Lirio Parisotto: como o investidor fez sua fortuna na bolsa de valores

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação

Dono de uma fortuna estimada em US$ 1,6 bilhão, Lirio Parisotto é um dos grandes investidores brasileiros na bolsa de valores.

Parisotto é o fundador da VideoLar, primeira fabricante de videocassetes do Brasil e pioneira na produção de DVDs e Blu-ray.

Além disso, o investidor construiu boa parte de sua fortuna de mais de US$ 2 bilhões por meio de ações.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

A história de como Parisotto saiu de uma fazenda no interior do Rio Grande do Sul para fazer sucesso no mercado financeiro e profissional você acompanha nos próximos parágrafos.

Insistência: chave do sucesso de Lírio Parisotto

Reconhecido no mercado financeiro por adotar estratégias de investimento similares às do bilionário Warren Buffett, Parisotto batalhou muito antes de, efetivamente, se tornar um expert na bolsa de valores.

O gaúcho nascido em Nova Bassano, em dezembro de 1953, é o primogênito de uma família formada por 11 irmãos e pais agricultores.

Formou-se em Medicina em Caxias do Sul, após trabalhar na fazenda dos pais e ganhar experiência profissional como bancário, comerciante e gerente de um frigorífico.

O futuro – e a fortuna -, no entanto, viriam do mercado financeiro.  A 1ª experiência, ainda na década de 1970, foi frustrada, e causou a Parisotto a perda de um alto valor, equivalente ao de um automóvel Fusca.

Ele não desanimou e, em 1986, dois anos antes de abrir a VideoLar, tentou pela 2ª vez. Investiu R$ 500 mil, mas precisou vender dois anos depois e acabou perdendo 50% da aplicação total.  No início dos anos 90, voltou à bolsa.

Carteira de ações

Em 1998, Lirio Parisotto fez um investimento de US$ 6 milhões. Montou uma carteira com 12 ações, que mantém até hoje. mantém até hoje, com investimentos nos setores de Siderurgia, Mineração, Energia e Bancário.

Perdeu cerca de R$ 600 milhões com a crise global de 2008, mas manteve a calma…e a carteira.

“Compro para casar, mas, às vezes, dá divórcio”, disse certa vez.

Aproveitou a baixa para comprar mais e recuperou o prejuízo. Hoje, conta em seu portfólio com ações de empresas como Celesc, Banco do Brasil, Eletrobras, CSN, Usiminas, Braskem, Vale, Light, Cielo e Eternit.

Nascimento e expansão da VideoLar

A fortuna de Parisotto não veio apenas do mercado financeiro.

Enquanto cursava faculdade, ele abriu a loja de eletrodomésticos Audiolar. Ao voltar de NY, abriu um videoclube nos fundos.

Desse videoclube nasceu a VideoLar. A empresa, aliás, ganhou “vida” após uma visita de Parisotto à Sony, no Japão, na qual teve a oportunidade de conhecer tecnologias ainda inéditas no País.

Após recuperar o prejuízo de suas tentativas iniciais no mercado financeiro, aproveitou os ganhos, comprou a parte de seu sócio na Videolar e começou a transformar a empresa em uma gigante do setor.

A empresa passou a faturar US$ 1,4 bilhão por ano. Em Manaus, onde tinha o polo industrial, chegou a dominar a produção de 90% do mercado brasileiro, com cerca de 1,5 milhão de mídias diárias.

Em 2002, a companhia passou de consumidora à produtora de resina poliestireno com a inauguração da primeira petroquímica da região.

Mais tarde, resolveu abrir o leque e passou a produzir tampas plásticas para bebidas e filmes de poliestireno para embalagens.

Em 2014, comprou a Innova e formou a Videolar-Innova, que produz etilbenzeno, tolueno, monômetro de estireno e poliestireno.

Hoje, a Innova fornece matéria-prima para produção de pneus, asfalto, resina, tinta e borracha.

Os “10 mandamentos” de Parisotto no mercado financeiro

Lirio Parisotto tem seus próprios “10 mandamentos” quando o assunto é mercado financeiro.

Vamos aos conselhos que ele deu em uma entrevista recente:

  1. Não perca tempo com oferta pública de ações (IPO)

Quando uma empresa resolve abrir capital, gasta com bancos, divulgação, etc. Lirio acha que quem paga essa conta é o investidor, pagando mais do que a ação efetivamente vale.

  1. Diversifique, mas não muito

Se você diversifica muito, prova que não acredita no que está comprando. Além disso, ter muitas ações no portfólio dificulta o acompanhamento do desempenho delas.

“Compro ação para casar, não para ficar. Isso não quer dizer que não possa dar divórcio”, brinca o investidor, sempre que dá entrevistas sobre o tema.

  1. Cuidado com setores “sensíveis”

O investidor considera setores aéreos e varejistas como sensíveis, ou seja, sujeitos às oscilações. Por isso prefere investir em ramos siderúrgicos ou de energia, mais robustos

  1. Fique longe de empresas com sedes em países exóticos

O investidor acha absurdo uma empresa brasileira manter sede em Bahamas, por exemplo.

  1. Não compre ações de empresa que dão prejuízo

Segundo Lírio, essa tática de comprar ações com expectativa que se recuperem raramente dá certo.

“O segredo do mundo é viver de dividendos. A valorização é só um plus”.

  1. Liquidez é fundamental

O investidor não abre mão de poder entrar e sair de um investimento quando bem entender.

  1. Ações boas e baratas

Não adianta procurar apenas ações com preço baixo. Elas precisam ser boas e baratas. Isso costuma ocorrer em momentos de crise.

  1. Não siga a “manada”

Fazer as próprias avaliações é boa parte do segredo do sucesso de Lirio. Não é porque alguém mandou vender que você deve fazê-lo. Estude e faça suas próprias análises.

“Investir sem informação é pecado capital”, costuma dizer.

  1. Deixe as emoções de lado

Uma das dicas mais importantes é controlar o medo e o desespero quando o mercado estiver em baixa. Também é necessário controlar a ganância quando ele está em alta e saber que o preço “não sobe acima do céu”. Aprenda a hora de vender.

  1. Aposte em um azarão

Uma chance de emplacar um golaço é aplicar parte do investimento em uma ação que não está no radar da maioria. Esse sim pode ser de maior risco, mas também precisa ser bem estudado.

Agressão à ex-mulher é mancha na carreira

Em 2017, Lirio Parisotto foi condenado por agressão à ex-mulher, Luiza Brunet, uma das modelos mais famosas da década de 1980. O caso aconteceu em Nova York, nos Estados Unidos, em 2016.

Segundo a denúncia, Parisotto bateu na ex-mulher, chegando a provocar lesões em quatro costelas.

Em fevereiro do ano passado, a condenação foi confirmada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

“Essa resposta da Justiça chancela a minha verdade e a de tantas outras mulheres que foram violentadas e obrigadas a se calar”, disse Luiza Brunet, ao Globo.

O empresário ainda recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas em setembro deste ano sofreu nova derrota.

Leia também: Jordan Belfort: A carreira e as polêmicas do Lobo de Wall Street