Linx (LINX3): Stone oferece R$ 6 bilhões em oferta de compra

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

O acordo entre a Linx (LINX3) e a StoneCo (STNE), fintech brasileira de soluções para pequenos e médios empreendedores, foi anunciado no começo da noite desta terça-feira (11), após especulações durante todo o dia.

Os papéis da Linx, inclusive, saltaram 31,50%, chegando a R$ 34,40.

O valor que a Stone vai pagar pela Linx é de R$ 6,045 bilhões, sendo 90% em dinheiro e 10% em ações.

No acordo, as partes concordaram que a integração das atividades da STNE e da Linx será implementada por meio da incorporação da totalidade das ações de emissão da Linx pela STNE.

Além disso, por meio do resgate da totalidade dessas novas ações preferenciais mandatoriamente resgatáveis da STNE, mediante o pagamento de valor em dinheiro e da entrega de ações classe A de StoneCo, negociadas na NASDAQ.

Operação Stone x Linx

Após a aprovação da incorporação das ações, serão atribuídas aos acionistas da Linx novas ações preferenciais mandatoriamente resgatáveis classe A e classe B de emissão da STNE, sendo:

  • Uma ação preferencial resgatável classe A e uma ação preferencial resgatável classe B de emissão da STNE para cada ação ordinária de emissão da Linx;
  • Cada ação preferencial Classe A da STNE será resgatada mediante o pagamento, à vista, ao seu titular, de R$ 30,39, atualizado com base na variação do CDI a partir do sexto mês contado a partir da data de assinatura do acordo;
  • Cada ação preferencial Classe B da STNE será resgatada mediante a entrega, ao seu titular, de 0,0126774 ações classe A de StoneCo, negociadas na NASDAQ;
  • A relação de troca acordada pelas partes atribui um valor de R$ 33,76 por ação da Linx;
  • O negócio poderá estabelecer alternativas de combinação de parcela em dinheiro ou em ações classe A da StoneCo, desde que respeitado o desembolso de R$ 5,441 bilhões e de entrega de 2.269.802 ações classe A da StoneCo.
  • Os detentores de American Depositary Receipts (ADRs) lastreados em ações de emissão da Linx farão jus ao recebimento de ações classe A da StoneCo, observada a mesma relação de troca;

Uma vez consumada a operação, as ações e os ADRs de emissão da Linx deixarão de ser negociados na B3 e na NYSE, respectivamente.

A negociação está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) de forma definitiva.

Caso a aprovação do CADE não seja obtida, a STNE deverá pagar multa compensatória à Linx no valor de R$ 605 milhões.

Caso seja realizada operação concorrente com um terceiro, a Linx deverá pagar multa compensatória à STNE equivalente a R$ 605 milhões.

Estratégia

“A estratégia da Stone se consolidou por meio do desenvolvimento de soluções financeiras e distribuição proprietária em escala nacional”, diz a empresa.

“Recentemente, a companhia também adotou a estratégia de investimento em empresas de software para ampliar e fortalecer sua oferta”, segue.

Segundo Thiago Piau, CEO da Stone, empresa que nasceu há oito anos, o objetivo é “de ajudar empreendedores brasileiros a prosperar por meio da oferta de produtos inovadores e um serviço excepcional, feito por um time extremamente talentoso que sempre coloca os nossos clientes em primeiro lugar”.

“Estamos muito felizes de juntar esforços com a Linx nessa jornada de transformar o varejo no Brasil”, afirma Piau.

A Linx

A Linx é líder no mercado de software de gestão para o varejo.

Tem mais de 30 anos de experiência, com mais de 70 mil clientes em e 100 mil pontos de venda.

Gera anualmente cerca de R$ 300 bilhões de GMV (gross merchandise value).

As soluções de software da Linx se estendem pelos principais segmentos do varejo, do pequeno ao grande negócio.

“Somadas às soluções de meios de pagamento e serviços financeiros da Stone, aceleram a estratégia da companhia de digitalização do varejo brasileiro através de uma solução completa para pequenos, médios e grandes varejistas, que poderão contar com mais produtos para gerir seu negócio, engajar clientes, integrar os canais de vendas online e administrar suas finanças”, diz a Stone.

“Uma nova frente de negócio será criada a partir da integração da Linx ao atual portfólio de investimentos em software da Stone, que somente ocorrerá após as devidas aprovações regulatórias”, segue.

O conselho executivo, após a conclusão, será liderado por Alberto Menache, atual CEO da Linx.

A transação está condicionada à aprovação pelos acionistas das duas companhias e pelos órgãos regulatórios competentes, como SEC e CADE.

Terça de manhã

A combinação das duas empresas foi assunto durante a terça (11), especialmente na parte da manhã, já com os mercados abertos.

O salto na cotação da Linx na B3 se deu após a empresa informar que estava em tratativas finais visando uma possível combinação de negócios com a Stone, por intermédio da sua controlada brasileira STNE Participações.

Enquanto isso, na Nasdaq, o papel da Stone subiu 11,04%, a US$ 52,39.