Lira prevê racionamento de energia semelhante ao de 2001

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)
1

Crédito: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), prevê racionamento de energia neste ano semelhante àquele ocorrido em 2001 no governo Fernando Henrique Cardoso. A chamada crise do apagão, ocorrida no Brasil entre 2001 e 2002, afetou o fornecimento e distribuição de energia elétrica.

A campanha pelo racionamento de energia evitou cortes forçados e blecautes em todo o País. “Se houver a conscientização dos setores de reduzir o consumo na hora do pico, ajuda”, afirmou Lira.

Lira disse não acreditar que a medida provisória que autoriza a desestatização da Eletrobras possa ter algum dispositivo para ajudar na crise energética. O texto está no Senado e, caso haja alterações, a proposta deve voltar à Câmara.

Segundo Lira, o problema agora é o gerenciamento. “A MP da Eletrobras não vai resolver esse problema. O problema é de gerenciamento e reservatório, outras escolhas, de economia, de educação. É melhor você ter um dano controlado do que um dano desorganizado”, ponderou.

Medidas

Em audiência pública na Câmara dos Deputados nesta terça-feira (15), diretores da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) afirmaram que as medidas anunciadas pelo governo para garantir o fornecimento de energia elétrica neste ano afastam o risco de racionamento no curto prazo. Entre as medidas anunciadas estão o acionamento de usinas termelétricas disponíveis e o aumento da importação de energia da Argentina e Uruguai.

Representantes do setor elétrico descartam racionamento

As medidas anunciadas pelo governo para garantir o fornecimento de energia elétrica este ano, como o acionamento de todas as usinas termelétricas disponíveis e o aumento da importação de energia da Argentina e Uruguai, devem afastar o risco de racionamento no curto prazo.

A afirmação foi feita nesta terça-feira (15) por diretores da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Eles participaram de audiência pública na Comissão de Minas e Energia. O debate foi proposto pelos deputados Christino Áureo (PP-RJ) e Danilo Forte (PSDB-CE) e discutiu a crise hídrica.

De acordo com o ONS, os reservatórios de hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste, que respondem por 70% da capacidade de armazenamento do País, passam pela pior seca desde que os indicadores começaram a ser medidos, em 1931. Hoje, o nível de armazenamento é de 30,8%. Em algumas usinas, como Itumbiara e Água Vermelha, está em torno dos 10% (veja no gráfico).

“Com essas ações, a gente garante que chega ao final do ano com energia e potência necessárias para o consumo da sociedade”, disse o diretor geral do ONS, Luiz Carlos Ciocchi. Na avaliação da entidade, com as medidas anunciadas os reservatórios do Sudeste e Centro-Oeste chegarão em novembro, quando começa a estação chuvosa, com 10,3% da sua capacidade. Sem as medidas, chegaria a 7,5%.

Conta de luz

O diretor-geral da Aneel, André Pepitone, reconheceu a gravidade da crise hídrica, mas disse que a situação do Brasil hoje é melhor do que em 2001, quando houve o racionamento. Segundo ele, fatores como a expansão das linhas de transmissão e inclusão das fontes renováveis na matriz elétrica (como solar e eólica) deixaram o País mais preparado para o momento. “Nós temos uma segurança energética hoje muito mais robusta do que havia há 20 anos”, afirmou.

Pepitone disse ainda aos deputados que o acionamento das termelétricas vai elevar a conta de luz dos brasileiros. O custo adicional do despacho destas usinas é estimado em quase R$ 9 bilhões entre janeiro e novembro, valores que serão repassados para os consumidores em 2022.

Também convidado à audiência pública, o coordenador-geral de Ciências da Terra do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilvan Sampaio, disse que a cada ano a estação seca tem começado mais cedo e se prolongado mais em todo o País. “Isso é recorrente nos últimos 20 anos”, afirmou.

Participação do governo

Durante a audiência pública, o deputado Arnaldo Jardim (Cidadania-SP) disse ser contra a ideia do governo, divulgada na imprensa, de criar uma nova instância para coordenar o plano de ação contra o racionamento de energia elétrica. “Ao invés de instituir novas formas de gestão, é melhor fortalecer as atuais instâncias”, disse Jardim.

O deputado Danilo Forte cobrou a maior participação do governo na discussão de medidas estruturantes para o setor elétrico, como a liberalização do mercado e geração distribuída. Ele foi apoiado pelo presidente da comissão, Edio Lopes (PL-RR). “Nós carecemos de uma posição mais firme do governo”, disse Lopes.

Já o deputado Christino Áureo destacou a importância da diversificação da matriz energética brasileira nos últimos anos, mas disse que o País não pode abrir mão das fontes fósseis. “Não podemos demonizar o uso de fontes fósseis, especialmente das térmicas. Elas nos darão um suporte muito grande nessa travessia”, afirmou.

Os deputados Padre João (PT-MG) e Elias Vaz (PSB-GO) se posicionaram contra aumento de conta de luz. “Se tem uma coisa que a gente não pode é aumentar ainda mais a carga sobre o setor produtivo e os trabalhadores, que estão em uma situação difícil hoje”, disse Vaz.

*Com Agência Câmara de Notícias