3) – após o fechamento (teleconferência: 16 de novembro, segunda-feira, 11:00h)
Pomifrutas (FRTA3) (teleconferência: 20 de novembro, sexta-feira, horário não informado)
Portobello (PTBL3) – após o fechamento (teleconferência: 17 de novembro, terça-feira, 14:00h)
Priner (PRNR3) (não informou data de teleconferência)
Renova (RNEW11) (não informou data de teleconferência)
Restoque (LLIS3) – antes da abertura (teleconferência: 16 de novembro, segunda-feira, 10:00h)
Ser Educacional (SEER3) – antes da abertura
Viver (VIVR3) – após o fechamento (teleconferência: 16 de novembro, segunda-feira, 11:00h)

Teleconferências

Alliar (AALR3) – 12:30h
B3 (B3SA3) – 11:00h
Banco Inter (BIDI11) – 11:00h
BR Malls (BRML3) – 11:00h
C&A (CEAB3) – 11:00h
Centauro (CNTO3) – 09:00h
Cogna (COGN3) – 13:00h
Copel (CPLE6) – 10:00h
CPFL Energia (CPFE3) – 11:00h
CR2 (CRDE3) – 16:00h
CSU CardSystem (CARD3) – horário não informado
Cury (CURY3) – 09:00h
Cyrela (CYRE3) – 11:00h
Even (EVEN3) – 16:00h
EzTec (EZTC3) – 10:00h
Gafisa (GFSA3) – 11:00h
Grupo Soma (SOMA3) – 13:00h
Hidrovias do Brasil (HBSA3) 14:00h
Lavvi (LAVV3) – horário não informado
Light (LIGT3) – horário não informado
Locaweb (LWSA3) – 15:00h
Melnick (MELK3) – 14:00h
Metalfrio (FRIO3) – horário não informado
Mills (MILS3) – 14:00h
Moura Dubeux (MDNE3) – 10:30h
Natura (NTCO3) – 10:00h
Oi (OIBR3 OIBR4) – 11:00h
Plano & Plano (PLPL3) – 15:30h
Randon (RAPT4) – 11:00h
RNI (RDNI3) – 15:30h
Ser Educacional (SEER3) – 11:30h
Simpar (SIMH3) – 11:00h
Springs (SGPS3) – 11:00h
Sul-América (SULA11) – 10:00h
Terra Santa (TESA3) – 11:00h
Trisul (TRIS3) – 14:30h
Unicasa (UCAS3) – 14:00h
Vivara (VIVA3) – 10:00h