Aprenda a lucrar com a alta do dólar no mercado financeiro

Natalia Gómez
Editora, é jornalista especializada no mercado de investimentos há 17 anos. Formada pela PUC-SP, teve experiências em veículos como Agência Estado, Valor Econômico e Revista Você SA; e na área de comunicação corporativa e relações públicas para instituições financeiras.

Crédito: lucrar com dólar

A alta do dólar pode atrapalhar seus planos de viajar para o exterior, mas também pode trazer grandes oportunidades de ganhos.

Existem várias formas de lucrar com a valorização da moeda norte-americana no mercado financeiro. Algumas delas são mais arriscadas que outras. 

Confira quais são elas nesta matéria e escolha aquela que mais combina com seus objetivos.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Certificado de Operações Estruturadas

Mais conhecidos como COE, o Certificado de Operações Estruturadas é um produto emitido por bancos que mescla componentes de renda fixa e variável.

A variedade é grande. Alguns deles são feitos para lucrar com a alta do dólar, pois têm dentro de sua cesta aplicações nesta moeda. 

A vantagem é que a maioria dos COE têm capital protegido. Ou seja, o investidor recebe de volta todo o valor investido, mesmo que ocorra uma perda no investimento. 

Simule o rendimento de investimentos em Renda Fixa

Neste caso, o único prejuízo que o investidor sofre é ter deixado de lucrar com outro investimento no período que investiu no COE. 

Antes de comprar, sempre verifique se o COE tem capital protegido, pois existem COEs sem esta proteção.

Já o lado negativo é que o COE não é protegido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Se o banco emissor quebrar, o investidor não sabe se terá seu dinheiro de volta. 

Por isso, outra dica importante é escolher com cautela a instituição emissora do COE. 

As informações mais importantes sobre este produto você encontra em um documento chamado DIE (Documento de Informações Essenciais).

Fundos Cambiais

Uma opção mais óbvia para lucrar com a alta do dólar é investir em fundos cambiais, que acompanham a variação da moeda.

Este tipo de fundo investe pelo menos 80% da sua carteira em ativos relacionados a moedas estrangeiras. O dólar é a moeda mais comum nesta modalidade. 

Estes produtos são considerados arriscados, justamente por oscilar ao sabor do câmbio.

A taxa de administração varia de acordo com cada instituição. É possível encontrar fundos desta modalidade com aplicação mínima de R$ 500.

Dólar Futuro 

O mercado de dólar futuro é uma maneira eficaz de lucrar com a alta do câmbio. No entanto, é importante destacar que esta forma de investimento é de alto risco e exige maior preparo do investidor.

Este mercado funciona da seguinte forma: o investidor pode assumir uma posição de compra ou de venda do contrato futuro da moeda. 

Quem assume a posição comprada do contrato, ganha com a alta do dólar e perde com a queda. Se a posição for de venda, o investidor ganha com a queda do dólar e perde com a alta.

Esta negociação ocorre na B3 e exige que o investidor tenha uma conta em uma corretora de valores para operar. Trata-se de um mercado muito volátil e de alta liquidez.

A fonte de riscos (e ao mesmo tempo a vantagem) vem do fato de que o investidor opera de forma alavancada. Isso significa que ele precisa de um montante pequeno de dinheiro para movimentar grandes quantias.

Em outras palavras, você pode ganhar muito mais do que investiu. O problema é que o tombo também será maior do que o valor investido. Confira mais detalhes: