Linx (LINX3) diz que analisará nova proposta da Totvs (TOTS3)

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Instagram Linx

A Linx (LINX3) anunciou nesta sexta-feira (9) que analisará a nova proposta realizada pela Totvs (TOTS3) e destacou também a lisura e independência de seu comitê na análise da proposta anterior.

O comunicado veio após a Totvs criticar o processo da Linx e prorrogar a validade da sua proposta de combinação de negócios com a mesma até 17 de novembro de 2020. A proposta foi apresentada inicialmente em 14 de agosto de 2020.

Em sua defesa, a Linx afirmou que “a análise e comparação dos termos e condições da Proposta Totvs e da operação com a Stone pelo Conselho de Administração foi feita de forma livre, desinteressada, informada e refletida, com a assessoria e pareceres de renomados assessores jurídicos e de assessor econômico-financeiro, tendo o Conselho de Administração concluído, em 1º de outubro de 2020, que a Proposta Totvs não era, naquela data, a que melhor atendia aos interesses da companhia e de seus acionistas”.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Conselhos de Unidas (LCAM3) e Localiza (RENT3) aprovam fusão

Os Conselhos de Administração de Unidas e Localiza aprovaram a fusão das companhias, nesta quinta-feira (8).

A incorporação de ações tem como propósito a combinação dos negócios da Localiza e da Unidas, por meio da incorporação de ações da Unidas, pelo seu valor econômico, pela Localiza.

Dessa forma, mediante a consumação da operação, a Unidas passará a ser uma subsidiária integral da Localiza.

A Localiza emitirá novas ações ordinárias que serão atribuídas aos antigos acionistas da Unidas.

Conforme a nota, os acionistas da Unidas receberão 0,44682380 nova ação ordinária de emissão da Localiza em substituição a 1 ação ordinária de emissão da Unidas por eles detidas.

Com base na relação de troca, os acionistas da Localiza passarão a deter 76,85000004% do capital social total e votante da companhia combinada, e os então acionistas da Unidas passarão a deter 23,14999996% do capital social total e votante da companhia combinada (“Participação Final”).

Os acionistas da Localiza não terão direito de retirada em função da incorporação, tendo em vista que as ações ordinárias da Localiza possuem liquidez e dispersão no mercado.

Enquanto isso, será garantido o direito de retirada aos acionistas da Unidas que não votarem favoravelmente à operação.

De acordo com as locadoras, a integração dos seus negócios deverá promover o aproveitamento de ganhos de escala, sinergias e aumentos de eficiência na companhia combinada.

A Unidas e a Localiza convocarão para o dia 12 de novembro de 2020 suas respectivas assembleias gerais extraordinárias, de forma a aprovar a incorporação de ações.

Por fim, a consumação da operação está sujeita à análise/aprovação do CADE.

Natura (NTCO3) capta R$ 5,6 bi em follow-on

A Natura precificou sua ações no Âmbito da oferta subsequente (follow-on) em R$ 46,25 por papel. Serão emitidas 121,4 milhões de ações, o que representará uma captação de R$ 5,614 bilhões.

O novo capital social da Natura será de R$ 12,586 bilhões, divididos em 1,375 bilhão de ações ordinárias.

A negociação das ações na Bolsa terão início na próxima terça-feira (13).

Conforme a Natura, os recursos levantados serão destinados para investimentos visando acelerar o crescimento da companhia ao longo dos próximos três anos e implementação da Agenda 2030 – Compromisso com a Vida, que visa a moldar um futuro de forma mais sustentável e inclusiva.

A companhia também pretende investir na digitalização dos negócios; expansão geográfica; e otimizar a estrutura de capital, acelerando a desalavancagem e reduzindo o endividamento em dólares norte-americanos, volatilidade da taxa de câmbio e altos custos de juros, bem como eliminando obrigações contratuais restritivas.