Lucro de quase R$ 17 bilhões no trimestre para os grandes bancos brasileiros

A retomada de crédito e o número menor de calotes é a matemática perfeita para o lucro dos grandes bancos brasileiros. Juntos, Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander devem alcançar um lucro de R$ 16,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano. Se compararmos com o igual período de 2017, o crescimento é de 8,5%.

Patrícia Auth
Patrícia Auth é jornalista formada pela Univali de Itajaí/SC. Trabalhou em impressos, como o Jornal de Santa Catarina, e também, como repórter na Rede Record e RBS TV. É casada, mãe da Lívia e adoradora de boa música e gastronomia.Na equipe EuQueroInvestir, é responsável pela produção de vídeos, e também escreve e edita artigos para o site.Entre em contato com a Patrícia pelo e-mail: patricia.auth@euqueroinvestir.com
img-capa

Foto: img-capa

O número é expressivo, reconhecemos, mas o crescimento será pequeno em comparação aos últimos trimestres. Isso porque a queda da taxa básica de juros, a Selic, soa como grande pressão para os bancos.

[banner id=”teste-perfil”]

As instituições financeiras do Brasil continuam resistentes em baixar os spreads, que é diferença entre as taxas de captação de recursos e a dos juros dos empréstimos. Porém, a baixa da Selic tende a se fazer notar com a renovação das operações de crédito. Os analistas acreditam que o impacto seja menor com uma nova formação dos financiamentos. Os bancos estão priorizando linhas de pessoas físicas, justamente porque possuem spreads maiores.

Inadimplência menor = lucro

Para analistas no mercado financeiro, o resultado dos bancos tem ligação direta com a melhora da inadimplência. Por exemplo, o Banco do Brasil e o Santander devem ter o menor número de calotes no trimestre, o que na matemática perfeita, tem como resultado final, o lucro.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Em resumo: a expectativa para o desempenho dos bancos em 2018 – como um todo – foi revista para cima: de 4,1% para 4,5%. Mesmo que os spreads menores sejam um fator de pressão, a baixa nas despesas com provisão tendem a ajudar nos resultados, acreditam os analistas.