Magalu (MGLU3) e Amazon (AMZO34) apostam no segmento de instrumentos musicais

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Reprodução/Magazine Luiza

A venda de instrumentos musicais deu um salto na pandemia. E as grandes varejistas, como Magazine Luiza (MGLU3) e Amazon (AMZO34), estão de olho nesta nova demanda.

No mês passado, a Amazon lançou sua loja para o segmento no Brasil. Agora, o Mazine Luiza está criando uma plataforma em parceria com o Deezer, serviço de streaming de áudio, diz o jornal O Globo.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

“A pandemia acelerou tendências que já existiam. Uma delas é a de ser “fígital”, porque não é mais possível definir limites entre o físico e o digital. A outra é que as marcas devem atuar cada vez mais como plataformas de conteúdo, usadas para criar proximidade e diálogo com o publico. A partir daí, as vendas acontecem dentro de um contexto, não pela exposição em uma mera vitrine”, disse Bianca Dramali, professora de pesquisa e comportamento do consumidor da ESPM.

No ano passado, as vendas de equipamentos de streaming, livros, games e instrumentos musicais cresceram 40,04% em faturamento, de acordo com pesquisa do Itaú sobre as mudanças que a Covid-19 trouxe aos hábitos de consumo no Brasil.

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

O levantamento considera compras realizadas com cartões de crédito e débito do banco, além de transações feitas por sua empresa de meios de pagamento, a Rede.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

A americana Fender, por exemplo, uma das maiores fabricantes de instrumentos musicais do mundo, anunciou em setembro do ano passado que seria o melhor ano em vendas da história da marca.

As estratégias de Magalu e Amazon

Em 2020, o Magalu trabalhou captando vendedores de instrumentos musicais para seu marketplace. Agora, quer impulsionar o crescimento da rede de mais de mil vendedores, oferecendo mais de 110 mil produtos, explica Rafael Montalvão, diretor de marketing e-commerce da varejista.

“O Decifrei é um projeto iniciado no início de 2020, portanto antes da pandemia. Ele não está dentro do super app do Magalu. É um novo formato de mídia de publicidade, que vai gerar tráfego para o Magalu numa categoria em que temos pouco know-how e presença de mercado, inserindo a experiência de compra. Com isso, já prevemos aumento na venda de instrumentos musicais”.

A plataforma Decifrei funciona dentro do Deezer. Ela usa a própria música para impulsionar a venda de instrumentos. Foi desenvolvida ao longo de um ano, sempre discutida entre os parceiros. Na prática, traz um conjunto de playlists organizadas por temas ou gêneros, como rock, Anos 90 e outras.

Já a Amazon colocou no ar sua loja de instrumentos musical no Brasil, com uma seleção de mais de 60 mil itens, incluindo artigos de marcas como Fender, Yamaha e Shure. Com o início da operação, optou por oferecer descontos de até 20% para atrair o consumidor brasileiro.

Montalvão conta que, se o novo formato for bem-sucedido, poderá ser adaptado e replicado em outros segmentos.

“Se funcionar em receita e performance, abre um leque para estudar outras categorias em que isso pode ser feito”, pontua ele.

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.