Mãe de ex-goleiro do Corinthians morre vítima do coronavírus

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/Twitter

Gladys Muñoz Pacheco, de 79 anos, mãe de Johnny Herrera, ex-goleiro do Corinthians, morreu no início desta semana no Chile, vítima do coronavírus.

Internada desde o último sábado, 28 de março, Gladys não resistiu, acabou apresentando complicações respiratórias e morreu na terça-feira.

Adeus quase solitário

A morte da mãe do ex-jogador do Corinthians, que defende o gol da Universidad de Chile há dez anos, comoveu o país.

O velório de Gladys ocorreu praticamente sem a presença de pessoas, seguindo os protocolos passados pela Organização Mundial de Saúde.

Johnny Herrera atendeu ao pedido da mãe e a levou para ser enterrada em Angol, sua cidade natal.

Capa da revista “La Quarta”, uma das mais populares do país, Herrera agradeceu o carinho recebido.

“Fico feliz pelo reconhecimento e pelo carinho de todos. Obrigado por me acompanharem”, postou, emocionado.

Passagem relâmpago

Ídolo na Universidad de Chile, Johnny Herrera passou de forma meteórica pelo Corinthians. O goleiro defendeu o time do Parque São Jorge em 2006, mas atuou em apenas nove partidas.

Em Santiago, o “Samurai Azul”, como é chamado, é titular incontestável.

Uma das melhores marcas de sua carreira foi alcançada nos Jogos Olímpicos de Sydney, na Austrália, em 2000, ocasião na qual ajudou sua seleção a ficar com a medalha de bronze no futebol.

Coronavírus no Chile

O Chile vive um drama com o aumento de casos registrados da Covid-19 desde o início da pandemia na China.

Segundo dados da John Hopkins University, até o último sábado o país já tinha declarados 4.161 infectados e 27 óbitos, incluindo a mãe do ex-goleiro do Corinthians.

Coronavírus no mundo: Estados Unidos passam de 300 mil infectados

Mercado da música já perdeu R$ 500 milhões com coronavírus