Luiza Trajano está entre as 100 pessoas mais influentes da Time; conheça sua história

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Foto: Lailson Santos / Divulgação

Em suas palestras sobre empreendedorismo, Luiza Helena Trajano costuma distribuir entre os participantes um panfleto com a frase que virou seu lema: “Primeiro faça o necessário, depois faça o possível e, de repente, você vai perceber que pode fazer o impossível”. 

Prestes a completar 70 anos, em outubro, essa paulista de Franca é inspiração para empreendedores do País inteiro. Especialmente para as mulheres. E ganhou ainda mais notoriedade ao ser considerada uma das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista Time, em divulgação nesta quarta-feira (15).

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Foi sob seu comando que a pequena loja fundada por sua tia no interior de São Paulo virou uma varejista com presença nacional.

Durante a pandemia do coronavírus, o Magazine Luiza (MGLU3) se destacou ainda mais. Isso porque sua operação de e-commerce, que já vinha muito bem, decolou. Hoje, metade das vendas vêm do online.

Como consequência, os papeis da companhia se valorizaram na bolsa de valores.

Com a alta das ações, a empresária viu sua fortuna aumentar para US$ 4,3 bilhões. Com esse patrimônio, Luiza Trajano é, no momento, a mulher mais rica do Brasil.

“A Bolsa é assim né, a gente nem olha esse dinheiro. Esses dias me perguntaram e eu falei: “É papel, gente”. Hoje eu tenho muito, daqui a pouquinho ela cai, depois ela sobe de novo”, disse recentemente à Trip FM. 

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3

Magazine Luiza

Magazine Luiza (MGLU3) vale R$ 129,4 bilhões na B3 Foto: Divulgação

Além de empresária bem-sucedida, Luiza é engajada em causas sociais. Ela lidera o grupo Mulheres do Brasil, criado em 2012 por 50 mulheres de destaque em diversos segmentos da economia. O movimento tem o objetivo de reduzir a desigualdade de gênero e melhorar o País.

O início do sonho

Luiza Trajano costuma contar que veio de uma família de mulheres fortes. Entre elas, está sua tia, também Luiza, que em 1957 comprou uma pequena loja de presentes chamada A Cristaleira.

Nesta época, a sobrinha, que mais tarde assumiria o comando do negócio, tinha apenas 6 anos.

O sonho da tia, conta Luiza, era ter uma empresa que pudesse empregar os membros da família. Mas o negócio foi além, com uma dona que sabia vender e entendia de marketing.

Para se ter uma ideia, a Luiza tia chegou a fazer um concurso na rádio da cidade para mudar o nome da loja. O povo escolheu Magazine Luiza.

Primeira loja Magazine Luiza, no interior de SP Foto: Divulgação

Luiza Trajano, a sobrinha, começou a trabalhar na empresa da família quando tinha 12 anos, durante as férias escolares.

Só aos 18 anos começou a trabalhar com vendedora. Enquanto estudava Direito, foi promovida a gerente, encarregada, superintendente até que, em 1991, aos 40 anos, assumiu o comando da rede.

Desde 1974, o Magazine Luiza já atuava como loja de departamentos. Nessa época, já tinha filiais em cidades do interior, como Barretos e Igarapava.

A 1ª loja virtual do Brasil

Assim que assumiu a gestão, Luiza Trajano decidiu informatizar as lojas para agilizar os processos de estocagem e distribuição.

Oito anos mais tarde, em 1999, criou a 1ª loja virtual do Brasil e iniciou a caminhada para se tornar o que é hoje – um dos principais representantes do e-commerce brasileiro, País, com mais de 5 mil produtos em seu catálogo.

“Quando a gente tem uma boa ideia na cabeça, é preciso acreditar que vai dar certo. A confiança e a criatividade caminham juntas”, comentou, em entrevista para o site Empresas e Cooperativas.

Outro mantra da empresária que ajuda a entender os rumos da companhia é  o seguinte: “Existem duas coisas comuns às empresas que dão certo: atendimento e inovação. Você precisa ter um atendimento ao cliente de primeira. E também estar atento ao que há de novo no mercado, para não ficar para trás”.

E foi justamente a inovação que ajudou o Magazine Luiza a galgar os degraus do varejo brasileiro até brigar, de igual para igual, com gigantes como Casas Bahia e Ponto Frio e Amazon.

Hoje, Luiza Trajano preside o conselho de administração da companhia, comandada por seu filho Frederico Trajano desde 2015.

Rainha do marketing

Luiza Trajano diz que o marketing é algo que está no sangue da família. E ela é um belo exemplar disso.

Ficaram conhecidas as promoções “malucas” da companhia. Entre elas destaca-se a promoção “Só Amanhã”, que seleciona diversos produtos com valores convidativos para os clientes, mas com preços válidos somente por um dia.

Outra jogada de mestre da empresária é a “Liquidação Fantástica”, saldão realizado anualmente, em janeiro, que oferece aos clientes produtos com até 70% de desconto, mas com uma condição: Eles só podem comprar o que puderem carregar.

Essa promoção ganhou proporções nacionais e, até hoje, faz a clientela passar a noite na fila, faça frio ou faça sol.

Magazine Luiza inova em plena pandemia

A veia de inovação do Magazine Luiza também brilhou neste ano, durante a pandemia de coronavírus.

A empresa criou, no fim de março, uma plataforma digital de vendas para auxiliar micro e pequenos varejistas, além de profissionais autônomos, a manterem seus negócios ativos durante a crise da Covid-19.

A iniciativa incluiu duas plataformas, uma para lojistas e outra para pessoas físicas, para que os produtos possam ser oferecidos no site, no app e até nas lojas físicas do Magalu.

As entregas das encomendas são feitas por meio dos Correios e sem custos para os lojistas, que pagam uma taxa de 3,99% ao Magazine Luiza por cada venda concretizada.

A empresária e seu filho também assumiram o compromisso de não demitir durante a pandemia.

Uma das 100 mais da Time

Em setembro de 2021, ganhou o título de uma das 100 pessoas mais influentes do mundo. Ela aparece na revista dentro da categoria Titãs, que inclui também a ginasta americana Simone Biles, a autora Shonda Rimes, o jogador de futebol americano Tom Brady e o presidente da Apple, Tim Cook.