Bradesco (BBDC4) puxa lucro 35,2% maior dos bancos no 1º trimestre

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Arte / EQI

Os resultados dos balanços do primeiro trimestre de 2021 foram, de forma geral, positivos para os maiores bancos do país.

De forma consolidada, Itaú (ITUB4), Bradesco (BBDC4), Banco do Brasil (BBAS3) e Santander (SANB11) lucraram R$ 18,6 bilhões, aumento de 35,2% frente mesmo período de 2020, segundo a Economatica.

Na liderança, entre os maiores ganhos, esteve o Bradesco, com lucro 81,9% maior. Na sequência, vem Itaú, com alta de 59,2%. Já o Banco do Brasil registrou avanço de 31,9% da útima linha do balanço, enquanto o Santander apresentou recuo de 25,4%.

Tome decisões assertivas com base em balanços e dados de mercado. Baixe agora a Planilha de Ativos de empresas listadas na Bolsa.

No último trimestre de 2020, os bancos já haviam registrado alta do lucro líquido, após dois trimestres sendo fortemente impactados pela pandemia de Covid-19.

Destaques do lucro líquido

Confira o comparativo do lucro líquido dos quatro bancos.

  • Bradesco 1TRI20: R$ 3,382 bilhões
  • Bradesco 1TRI21: R$ 6,153 bilhões

Confira o balanço de Bradesco (BBDC4)

Aprenda hoje a investir em Small Caps e encontre as oportunidades escondidas na Bolsa.

  • Itaú 1TRI20: R$ 3,401 bilhões
  • Itaú 1TRI21: R$ 5,414 bilhões

Confira o balanço de Itaú (ITUB4)

  • Banco do Brasil 1TRI20: R$ 3,205 bilhões
  • Banco do Brasil 1TRI21: R$ 4,226 bilhões

Confira o balanço de Banco do Brasil (BBAS3)

  • Santander 1TRI20: R$ 3,774 bilhões
  • Santander 1TRI21: R$ 2,816 bilhões

Confira o balanço de Santander (SANB11)

Receitas caem 1,2% no 1TRI21

Somadas, as receitas dos quatro bancos tiveram uma queda de 1,2% no 1TRI21.

Juntos, os quatro bancos somaram R$ 29,38 bilhões em receita líquido no 1TRI21 contra R$ 29,75 no mesmo período de 2020.

A receita de prestação de serviços do Itaú atingiu R$ 9,6 bilhões no balanço do 1TRI21, uma elevação de 0,5% na comparação anual.

A receita de prestação de serviços e tarifas do Santander atingiu R$ 4,852 bilhões no 1TRI21, alta de 8,2% na comparação anual.

Já o Banco do Brasil reportou no 1TRI21 uma receita de R$ 6,878 bilhões, queda de 2,7% na comparação com os primeiros meses de 2020.

A receita de prestação de serviços do Bradesco também caiu no 1TRI21. Somou R$ 8,067 bilhões no período, uma redução de 2,6% na comparação anual.

Veja o comparativo das receitas dos quatro bancos:

  • Bradesco 1TRI20: R$ 8,71 bilhões
  • Bradesco 1TRI21: 8,06 R$ bilhões
  • Itaú 1TRI20: R$ 9,5 bilhões
  • Itaú 1TRI21: R$ 9,6 bilhões
  • Banco do Brasil 1TRI20: R$ 7,067 bilhões
  • Banco do Brasil 1TRI21: R$ 6,878 bilhões
  • Santander 1TRI20: R$ 4,48 bilhões
  • Santander 1TRI21: R$ 4,85 bilhões

Valor de mercado

Com o final da safra de balanços, os quatro maiores bancos listados em bolsa (Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander Brasil) somaram um valor de mercado, em 6 de maio, de R$ 696,7 bilhões.

Este valor é 26,8% inferior ao de dezembro de 2019, quando os banco registraram R$ 951,8 bilhões de valor de mercado – seu pico de valorização.

Itaú Unibanco é o maior com R$ 251,5 bilhões, seguido pelo Bradesco, com R$ 217,4 bilhões; Santander Brasil, com R$ 144,3 bilhões; e Banco do Brasil, com R$ 83,3 bilhões, segundo a Economatica.

bancos

Reprodução/Economática

Carteiras de crédito sobem

A carteira de crédito do Itaú (ITUB4) cresceu 15% na comparação ano a ano no 1TRI21, atingindo R$ 906,4 bilhões.

Já a carteira de crédito expandida do Bradesco (BBDC4) somou R$ 705,2 bilhões no balanço do 1TRI21, alta de 7,6%.

A carteira de crédito do Santander (SANB11) totalizou R$ 424,7 bilhões até março, alta de 12,2% em relação ao mesmo período de 2020.

Por fim, a carteira de crédito do Banco do Brasil (BBAS3) ficou em R$ 683,9 bilhões no 1TRI21.

PDD dos bancos cai de forma significativa

A despesa de provisão para créditos de liquidação duvidosa (PDD) do Itaú (ITUB4) recuou 59,2% no primeiro trimestre de 2021, quando comparado a igual trimestre do ano passado, para R$ 4,1 bilhões.

No Bradesco (BBDC4), a despesa de provisão para créditos de liquidação duvidosa (PDD) expandida foi R$ 3,907 bilhões, diminuição de 41,8% em relação ao mesmo período de 2020.

Já no Santander (SANB11), o PDD do 1TRI21 foi reduzido em 5,8%, totalizando R$ 3,4 bilhões.

Por fim, o Banco do Brasil (BBAS3) registrou uma provisão de crédito de liquidação duvidosa (PCLD) ampliada de R$ 2,536 bilhões em 2021, redução de 54,2% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.