Locaweb (LWSA3) conclui compra da plataforma digital; Brasil Brokers (BBRK3) aumenta capital

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Divulgação

A Locaweb (LWSA3) informou nesta terça-feira (12) que concluiu a compra da Vindi, plataforma de gestão de assinaturas e pagamentos recorrentes no Brasil. O anúncio da transação foi feito em outubro de 2020, mas só agora a transação foi completada, após todos os trâmites legais.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo

Em comunicado ao mercado naquela ocasião, a Locaweb informava que a Vindi foi avaliada em R$ 180 milhões.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

Fundada em 2013, a Vindi oferece soluções no modelo de assinaturas (planos e mensalidades) e combina um software de cobrança recorrente com uma plataforma de pagamento. “Entre os mais de 6 mil clientes, estão importantes marcas e os maiores cases de assinaturas do Brasil”, defende a Locaweb. “A empresa se estabeleceu no mercado ao disseminar o termo ‘economia da recorrência’ (traduzido do termo subscription economy) e em educar o mercado de SaaS (software as a service) e clubes de assinaturas”, completa.

“Os planos da aquisição incluem integrar as APIs de pagamentos recorrentes da Vindi na Tray (plataforma de e-commerce) e explorar todo o potencial de cross sellcom os demais segmentos de negócios da Companhia(BeOnline, SaaS e Commerce) com a adquirida”, segue o comunicado.

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

Em dezembro, a Locaweb já havia informado a aquisição da Melhor Envio, por R$ 83 milhões, por meio da subsidiária Locaweb Commerce.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

Equatorial (EQTL3) informa entrada de operação de reator e módulo

A Equatorial Energia (EQTL3) informou que em 23 de dezembro último entraram em operação o Reator de Barra 500 kV -150 Mvar Igaporã III e o Módulo Geral da SE Igaporã III que somam R$ 7,6 milhões em RAP (Receita Anual Permitida). Isso equivale a 7,84% do total da SPE.

Já em 6 de janeiro de 2021, entraramem operação a LT 500 kV Igaporã III / Janaúba 3 -C2 e o Módulo Geral da SE Janaúba 3, representando R$ 89,3 milhões em RAP, equivalente a 92,16% do total da SPE.

“Deste modo, entramos em operação comercial com a SPE 5 em sua totalidade”, ressalta a Equatorial.

O Contrato de Concessão da SPE 5 foi assinado em 10 de fevereiro de 2017, e a entrada em operação destes trechos “representa uma antecipação de aproximadamente 13 meses em relação ao prazo regulatório”, informa a empresa.

Atualmente,a Equatorial possui seis empreendimentos em operação comercial e dois em fase final para entrada em operação, além da Intesa.

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.


Divulgação / Equatorial

Brasil Brokers (BBRK3) aumenta capital

A Brasil Brokers (BBRK3) comunicou que nesta quinta-feira (12) aprovou o aumento de seu capital social no valor total de R$ 120 milhões.

Após o aumento, o capital social passará dos atuais R$ 653.895.835,30 para R$ 773.895.835,30.

A operação se dará mediante a capitalização da totalidade dos créditos contra a companhia, representados pela 1ª emissão de debêntures.

O aumento de capital tem como objetivo readequar a estrutura de capital da companhia e criar condições que permitam à Brasil Brokers a buscar novas formas de captação de recursos necessários para a expansão de suas atividades e executar sua estratégia de transformação digital.

Assim, a companhia emitirá 42.253.521 novas ações ordinárias, ao preço de R$ 2,84 a unidade.

Conforme explica a Brasil Brokers no comunicado ao mercado, as novas ações serão subscritas e integralizadas mediante a capitalização dos créditos representados pelas debêntures, respeitado o direito de preferência dos atuais acionistas da companhia.