Lira: Reforma tributária não deve aumentar impostos nem prejudicar arrecadação

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta sexta-feira (18) que a proposta da reforma tributária em discussão no Congresso tem o objetivo de não aumentar a carga tributária, sem prejudicar a arrecadação do governo.

Lira participou de evento promovido pela Fiesp sobre o tema “A Indústria e a Reforma Tributária”. Conforme o presidente, é preciso corrigir distorções para evitar que quem ganhe menos pague mais impostos.

Arthur Lira quer garantir um amplo debate sobre a proposta e muita transparência para que a reforma seja aprovada pelos deputados.

“O que vai marcar nossa passagem [na presidência] é que ninguém vai ser pego de sobressalto. Tudo vai ser discutido com transparência e firmeza, mas sempre com a participação de todos. O importante é corrigirmos as distorções e possamos simplificar. Estamos tratando com calma e parcimônia, conversando com todos para evitar distorções financeiras para todos os setores”, explicou o presidente.

De acordo com Lira, ele espera que o Executivo encaminhe na próxima semana o projeto de lei que trata das mudanças na cobrança do imposto de renda de pessoas físicas e jurídicas e de lucros e dividendos.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

Ele afirma que com o texto nas mãos dos deputados, a tramitação da parte infraconstitucional da reforma vai ter andamento.

Propostas

O acordo firmado com o Senado é que naquela Casa tramitem as propostas de emenda à Constituição (PECs) 45/19 e 110/19 e na Câmara os projetos de lei da reforma.

Na Câmara, já tramita o Projeto de Lei 3887/20. Este cria a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), com alíquota de 12%. Além disso, servirá em substituição ao Programa de Integração Social (PIS) e à Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

“Todas as possibilidades de crescimento do PIB que o Brasil aponta, com pautas que estão sendo destravadas, andando com naturalidade. As pautas no Plenário têm tido um quórum expressivo com muito diálogo e muita negociação. E temos uma Câmara que fala menos e ouve mais, e um regimento alterado que saiu da pauta obstrutiva e permitiu que as coisas comecem a acontecer de maneira intensa”, disse Lira.

Reforma administrativa

Lira voltou a afirmar que a reforma administrativa estabelecerá um marco temporal claro ao não atingir os atuais servidores públicos. Conforme ele, “isso vai dar tranquilidade para a tramitação para fazer um desenho mais eficiente no futuro”.

A proposta de emenda à Constituição que trata do tema (PEC 32/20) teve sua admissibilidade aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania na semana passada e segue agora para o colegiado que vai analisar seu mérito.

Orçamento

Lira defendeu a desindexação e desvinculação do Orçamento da União, para simplificá-lo. Além disso, ressaltou que essa proposta não conta com ampla maioria na Câmara. Mas, poderia garantir investimentos em áreas que precisam de mais atenção sem as amarras exigidas pelo contingenciamento dos recursos. “Não é possível que no Brasil tenhamos 96% do Orçamento contingenciado”, disse.