Magazine Luiza (MGLU3) prevê fechar mais lojas por conta da pandemia em 2021

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Reprodução/Magazine Luiza

Hoje com quase metade das lojas no país fechadas por conta da pandemia, a Magazine Luiza (MGLU3) ter ainda mais unidades fechadas nos próximos meses. Essa é a previsão de Frederico Trajano, presidente do Magazine Luiza.

Em entrevista ao Estadão, o executivo afirmou que, por mais que haja protestos e afete a economia, as únicas saídas para a pandemia são isolamento social e vacinação.

A Magazine Luiza se destacou durante a pandemia por apostar pesado no e-commerce. Hoje com 600 das 1,3 mil lojas fechadas, a digitalização deve continuar sendo a tendência forte para as empresas em 2021 e para os próximos anos, diz Frederico.

“As empresas que não tiverem uma agenda digital muito forte vão sofrer, porque a digitalização é uma forma de atenuar os impactos das restrições (lockdown). Mas vejo uma enorme oportunidade de digitalização do varejo em vários segmentos, moda, beleza, alimentos, restaurantes, setor financeiro, por exemplo”, afirma ele.

Oportunidades no e-commerce

Frederico afirma que há “bolsões de oportunidades” em meio à crise, especialmente no que tange à digitalização. “A minha forma de raciocinar é enxergar as oportunidades, enxergar o copo meio cheio. Não consigo extrair muito valor lamentando as coisas que não funcionam no país”, destaca ele.

Frederico acredita que o Brasil ainda tem muito a crescer no e-commerce.

Ele cita a China, que há 10 anos a participação do e-commerce no varejo era de apenas 1% e hoje está em 30%. Enquanto que, no Brasil, há alguns anos esse índice era de 5% e hoje está em 10%.

“Aumentou muito com investimentos de empresas como Magalu e outros players do comércio eletrônico que apostaram em logística, meios de pagamentos, em canais digitais para tentar atender a demanda da população que está em casa. Isso depende também da capacidade do empresário de investir e inovar”, afirma ele.

Frederico ressalta que, se o governo controlar os gastos e prolongar os juros baixos, o varejo sairá fortalecido no pós-pandemia.

“Se os governos forem bem sucedidos no controle da pandemia, vejo um potencial enorme que está para ser destravado”, pontua o presidente da Magazine Luiza.

Vacinação em massa é a saída, diz Frederico

Frederico Trajano disse ainda ao Estadão que o Brasil não decola por incompetência no controle da pandemia.

Ele não enxerga uma saída para a retomada consistente da atividade econômica no Brasil sem vacinação em massa. “O erro na questão sanitária foi grave”, diz o executivo.

“O país não é o único com dificuldade de controlar a crise sanitária, mas, na minha opinião, está sendo um dos piores. A gente se planejou muito mal para a vacina, o nosso sistema de saúde está sobrecarregado. Poderíamos estar numa posição muito melhor. O erro na questão sanitária foi grave. Sem o controle da pandemia é impossível recuperar a economia”, afirma o presidente da Magazine Luiza.

Por fim, segundo ele, a troca do presidente da Petrobras também minou a confiança dos investidores, em meio à crise sanitária e econômica.

“No mercado financeiro, seja no mercado de capitais, seja no mercado mais abrangente, transmitir confiança numa agenda é superimportante”, destaca.